Menu
Busca quarta, 27 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
LAVA JATO

Em carta, Delcídio nega ameaça a senadores e diz não ter ódio

28 fevereiro 2016 - 07h58

Preso pela Operação Lava Jato, o ex-líder do governo no Sena Delcídio do Amaral mandou entregar uma carta aos 80 senadores na última sexta-feira, dia 26 de fevereiro, negando ter feito ameaças aos colegas para salvar o mandato no Conselho de Ética.

Na carta, o senador diz que as ameaças são "falsas e delirantes" e que o "injusto encarceramento" o afastou da vida política e social, mas não o "exonerou da coerência e da razão".

"Ódio e revanchismo não ocuparam minha imaginação", disse. No texto, o senador afirma ainda que "alguns órgãos de mídia [...] publicaram inverdades imputando-me a propagação de ameaças e constrangimentos aos meus pares no Senado, com o objetivo de evitar uma eventual cassação do meu mandato parlamentar".

A carta de Delcídio faz parte da estratégia do senador de convencer os parlamentares a preservarem o seu mandato no conselho. A preocupação do petista é que, caso perca o foro privilegiado, o seu processo seja investigado pelo juiz Sergio Moro, à frente da Lava Jato em Curitiba.

O tom da carta reproduz a entrevista concedida pelo senador nesta semana. Ele disse que "seria burrice" chantagear senadores em um momento no qual se precisa de apoio no conselho.

Delcídio foi preso em novembro de 2015 por tentar atrapalhar as investigações da operação Lava Jato. A decisão da prisão do senador foi baseada em uma gravação em que ele aparece oferecendo dinheiro e um plano de fuga para Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras, para que Cerveró não o citasse durante delação premiada. A delação foi feita pelo filho de Cerveró, Bernardo.

O senador ficou 87 dias preso em Brasília, período em que ficou afastado das atividades parlamentares, mas continuou recebendo salários e benefícios. No dia 19 de fevereiro, o Supremo Tribunal Federal revogou a prisão e o senador, que está suspenso do PT, poderia voltar ao Senado. Delcídio, no entanto, solicitou uma licença médica por 15 dias e ainda não voltou às atividades.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Governo impede entrada de estrangeiros no país por terra e água
BALANÇO
TST fechou 2020 com mais processos julgados que em 2019
EDUCAÇÃO
Curso de Psicologia promove palestra on-line para tirar dúvidas dos recém-formados
REUNIÃO
Petrobras elege novo Diretor de Refino e Gás Natural
216 VAGAS
Fiems inaugura Edifício Garagem para atender unidades do Sesi e Senai na Capital
CULTURA
Prêmio Sesc de Literatura abre inscrições para edição 2021
OPINIÃO
Ignore o fardo e viva a vida
MATO GROSSO DO SUL
Frentistas discutem reajuste salarial e outros benefícios no domingo em Campo Grande
BRASIL
Ministério faz consulta pública sobre política de promoção da saúde
EDUCAÇÃO
IFMS reabre prazo de matrículas da 1ª chamada para cursos técnicos integrados

Mais Lidas

ACIDENTES
Trânsito de Dourados faz terceira vítima fatal no ano, todas motociclistas
TEIXEIRA
Ex-primeira-dama morre cinco dias após o marido em Dourados
BR-276
Carreta com quase dez toneladas de maconha é apreendida em Dourados
DOURADOS
Empresária leva prejuízo de R$ 7 mil ao ter loja arrombada por ladrões em bairro