Menu
Busca sexta, 03 de julho de 2020
(67) 99659-5905

Falta de independência de programa nuclear recebe criticas de físicos

14 junho 2011 - 15h58

O programa nuclear brasileiro sofre de uma "promiscuidade perigosa" porque o mesmo órgão que fiscaliza as atividades envolvendo energia atômica também financia as pesquisas nesse campo.

Esse é o diagnóstico de uma comissão da SBF (Sociedade Brasileira de Física), que avaliou o estado da área e apresentou suas conclusões durante o Encontro de Física 2011, em Foz do Iguaçu (PR). "A confluência de interesses prejudica a supervisão de segurança", diz Luiz Carlos Menezes, físico da USP e presidente da comissão.

O alvo das críticas dos físicos é a Cnen (pronuncia-se "que nem"), ou Comissão Nacional de Energia Nuclear.

Menezes lembra que já há a iniciativa de criar uma agência independente de monitoramento, mas ela não avança. "Não duvido que os interesses corporativos da própria Cnen estejam emperrando essa consulta", diz ele.
No relatório, o terceiro produzido pela comissão da SBF, os físicos também abordam o que consideram estratégico para o futuro da pesquisa nuclear no Brasil. Entre as principais demandas da comunidade científica está a criação de um reator multipropósito.

Esse tipo de reator poderia suprir o país com radioisótopos de uso médico, importantes para radioterapia ou diagnóstico e hoje produzidos fora do Brasil. "A construção autônoma também traria qualificação técnica, até para fazermos outros reatores se fosse decidido que é o caso de fazer", diz Menezes.

Nesse ponto, o chefe da comissão é categórico: o país não precisa de mais reatores neste momento, e construí-los equivaleria a simplesmente comprar tecnologia pronta fora, o que seria "tolice", afirma o pesquisador.

Laercio Vinhas, diretor de radioproteção e segurança nuclear da Cnen, diz que, com o passar do tempo, os programas nucleares mundo afora de fato foram ganhando agências de monitoramento independentes."Também pretendemos que haja separação aqui, embora isso não signifique que hoje o trabalho seja malfeito", afirma Vinhas.

"Não estamos contrariando as convenções internacionais porque elas pedem que regulação e fomento sejam funcionalmente independentes, e isso já acontece no interior da Cnen", argumenta.

Fonte: Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
INSS prorroga antecipação do BPC e auxílio-doença até 31 de outubro
PONTA PORÃ
Ao avistar viatura, motorista abandona carro com cocaína foge a pé
PANDEMIA
Figueirão confirma 1º caso de coronavírus e doença chega em 90% dos municípios de MS
CORUMBÁ
Três veículos são recuperados próximo a fronteira com a Bolívia
PANDEMIA
Mais um município pede reconhecimento do estado de calamidade pública em MS
RIO BRILHANTE
Carga de cigarros contrabandeados é apreendida na BR-163
EDUCAÇÃO
UFGD dará início a aulas remotas em um mês
BRASIL
José Serra é denunciado por lavagem de dinheiro
IVINHEMA
Empresa de pulverização de agrotóxico é autuada em R$ 10 mil por descumprimento de embargo
PANDEMIA
MS se aproxima de 9,4 mil casos de coronavírus e soma 107 óbitos

Mais Lidas

DOURADOS
Decretos sobre aglomerações, igrejas e comércio terão mais 10 dias de vigência
PANDEMIA
Dourados tem quatro mortes por Covid em 24 horas, uma das vítimas médico
DOURADOS
Comerciante encontra homem morto ao chegar para abrir estabelecimento
20 VEÍCULOS
"Bonde do contrabando" é apreendido abarrotado de produtos do Paraguai