sexta, 21 de janeiro de 2022
Dourados
38°max
23°min
Campo Grande
35°max
22°min
Três Lagoas
37°max
23°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

EUA quer aliança com Brasil para combater subsídios

18 outubro 2003 - 14h27

Os Estados Unidos, por intermédio da sua embaixadora no Brasil, Donna Hrinak, sugeriram ontem celebrar uma aliança com o Brasil para combater os subsídios agrícolas praticados pela União Européia e pelo Japão.A proposta (ainda extra-oficial) foi feita em Porto Alegre, onde a embaixadora participou de algumas atividades, incluindo um encontro com empresários gaúchos anteontem na Fiergs (Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul) e o seminário "Ideologias à parte, tudo sobre Alca", promovido pela Amcham (Câmara Americana de Comércio), realizado ontem.Nas negociações da Alca (Área de Livre Comércio das Américas), o Brasil e os EUA têm se digladiado justamente em razão de subsídios agrícolas dos quais, segundo o governo brasileiro, os norte-americanos não abrem mão.Tal aliança seria, de acordo com a embaixadora, celebrada no âmbito do grupo de Cairns (entidade que congrega os grandes países produtores de produtos agrícolas, entre os quais EUA e Brasil)."A maneira mais efetiva para o Brasil defender os seus interesses na agricultura talvez seja trabalhar com os Estados Unidos e com os outros países do grupo Cairns para exigir a redução dos subsídios na Europa e no Japão", disse ela, procurando ressaltar o esforço dos norte-americanos para diminuir os subsídios praticados por japoneses e europeus.Um exemplo que ela cita é a proposta feita pelos Estados Unidos, em julho do ano passado, de reduzir os subsídios internos à agricultura e eliminá-los nas exportações."Queremos um mundo sem subsídios domésticos na agricultura, mas também sabemos que vivemos em um mundo real", afirmou ela.InteressesDefendendo uma Alca "ampla" e até mesmo a discussão dos subsídios agrícolas na região, a embaixadora norte-americana afirmou que a parte mais fácil da negociação já está resolvida, faltando, agora, equilibrar os interesses dos 34 países envolvidos.Hrinak defende janeiro de 2005 como prazo limite para o acordo, e não o adiamento. Uma conquista importante, segundo ela, é manter aceso o mecanismo de solução de controvérsias entre os países.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Motorista morto em acidente na BR-163 ficou preso sob o caminhão
SÃO GABRIEL

Motorista morto em acidente na BR-163 ficou preso sob o caminhão

GERAL

Vacinação infantil irregular terá consequências, diz ministro

Erradicação de plantações de maconha no Paraguai batem recorde 

Erradicação de plantações de maconha no Paraguai batem recorde 

EX-MINISTRO

MP questiona liberação de madeira apreendida em operação contra Salles

Tenente da PM é encontrado morto em quarto de hotel na Capital
REGIÃO

Tenente da PM é encontrado morto em quarto de hotel na Capital

CONCURSO

Divulgadas inscrições deferidas e indeferidas em seleção da SES/Agepen

Briga entre médico e gerente de UPA vai parar na delegacia

FUTEBOL

Fifa limita empréstimos de jogadores já a partir da próxima temporada

TRÁFICO

Bolivianos são presos com cocaína em frascos de desodorantes

FRONTEIRA

Operação Padrão dos fiscais da Receita provoca fila de 500 caminhões

Mais Lidas

REGIÃO

Jovem acusado de assassinar diretor de escola em 2012 troca tiros com a polícia e morre

REGIÃO

Trabalhador morre após sofrer descarga elétrica na BR-463

FRONTEIRA

Líder do PCC que tinha fugido de presídio do Brasil, é preso junto a comparsas no Paraguai

FRONTEIRA

Ostentação levou polícia até professor que faturava alto para guardar drogas