Menu
Busca segunda, 26 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
LOGÍSTICA

Governo diz que investimentos em ferrovias serão prioridade em 2018

24 dezembro 2017 - 19h22Por Portal Brasil
O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, afirmou, nesta quarta-feira (20), que o governo federal se dedicará mais intensamente à criação de parcerias com o setor privado para destravar a malha ferroviária do País em 2018. O objetivo, segundo ele, é fazer uma “entrega robusta” de projetos que tragam investimento em ferrovias para que o escoamento da produção agropecuária brasileira possa ocorrer com menos custos logísticos.
 
“Nós precisamos, no ano que vem, nos dedicar obcecadamente para a questão ferroviária. O Brasil não pode mais continuar com o sistema ferroviário que tem. O custo que isso provoca, o dano que isto causa à nossa principal sustentação econômica, que é o agrobusiness, é brutal". Moreira Franco afirmou também que, não fosse a "produtividade altíssima e brutal" do setor, os custos poderiam comprometer a competitividade.
 
Moreira Franco concedeu entrevista coletiva para apresentar um balanço do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), lançado no ano passado para viabilizar privatizações e demais concessões à iniciativa privada para empreendimentos em diversos setores. Segundo o ministro, ao garantir uma melhor logística será possível trazer mais segurança ao setor agrícola.
 
“Temos que ter o compromisso do País. Esse compromisso agora é mobilizar toda nossa capacidade de trabalho, força, criatividade, de liderança do PPI para que possamos destampar essa perseguição, vamos dizer assim, demoníaca, que nos impede de ter uma estrutura ferroviária no Brasil”, explicou, complementando que, para o governo, as ferrovias e portos devem ser tratados como se fossem irmãos siameses porque precisam funcionar em sintonia.
 
Balanço
 
Dos 145 projetos qualificados para o PPI, 70 já foram concluídos desde maio de 2016, quando o programa foi lançado. O ministro lembrou que as concessões não foram feitas para “sustentar o esforço do equilíbrio fiscal” e, por este motivo, R$ 142 bilhões foram garantidos para investimentos e somente R$ 28 bilhões em outorgas. “O objetivo não é para obter outorgas. O indutor é o investimento, que cria condições de produtividade. Já o aumento do consumo enfraquece o ambiente financeiro, fiscal e tem vida curtíssima”, disse.
 
As concessões envolvem contratos assinados e leilões de áreas como linhas de transmissão de energia elétrica, óleo e gás, aeroportos e terminais portuários. De acordo com o governo, 75 novos projetos estão em andamento, com investimentos previstos de R$ 132,7 bilhões tendo como foco o setor de transporte. Empresas de 16 países já participaram dos leilões realizados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Após sete meses da primeira confirmação, MS ultrapassa 80 mil casos de coronavírus
DOURADOS
Délia decreta emergência por causa de danos provocados pela tempestade
GRANDE DOURADOS
Telhado de barracão de cerealista ‘voa’ com o vento; veja vídeo
PLANO DE ARBORIZAÇÃO
Diagnóstico de 2019 mostrou necessidade de manejo em 20% das árvores de Dourados
PARANHOS
Motocicleta com sinal identificador adulterado é apreendida
LEI SECA
Operação conjunta aplica mais de 300 testes de embriaguez em apenas um dia na Capital
OPORTUNIDADE
Semana começa com mais de 100 vagas de trabalho em Dourados
TEMPORAL
Ventania passa e deixa rastro de destruição em Dourados
TRÁFICO DE DROGAS
Presas com drogas, mulheres dizem se tratar de "favor a um desconhecido"
DOURADOS
Serviços Urbanos prorroga prazo e eleva valor para uso de mão de obra carcerária

Mais Lidas

DOURADOS
Guarda encerra festa organizada por adolescente em plena pandemia, apreende droga e até arma artesanal
DOURADOS
PM é acionada e consegue evitar suicídio de homem em hotel
DOURADOS
Homem invade casa, tenta estuprar jovem e é detido por populares
DOURADOS
Homem é socorrido às pressas após levar golpes de facão na cabeça