Menu
Busca segunda, 29 de novembro de 2021
Dourados
30°max
19°min
Campo Grande
28°max
21°min
Três Lagoas
32°max
25°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
PORTO ALEGRE

Funcionária do Carrefour que filmou assassinato de João Alberto é presa

24 novembro 2020 - 21h50Por G1

A Polícia Civil informou nesta terça-feira, dia 24 de novembro, que prendeu temporariamente Adriana Alves Dutra, funcionária do Carrefour envolvida na morte de João Alberto Silveira Freitas. Agente de fiscalização do estabelecimento, ela é a mulher que aparece de blusa branca nas imagens, junto dos seguranças agressores. Ela foi presa em Alvorada, na Região Metropolitana de Porto Alegre, onde reside.

Segundo a delegada Vanessa Pitrez, diretora do Departamento de Homicídios, a polícia acredita que a mulher teve participação decisiva nas agressões sofridas por João Beto, porque ela teria poder de comando sobre os dois seguranças.

Em gravações feitas no momento do espancamento, Adriana aparece filmando a cena. Um motoboy que registrou o crime afirma que foi ameaçado por ela.

Caso João Alberto: veja perguntas e respostas sobre a morte de um cidadão negro em um Carrefour de Porto Alegre

'Ele pediu: Milena, me ajuda', diz mulher de homem negro morto em Carrefour de Porto Alegre
Funcionária diz em depoimento que ele 'parecia estar furioso com alguma coisa'

João, cidadão negro de 40 anos, foi morto espancado por dois seguranças, no último dia 19, véspera do Dia da Consciência Negra. Os dois seguranças, Magno Braz Borges, de 30 anos, e Giovane Gaspar da Silva, de 24, que também é PM temporário, foram presos em flagrante na noite do crime.

A Polícia Civil investiga se a agente de fiscalização mentiu sobre o caso. Adriana disse, no primeiro depoimento, que o policial militar preso pelo crime era cliente da loja – e não um funcionário da empresa de segurança contratada pelo supermercado. Também afirmou que não ouviu João Beto pedir ajuda. Veja as principais contradições apuradas no depoimento de Adriana.

Nesta segunda-feira (23), a Polícia Civil informou que sete pessoas são investigadas no inquérito que apura morte de João Alberto.

O crime

João foi assassinado após um desentendimento entre a vítima e uma funcionária do supermercado, que fica na Zona Norte da capital gaúcha.

A vítima teria falado algo e feito gestos para a fiscal, que chamou a segurança. João Beto fazia compras com a esposa, Milena Borges.

Os dois seguranças então conduziram João até o estacionamento. Ao chegar próximo, João desferiu um soco em um deles. Aí começaram as agressões. João foi derrubado no chão, levou socos e um dos seguranças chegou a ajoelhar sobre as costas dele. Uma análise preliminar do laudo de necropsia aponta a asfixia como provável causa da morte.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Traficante abandona veículo com 47 quilos de cocaína em aeroporto
CORUMBÁ
Traficante abandona veículo com 47 quilos de cocaína em aeroporto
Caixa d´água não é luxo. É necessidade
ARTIGO
Caixa d´água não é luxo. É necessidade
DOURADOS
Maiores de 18 anos imunizados até 29 de julho podem tomar reforço
Fernando Duarte lutará em Brasilândia nesta sexta-feira no evento UFTI de MMA
TV DOURADOS NEWS
Fernando Duarte lutará em Brasilândia nesta sexta-feira no evento UFTI de MMA
EMPREGO
Funtrab oferece 2.764 vagas na última semana de novembro
FORAGIDO
Colombiano que estava na lista da Interpol é preso em MS
ECONOMIA
Pix Saque e Pix Troco estão disponíveis a partir desta segunda
REGIÃO SUL
Governador entrega obras de infraestrutura, educação e esporte
CAPITAL
PRF que atirou em homem no interior de motel é encontrado morto
TEMPO
Segunda-feira nublada com possibilidade de chuva em Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
Vítima diz que assaltante devolveu dinheiro roubado após oração
CHAPADÃO DO SUL
Motociclista morre e mulher fica gravemente ferida após colisão frontal na MS-306
DOURADOS
Homem invade residência da ex, agride jovens com garrafa e acaba preso
LOTERIAS
Sete apostas de Dourados faturam R$ 1,1 mil na quadra