Menu
Busca quinta, 02 de dezembro de 2021
Dourados
33°max
20°min
Campo Grande
30°max
22°min
Três Lagoas
35°max
22°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
RACISMO

Fundação Palmares exclui homenagens a atletas negros com 19 medalhas

04 dezembro 2020 - 19h50Por G 1

A Fundação Cultural Palmares, criada para combater o racismo e valorizar os feitos de pessoas negras do Brasil, retirou na última quarta-feira, dia 02 de dezembro, nome de 27 personalidades de uma lista de homenageados. O fato ocorreu após o órgão ligado ao governo federal ter definido em novembro que passaria a ter apenas tributos póstumos e não mais em vida. Assim, os atletas Ádria Santos, Janeth dos Santos, Joaquim Cruz, Servílio de Oliveira, Terezinha Guilhermina e Vanderlei Cordeiro de Lima deixaram de figurar na lista da entidade.

A portaria havia estabelecido em 11 de novembro que as mudanças começam a valer em 1º de dezembro e teriam caráter retroativo, ou seja, com a exclusão dos nomes homenageados em vida. Sérgio Camargo, atual presidente da fundação, foi o responsável por informar as alterações na lista, que ganhou o nome de João do Pulo, ex-recordista mundial do salto triplo e dono de duas medalhas de bronze em Olimpíadas. O paulista morreu em 1999, aos 45 anos, após uma crise hepática.

- Para que pessoas sejam reconhecidas em vida, novas homenagens, premiações e diplomas devem ser divulgados pela Fundação em breve - diz a nota oficial no site da Fundação Palmares.

Para Joaquim Cruz, campeão olímpico em 1984, a situação lhe foi "indiferente", uma vez que ele sequer tinha conhecimento das homenagens feitas anteriormente pela Fundação Palmares. Mas, também discordou dos novos critérios adotados pela portaria.

- Fazer homenagem para as pessoas quando elas estão mortas, eu não sou muito fã disso não. Quando você quer homenagear alguém, você faz isso quando ela está viva para ela saber que ela recebeu a tal homenagem. Eu não tenho muito para dizer, honestamente - afirmou Joaquim Cruz, um dos retirados da lista.

Veja quem são os atletas retirados da lista de homenagens da Fundação Palmares:

Ádria Santos

A mineira Ádria Santos é considerada a maior medalhista feminina do esporte paralímpico do Brasil. Aos 46 anos, a velocista competiu em sua carreira na classe T11, para atletas com cegueira total, e ganhou nada menos que 13 medalhas em Jogos Paralímpicos, sendo quatro de ouro, oito de prata e uma de bronze.

Segundo registro do Wikipedia, além das medalhas em Paralimpíadas, Ádria soma ainda 73 medalhas em provas internacionais e 542 medalhas em provas nacionais na sua classe, incluindo o tricampeonato pela IAAF (Federação Internacional de Atletismo Amador)

Janeth dos Santos Arcain

A armadora do basquete foi uma das maiores atletas do Brasil e fez história dentro de quadra representando o país ao lado de nomes como Magic Paula e Hortência. Aos 51 anos, a paulista guarda troféus e medalhas de grande expressão, como a Prata nas Olimpíadas de 1996, em Atlanta, e o Bronze em Sydney 2000. Janeth ainda foi ouro no Mundial de 1994 e do Pan-Americano de Havana em 1991.

Em 2014, Janeth se tornou membra do Hall da Fama do Basquetebol Feminino e teve uma carreira notável não só no Brasil, mas como também atuou no Houston Comets, sendo tetracampeã da WNBA, liga profissional de basquete dos Estados Unidos.

Joaquim Cruz

Com destaque em provas mais longas, como os 800m e os 1500m rasos, Joaquim Cruz foi um dos grandes fundistas do Brasil. Medalhista de ouro nas Olimpíadas de Los Angeles em 1984 e prata em Seul 1988, o ex-atleta de 57 anos chegou a ser dono do recorde olímpico na prova de 800m, com o tempo 1:43:00.

A sua notável carreira rendeu uma homenagem do Comitê Olímpico Brasileiro e, em 2007, Joaquim Cruz foi escolhido para acender a pira olímpica para o início dos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro. Atualmente, ele vive em San Diego, na Califórnia.

Servílio de Oliveira

Ex-pugilista de 72 anos, Servílio de Oliveira foi o primeiro brasileiro a conquistar uma medalha em Jogos Olímpicos no boxe. Em 1968, o paulista garantiu o bronze na Cidade do México e só viu outros brasileiros chegarem tão longe a partir de 2012, quando Adriana Araújo, Esquiva Falcão e Yamaguchi Florentino foram às semifinais em Londres.

Servílio seguiu atuando fora dos ringues no trabalho de ajuda a boxeadores como treinador e coordenador técnico, além de ter exercido o papel de comentarista. Se candidatou a vereador em Santo André nas últimas eleições, mas não foi eleito.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LEGISLATIVO DE MS
Pautada votação de 15 projetos na Ordem do Dia desta quinta-feira
Calorão previsto para o final de semana pode chegar a 37°C em Dourados
CLIMA
Calorão previsto para o final de semana pode chegar a 37°C em Dourados
Aposta feita em Dourados fatura prêmio de R$ 71,6 mil na quina
LOTERIA
Aposta feita em Dourados fatura prêmio de R$ 71,6 mil na quina
OVERLOAD
Operação cumpre mandados contra o tráfico internacional de cocaína em MS
FUTEBOL
Galo pode ser campeão hoje e Grêmio busca último suspiro no Brasileirão
REGIÃO
Governo derruba taxas do Detran e beneficia 1,3 milhão de condutores
DEZEMBRO VERMELHO 
Com avanços no tratamento, preconceito ainda é o maior 'adversário' na luta contra a Aids 
Informe Publicitário
Com megaestrutura, Show da Maiara e Maraísa no dia 07 terá ainda outras duas duplas; Veja
DOURADOS
Operação de combate ao tráfico "mira" vários bairros nesta quinta-feira
TRÁFICO
Menores são apreendidos comandando 'boca de fumo' a mando de facção

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Caminhoneiro que morreu em acidente na Serra de Maracaju era douradense
PONTA PORÃ
Morre agente de saúde alvo de atentado a tiros na fronteira
DARK CARD
Operação que apura desvios de recursos públicos feitos por servidores mira oficina em Dourados
DOURADOS
Homem persegue trio que invadiu o comércio dele e consegue recuperar celulares