Menu
Busca sexta, 22 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
SEU BOLSO

Contas de luz devem subir, em média, 4,6% em 2016

23 dezembro 2015 - 15h05

As contas de energia elétrica no Brasil devem ter em 2016 reajuste médio de 4,6%, informou nesta quarta-feira (23) o diretor de Política Econômica do Banco Central (BC), Altamir Lopes.

De acordo com Lopes, porém, essa estimativa não considera a taxa das bandeiras tarifárias, que passaram a incidir nas tarifas em 2015 e refletem o custo mais alto da produção de energia pelo uso mais intenso de termelétricas. A eletricidade gerada pelas termelétricas é mais cara porque elas utilizam combustíveis como óleo e gás natural para funcionar.

Em 2015, o uso das termelétricas – e a aplicação das bandeiras tarifárias – contribuiu para um aumento médio de 51,6% nas contas de luz no país. Em 2014, por exemplo, para evitar o repasse imediato desse custo aos consumidores, e um salto nas tarifas, o governo fez empréstimos bancários para ajudar as distribuidoras.

A estimativa de 4,6% leva em consideração, porém, os impactos do fenômeno El Niño, que deve elevar as chuvas em algumas regiões do país. A maior incidência de chuvas contribui para encher os reservatórios de hidrelétricas, que produzem energia mais barata.

Com represas cheias, o país passa a utilizar mais energia das hidrelétricas e, consequentemente, menos as termelétricas. Por isso, a expectativa é que deve cair em 2016 a taxa paga pelos consumidores via bandeiras tarifárias.

De acordo com Lopes, porém, essa estimativa não considera a taxa das bandeiras tarifárias, que passaram a incidir nas tarifas em 2015 e refletem o custo mais alto da produção de energia pelo uso mais intenso de termelétricas. A eletricidade gerada pelas termelétricas é mais cara porque elas utilizam combustíveis como óleo e gás natural para funcionar.

Em 2015, o uso das termelétricas – e a aplicação das bandeiras tarifárias – contribuiu para um aumento médio de 51,6% nas contas de luz no país. Em 2014, por exemplo, para evitar o repasse imediato desse custo aos consumidores, e um salto nas tarifas, o governo fez empréstimos bancários para ajudar as distribuidoras.
A estimativa de 4,6% leva em consideração, porém, os impactos do fenômeno El Niño, que deve elevar as chuvas em algumas regiões do país. A maior incidência de chuvas contribui para encher os reservatórios de hidrelétricas, que produzem energia mais barata.

Com represas cheias, o país passa a utilizar mais energia das hidrelétricas e, consequentemente, menos as termelétricas. Por isso, a expectativa é que deve cair em 2016 a taxa paga pelos consumidores via bandeiras tarifárias.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Inscrições para o Encceja são prorrogadas até 25 de janeiro
BRASIL
Inscrições para o Encceja são prorrogadas até 25 de janeiro
"Boca de fumo" é fechada no Jardim Itália e três são detidos
DOURADOS
"Boca de fumo" é fechada no Jardim Itália e três são detidos
Salariômetro: reajuste salarial ficou abaixo da inflação em dezembro
BRASIL
Salariômetro: reajuste salarial ficou abaixo da inflação em dezembro
O Ensino Fundamental do Seu filho para 2021
EDUCAÇÃO
O Ensino Fundamental do Seu filho para 2021
Empresa deve projetar asfalto entre distritos de Dourados por R$ 257 mil
MS-274
Empresa deve projetar asfalto entre distritos de Dourados por R$ 257 mil
DOURADOS
Prefeito isenta imposto para construção de indústria com investimento bilionário
SAÚDE & BEM - ESTAR
Unimed Dourados lança novo site para beneficiários e cooperados
REGIÃO
Traficante é flagrado com 1 tonelada de maconha em picape guinchada
ENSINO FUNDAMENTAL
Inscrições para o Encceja 2020 terminam nesta sexta-feira
ESTADOS UNIDOS
Biden vai pedir quarentena a passageiros internacionais

Mais Lidas

DOURADOS
Segundo corpo encontrado às margens da BR-163 é identificado
VIAGEM SANTA
PF deflagra operação contra tráfico de drogas em empresas de turismo religioso de Dourados
DOURADOS
Um dos corpos encontrados às margens da BR-163 foi quase decapitado
DOURADOS
Alvo da PF, empresário foi preso com armas e fortuna ao sofrer atentado em 2019