Menu
Busca terça, 20 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
JUSTIÇA

Gilmar Mendes aponta 'telhado de vidro' de quem critica monocráticas

16 outubro 2020 - 13h00Por Agência Brasil

O ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), criticou nesta sexta-feira (16) a ideia de limitar o poder de ministros da Corte analisarem monocraticamente (de modo individual) pedidos de decisão liminar (provisória). Ele classificou a proposta de demagógica.

Mendes disse que os defensores da ideia devem ficar atentos aos “próprios telhados de vidro”. Ele citou como exemplo as liminares que por quatro anos autorizaram o pagamento de auxílio-moradia a magistrados, antes de finalmente serem liberadas para julgamento em plenário, onde foram derrubadas.

"Eu vejo agora muita gente entusiasmada: ‘vamos proibir a liminar, não se pode’. A liminar mais longa que eu conheço na história do Supremo Tribunal Federal, ao menos que tenho lembrança, é aquela do auxílio-moradia, porque não veio no plenário de imediato?”, indagou Gilmar Mendes.

As declarações foram dadas durante debate virtual sobre o passado, o presente e o futuro do Supremo, promovido pelo portal jurídico Conjur. Também participaram, por videoconferência, o procurador-geral da República, Augusto Aras, e os ministros aposentados do STF Nelson Jobim e Cezar Peluso, que disse "acompanhar integralmente" a fala de Mendes.

Gilmar Mendes disse que nos casos de ações diretas de inconstitucionalidade (ADI’s), por exemplo, a lei já prevê, salvo em casos excepcionais, a remessa a plenário dos pedidos de liminar, sendo desnecessárias novas propostas nesse sentido.

“Então não há nenhuma novidade”, afirmou ele. “Quer dizer, respeitem um pouco a inteligência alheia, não façam muita demagogia e olhem para os próprios telhados de vidro”, acrescentou.   

No caso do auxílio-moradia, as liminares haviam sido concedidas em 2014 pelo atual presidente do STF, ministro Luiz Fux, que na abertura do mesmo evento, nesta manhã, havia voltado a defender uma total “desmonocratização” do Supremo, bandeira que tem levantado desde sua posse na presidência da Corte, no mês passado.

“O Supremo do futuro é um Supremo que sobreviverá sempre realizando apenas sessões plenárias. Será uma Corte em que sua voz será unívoca. Em breve, nós desmonocratizaremos o STF, que as suas decisões sejam sempre colegiadas numa voz uníssona daquilo que a Corte entende sobre as razões e os valores constitucionais”, disse Fux.

O debate sobre o tema ganhou notoriedade nesta semana devido ao caso de André Oliveira Macedo, conhecido como André do Rap. Apontado como líder do PCC, maior facção criminosa do país, e acusado de tráfico internacional de drogas, ele teve sua prisão preventiva revogada neste mês por uma liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello. A decisão acabou derrubada, ontem (15), pelo plenário do Supremo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUTEBOL
Santos encerra fase de grupos esta noite diante de argentinos
DOURADOS
Diretor da Inova Unigran concorre ao prêmio Startup Awards 2K20 e está entre os dez maiores mentores e heróis do Brasil
REGIÃO
Dupla é presa ao transportar droga em “mocó” de caminhonete
ELEIÇÕES 2020
Justiça eleitoral defere o sexto registro de candidato à prefeitura de Dourados
POLÍTICA
Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
REGIÃO
Com suspeita de contágio de Covid-19 em massa, frigorífico deverá fazer testagem em funcionários
REGIÃO
Gados furtados são recuperados pela polícia e mulher é presa por receptação
DOURADOS
Motorista bêbado causa acidente em semáforo da Avenida Marcelino Pires
INOVAÇÃO
Detran-MS vai disponibilizar equipamentos de auto-atendimento em Dourados
ECONOMIA
Brasil e banco americano assinam acordo de US$ 1 bi em investimentos

Mais Lidas

IDENTIFICADO
Vítima encontrada sem vida em bairro de Dourados tinha 17 anos
ACIDENTE
Criança de 3 anos se afoga em piscina de clube e socorristas tentam reanimação
DOURADOS
Homem é encontrado morto em frente residência no Parque das Nações I
ACIDENTE
Identificadas vítimas de capotamento na BR-267