Menu
Busca quinta, 16 de setembro de 2021
(67) 99257-3397
LAVA JATO

Delação premiada cria expectativa de abrir caixa-preta da Petrobras

03 setembro 2014 - 16h00

Cogitada pela defesa do ex-di­retor da Petrobras Paulo Roberto Costa para livrá-lo de pelo menos uma parte da pena que deve chegar a mais de 40 anos de prisão, a delação premiada é um artifício utilizado há muito pelo Ministério Público (MP) para garantir a elucidação de crimes. Segundo o procurador regional da República Carlos Fernando Santos Lima, pelo menos outros cinco dos 42 réus da Operação Lava Jato também já procuraram o benefício.

Lima conta que nenhum dos pedidos chegou a ser avaliado, já que eram de pequenos participantes no esquema de lavagem de dinheiro desarticulado pela Polícia Federal em março. Já no caso do ex-diretor da Petrobras, a delação pode ser uma boa alternativa, tanto para o réu quanto para a Justiça. Pela lei, se firmar o acordo, Costa pode ter a pena diminuída de um terço a dois terços, obter o direito de cumprir a pena em regime semiaberto, ter a condenação extinta e até perdoada.

Detalhes do esquema

“Se eu falar, não vai ter eleição”, teria dito Costa a um interlocutor, segundo a revista Veja, indicando o potencial de revelações do ex-diretor. O procurador Lima não chega a confirmar a informação, mas explica que a delação de Costa pode servir para detalhar como funcionaria o esquema de desvio de dinheiro dentro da Petrobras e outros braços da administração pública. “As provas de lavagem [de dinheiro] já estão bem constituídas; o problema está nos crimes que antecedem essa lavagem”, diz.

O procurador aponta como “limitadores” para o processo a inviabilidade de perícias em materiais de obras da estatal, como da refinaria Abreu e Lima (PE), por exemplo. Segundo as investigações, há indícios de superfaturamento na compra de tubulações para a refinaria. “Há uma verdadeira caixa-preta dentro da Petrobras que ainda não foi desvendada”, explica Lima.

Mesmo com a possibilidade de desvendar detalhes do esquema, Lima é prudente. “Não vou assinar [o acordo de delação] só porque ele quer”, diz. O procurador já atuou em mais de uma dezena de acordos – inclusive no que suspendeu os processos envolvendo o doleiro londrinense Alberto Youssef no caso do Banestado, em 2004. “Avaliamos se o acordo vai valer. Se ele tiver muito para oferecer, assinamos.”

Cláusulas

O defensor público Ro­­dri­­go Murad do Prado explica que um acordo de delação premiada depende de um pedido formal do interessado, anuência do Ministério Público, coleta de depoimento e, finalmente, homologação pela Justiça. “Os acordos são como contratos e preveem direitos e garantias para o delator e para o Estado. Qualquer quebra de cláusulas configura perda para o réu.”

“É 100% para ele [delator]. Se ele omitir ou mentir, por exemplo, eu posso usar tudo [no processo], mas o réu perde todos os benefícios”, diz Lima, citando o caso de Youssef que, depois de recorrer no crime, quebrando o acordo de delação no caso Banestado, agora terá que responder também aos processos que haviam sido suspensos. “No caso, a palavra dele [Youssef] vale menos agora; só faríamos acordos com provas”, diz o procurador.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Enquanto mãe trabalhava, avô estuprava menina de quatro anos
Inscrições para 8ª Mostra Audiovisual de Dourados seguem até dia 29
PRAZO
Inscrições para 8ª Mostra Audiovisual de Dourados seguem até dia 29
Homem é preso na Vila Popular acusado de tráfico e porte ilegal
DOURADOS
Homem é preso na Vila Popular acusado de tráfico e porte ilegal
JUSTIÇA
Quatro anos depois, homem é condenado pela morte do cunhado
ECONOMIA
Caixa reduz juros do crédito habitacional na modalidade poupança
SÃO PAULO
Fiscalização encontra 30 quilos de cocaína em tanque de combustíveis
BRASIL
Mesa da Câmara confirma cassação do deputado Boca Aberta
CRIME AMBIENTAL
Ambiental surpreende infratores pescando na Cachoeira do Apa 
PUBLICAÇÃO
Prazo para envio de trabalhos da Revista da PGE termina amanhã
Acusado de assassinato, homem é flagrado levando foragido ao Paraguai

Mais Lidas

DOURADOS
Após denúncias, casal é preso por tráfico no Jardim Guaicurus
TRAGÉDIA EM SP
Sócio de usina em MS e mais 6 pessoas morrem em acidente com aeronave
DOURADOS
Embriagado, dono de bar agride e ameaça funcionária
DOURADOS
Para desafogar 'avenida da morte', obra em trevo da BR-163 começa no próximo mês