Menu
Busca quarta, 05 de agosto de 2020
(67) 99659-5905
NATURE

Diretor demitido pelo Inpe é escolhido um dos 10 cientistas de 2019

13 dezembro 2019 - 19h05Por G1

O físico brasileiro  Ricardo Galvão, ex-diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), foi incluído na lista da revista "Nature" de 10 cientistas que se destacaram em 2019. A relação completa de cientistas será publicada na próxim terça-feira, dia 17 de dezembro.

Galvão, que ocupava o cargo desde 2016, foi exonerado em agosto deste ano depois de rebater críticas do presidente Jair Bolsonaro aos dados do instituto, que indicavam alta no desmatamento na Amazônia.

Bolsonaro disse, em julho, que os números divulgados dias antes – e que registravam um aumento de 88% nos alertas de desmatamento – não coincidiam com a verdade, e que "parece até que [o presidente do Inpe] está a serviço de alguma ONG".

Após a fala, Galvão saiu publicamente em defesa da pesquisa. Em entrevista concedida na época, ele disse que a postura do presidente era uma afronta à ciência e ao instituto e comparou as acusações a uma "piada de um garoto de 14 anos".

Na ocasião, a revista "Nature" publicou um artigo repercutindo os dados do Inpe sobre a Amazônia e a posição do presidente em questionar dados científicos.

Meses depois da demissão de Galvão, uma pesquisa do Inpe confirmou o que os alertas já indicavam: o desmatamento cresceu na Amazônia. Segundo o Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), entre agosto de 2018 e julho de 2019, a área desmatada na Amazônia aumentou 29,5% em relação ao período anterior (agosto de 2017 a julho de 2018).

Sem arrependimentos

Em entrevista, nesta sexta-feira (13), Ricardo Galvão disse que sua atitude foi acertada e fez o governo tomar mais cuidado com o que diz.

"Essa homenagem [da revista] mostra que a minha reação ao governo foi correta. Os agentes públicos têm que saber que não existe autoridade acima da soberania da ciência. [...] Eu não me arrependo do que fiz, eu teria feito como fiz", afirmou Galvão, nesta sexta-feira.

O físico disse que sua demissão repercutiu de forma diferente do que esperava o governo Bolsonaro.

"Fui atacado e reagi. Ele queria descredibilizar nosso trabalho e, ainda que eu tenha perdido meu cargo, isso repercutiu diferente do esperado por eles. Os olhos do Brasil e do mundo se voltaram para a Amazônia e para a ciência. E, não só isso, como estou sendo congratulado."

Currículo

Ricardo Galvão é formado em engenharia de telecomunicações pela Universidade Federal Fluminense, com mestrado em engenharia elétrica pela Universidade de Campinas e doutor em física de plasmas aplicada pelo Massachusetts Institute of Technology. Atua como pesquisador desde 1972 e tem mais de 200 artigos publicados.

Desde que deixou o cargo, Galvão voltou para a sua posição de professor no Instituto de Física da Universidade de São Paulo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Copom reduz taxa básica de juros da economia para 2% ao ano
ECONOMIA
Dólar fecha em leve alta em dia de Copom
MS-156
Paulista com habilitação falsa é preso transportando 229 kg de maconha
LEGISLATIVO
Emenda de Neno Razuk viabiliza compra de veículo para Casa Peniel, na Capital
PANDEMIA
Sem casos de Covid-19, Detran em Dourados mantém atendimentos por agendamento
FUTEBOL
Santos demite técnico português Jesualdo Ferreira
CENSO ELEITORAL
Brasil tem 147,9 milhões de eleitores aptos a votar nas Eleições 2020
MATO GROSSO DO SUL
TJ nega recurso de condenado por furto de fios de residência
DESCAMINHO
Produtos paraguaios avaliados em R$ 120 mil são apreendidos em Vila Vargas
DOURADOS
Guardas capturam foragido da justiça próximo a residenciais de luxo

Mais Lidas

DOURADOS
Peladão: Homem é detido após armar confusão em motel e quebrar vários quartos
DOURADOS
Condutor de veículo que atropelou ciclista e fugiu sem prestar socorro é identificado
POLÍCIA
Duas mulheres são presas por estelionato em Dourados
TRAGÉDIA
Mulher que morreu em acidente na BR-463 em Ponta Porã tinha 27 anos