Menu
Busca sábado, 05 de dezembro de 2020
(67) 99659-5905
INVESTIGAÇÃO

Fachin vê múltiplos indícios de prática de organização criminosa por empresários

10 setembro 2017 - 19h05

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin retirou hoje (10) o sigilo de sua decisão que determinou a prisão temporária dos empresários do grupo J&F Joesley Batista e Ricardo Saud. Para Fachin, a prisão temporária é necessária porque são múltiplos os indícios, confessados pelos próprios empresários, de que integram organização voltada à prática sistemática de delitos contra a administração pública e de lavagem de dinheiro. Fachin é o relator da Operação Lava Jato no STF.

A decisão determina também a suspensão cautelar da eficácia dos benefícios de delação premiada acordados entre a Procuradoria-Geral da República (PGR) e os colaboradores.

Fachin não determinou a prisão do ex-procurador da República Marcello Miller, dizendo que não há elemento indiciário com a consistência necessária para a decretação da prisão temporária por organização criminosa, "ainda que sejam consistentes os indícios de que pode ter praticado o delito de exploração de prestígio e até mesmo de obstrução às investigações". Segundo o ministro, não se mostraram presentes os elementos de estabilidade e permanência que configuram o crime de associação criminosa.

Fachin determinou que o cumprimento dos mandados deve ocorrer com a "máxima discrição e com a menor ostensividade", evitando o uso de algemas, pois não se trata de pessoas perigosas. "Deverá a autoridade policial responsável pelo cumprimento das medidas tomar as cautelas apropriadas, especialmente para preservar a imagem dos presos, evitando qualquer exposição pública", diz a decisão.

A autorização da prisão de Joesley e Saud foi feita a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, depois que ele concluiu que os colaboradores esconderam do Ministério Público fatos criminosos que deveriam ter sido contados nos depoimentos, o que representa a quebra do acordo de delação premiada. Os empresários estão em São Paulo e podem ir à Brasília para se apresentar à Polícia Federal entre hoje (10) e amanhã (11).

O que motiviou o pedido de prisão de Marcelo Miller foi a suspeita da PGR de que o ex-procurador da República atuou como "agente duplo" durante o processo de delação. Miller ainda estava na procuradoria no período das negociações e deixou o cargo para atuar em um escritório de advocacia em favor da J&F.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BODOQUENA
Acidente que matou dois em rodovia aconteceu durante tentativa de ultrapassagem
PORTO MURTINHO
Mulher morre após marido perder controle de moto e cair
Articulação com o governo garante ligação asfaltada a bairro de Dourados
DOBRADINHA
Articulação com o governo garante ligação asfaltada a bairro de Dourados
Apreensões de drogas em MS ultrapassam 700 toneladas
BALANÇO
Apreensões de drogas em MS ultrapassam 700 toneladas
Infectologista ressalta pesquisas científicas e diz que estamos vivendo o pior momento da Pandemia
PANDEMIA
Infectologista ressalta pesquisas científicas e diz que estamos vivendo o pior momento da Pandemia
FEMINICÍDIO
Mulher é assassinada a facadas e suspeito também teria matado a mãe dela há dois anos
DEODÁPOLIS
Contratado por 'coroa', homem é preso com carro abarrotado de maconha
FUTEBOL
Brasileirão tem clássicos paulista e carioca em sábado com cinco jogos
FRONTEIRA
Homem e menina de 9 anos morrem em ataque de pistoleiros
DOURADOS
"Aqui é autoridade!": homem faz menção de estar armado para roubar moto de jovem

Mais Lidas

DOURADOS
Novo decreto não autoriza horário estendido do comércio em dezembro
TRÊS LAGOAS
Mãe vê menina com vizinho ao chegar do trabalho e descobre estupro
ECONOMIA
Pessoas que receberam auxílio emergencial irregular serão cobradas por SMS
PANDEMIA
Com novo óbito, Dourados confirma sexta morte por Covid em quatro dias