Menu
Busca domingo, 29 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
BRASIL

Dívida Pública Federal cai para R$ 4,12 trilhões em outubro

26 novembro 2019 - 12h50Por Agência Brasil

A Dívida Pública Federal (DPF) chegou a R$ 4,120 trilhões em outubro. O indicador, que inclui o endividamento interno e externo, retraiu 0,84% em termos nominais em relação a setembro. Os dados foram divulgados hoje (26) pelo Tesouro Nacional, em Brasília.

Segundo o Plano Anual de Financiamento (PAF) da dívida pública, divulgado em janeiro pelo Tesouro, a tendência é que a DPF encerre o ano entre R$ 4,1 trilhões e R$ 4,3 trilhões.

A Dívida Pública Mobiliária Interna (DPMFi) (em títulos), em circulação no mercado nacional, caiu 0,68%, passando de R$ 3,993 trilhões para R$ 3,966 trilhões. No mês passado, houve mais resgates do que emissões, com saldo de R$ 51,57 bilhões, o que explica a redução da dívida. Por outro lado, houve apropriação de juros no total de R$ 24,41 bilhões.

A apropriação de juros representa o reconhecimento gradual das taxas que corrigem os juros da dívida pública. As taxas são incorporadas mês a mês ao estoque da dívida, conforme o indexador de cada papel.

A Dívida Pública Externa recuou em 4,79%, encerrando outubro em R$ 154,71 bilhões.

Por meio da dívida pública, o governo pega emprestado dos investidores recursos para honrar compromissos. Em troca, compromete-se a devolver o dinheiro com alguma correção, que pode ser definida com antecedência, no caso dos títulos prefixados, ou seguir a variação da taxa Selic, da inflação ou do câmbio.

Composição

A participação dos papéis corrigidos pela Selic passou de 38,36% em setembro para 39,38% em outubro. A fatia dos títulos prefixados (com taxas definidas no momento da emissão) caiu de 31,75% para 30,42%.

A participação dos títulos vinculados à inflação subiu de 25,78% para 26,27%. A parcela do câmbio, que inclui a dívida pública externa, caiu de 4,11% para 3,93%.

Impactos da alta do dólar

O coordenador de Operações da Dívida Pública, Roberto Lobarinhas, afirmou que o impacto da alta do dólar na administração da dívida é “muito pouco relevante”.

“Toda a gestão de dívida é realizada de forma a minimizar quaisquer vulnerabilidades ou riscos. O impacto dessa elevação de dólar é muito pouco relevante”, afirmou.

Acrescentou que “não há no radar” qualquer intenção de o Tesouro Nacional fazer atuação extraordinária conjunta com o Banco Central por conta da alta recente do dólar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GRANDE DOURADOS
Carreta da Justiça atenderá Jateí na segunda-feira
TRF3
Advogado está isento de anuidade da OAB a partir dos 70 anos de idade e 30 de contribuição
BRASIL
Anvisa recebe pedido para análise da vacina da Janssen-Cilag
PANDEMIA
Fachin solicita informações sobre cumprimento de liminar que restringiu operações policiais no RJ
Dezembro terá três leilões com mais de 700 motocicletas pelo Detran
MS
Dezembro terá três leilões com mais de 700 motocicletas pelo Detran
ELEIÇÕES 2020
Para justificar ausência no domingo, eleitor deve baixar e-Título hoje
STF
Ministro intima PGR para que se manifeste sobre desistência de Bolsonaro de prestar depoimento
ESTADO
Agepen institui comissão para regulamentar critérios na seleção de reeducandos para o trabalho
STJ
Joesley Batista terá de pagar R$ 300 mil a Michel Temer por danos morais
INVESTIGAÇÃO
Perícia no tapa-buracos de Dourados deve ter resultado preliminar na segunda-feira

Mais Lidas

DOURADOS
Com leitos de UTI's lotados, prefeitura aumenta toque de recolher e manda fechar clubes
DOURADOS
Júri condena membros de grupo de extermínio a mais de 100 anos de prisão
PEDRO JUAN
Quatro corpos são encontrados enterrados na fronteira
BONITO
Mãe de bebê também morre após carro bater em coqueiro na MS-382