Menu
Busca quinta, 28 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
NACIONAL

Comissão Mista de Orçamento aprova déficit primário de R$ 119,9 bilhões em 2015

17 novembro 2015 - 20h50

A Comissão Mista de Orçamento (CMO) aprovou agora há pouco o projeto (PLN 5/15) que autoriza o governo a fechar o ano de 2015 com déficit primário de até R$ 119,9 bilhões.

Esse valor substituirá a meta inicial da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2015, de superávit primário de R$ 55,3 bilhões para a União e R$ 11 bilhões para os demais entes federados.

Solicitada pelo governo, a mudança decorreu da piora do cenário fiscal, com queda de receita e dificuldade para cortar despesas. O resultado primário da União até setembro foi deficitário em R$ 22,2 bilhões, o menor valor para o período, de acordo com série histórica iniciada em 1997. A votação na CMO foi nominal, por exigência da oposição.

O líder do governo na comissão, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), informou que o Executivo quer negociar com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a votação do texto na sessão de amanhã (17). Cabe a Renan definir a pauta de votações do Congresso.

Relatório

O projeto foi relatado pelo deputado Hugo Leal (Pros-RJ), que teve de fazer mudanças na redação original, de modo a acompanhar as flutuações da receita e da despesa desde que o texto chegou ao Congresso, em julho.

Leal apresentou dois relatórios, ambos diferentes da proposta enviada pelo Executivo, que ainda apostava em superávit de R$ 5,8 bilhões para este ano.

O texto aprovado estabelece meta de déficit primário para a União de R$ 51,8 bilhões e superávit para os estados, Distrito Federal e municípios de R$ 2,9 bilhões, resultando em um déficit de R$ 48,9 bilhões para o setor público brasileiro.

Abatimento da meta

O relatório final permite que o Executivo reduza seu esforço fiscal para ampliar o déficit. De acordo com o texto, o governo poderá acrescentar à sua meta até R$ 68,1 bilhões, caso sejam frustradas as receitas com concessões de usinas hidroelétricas (R$ 11,05 bilhões), que serão leiloadas ainda neste ano, e sejam pagas dívidas do Tesouro Nacional com o BNDES, FGTS, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal (R$ 57,01 bilhões).

Com o acréscimo autorizado, o déficit de R$ 51,8 bilhões pode chegar a R$ 119,9 bilhões. Qualquer valor entre esse intervalo coloca o governo dentro da meta de resultado primário.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Estudo constata infecção simultânea por duas linhagens do coronavírus
BRASIL
Estudo constata infecção simultânea por duas linhagens do coronavírus
Adolescente é apreendido com mais de 20 tabletes de maconha em ônibus
REGIÃO
Adolescente é apreendido com mais de 20 tabletes de maconha em ônibus
PANDEMIA
Equipe da OMS inicia investigação sobre origem do novo coronavírus
Com a ajuda de cães farejadores, polícia apreende mais de 10 kg de cocaína
MS-040
Com a ajuda de cães farejadores, polícia apreende mais de 10 kg de cocaína
Polícia Federal abre investigação para identificar autores de comentários contra índios
DOURADOS
Polícia Federal abre investigação para identificar autores de comentários contra índios
DOURADOS
Bandidos armados roubam corrente do proprietário de uma conveniência
STF
Ministra Cármen Lúcia pede informações ao governo sobre privatização da ECT
DOURADOS
Assaltantes invadem residência no residencial Monte Carlo e fazem "limpa"
PANDEMIA
Variante do coronavírus faz países suspenderem voos com o Brasil
BR-163
Jovem é preso transportando drogas de Dourados para Rondônia

Mais Lidas

DOURADOS
Escândalo na PED envolve namoro de agente com preso e 'nudes' de supostas enfermeiras
DOURADOS
Denúncia aponta presos em churrascos com luxo e participação de enfermeiras na PED
TEIXEIRA
Ex-primeira-dama morre cinco dias após o marido em Dourados
DOURADOS
Empresária leva prejuízo de R$ 7 mil ao ter loja arrombada por ladrões em bairro