Menu
Busca quinta, 03 de dezembro de 2020
(67) 99659-5905
JUDICIÁRIO

CNJ pune juiz que acusou Gilmar Mendes de receber propina

03 dezembro 2019 - 22h05Por Agencia Brasil

O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) decidiu nesta terça-feira, dia 03 de dezembro, punir o juiz Glaucenir de Oliveira, da Vara Criminal de Campos de Goytacazes (RJ), por causa de um áudio de WhatsApp em que ele acusou o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), de receber propina para conceder habeas corpus ao ex-governador do Rio Anthony Garotinho. O caso ocorreu em 2017. 

Por maioria, os conselheiros seguiram o voto proferido pelo presidente, ministro Dias Toffoli, para aplicar pena de disponibilidade ao magistrado, a segunda mais grave prevista na Lei Orgânica da Magistratura (Loman). Pela disponibilidade, o juiz ficará dois anos afastado do cargo, mas terá direito a receber salário proporcional ao tempo de serviço. A pena mais grave é a aposentadoria compulsória.

Em um grupo de juízes, Glaucenir enviou uma mensagem de áudio na qual dizia que Mendes receberia uma quantia em espécie para cassar uma prisão preventiva de Anthony Garotinho em dezembro de 2017. O político estava preso por ordem do magistrado sob a acusação de compra de votos. 

“A mala foi grande”, disse o magistrado no áudio. Ele disse ter recebido informações de terceiros sobre o pagamento de propina a Mendes. Glaucenir acrescentou ainda que outros ministros do STF se “acovardam” ante as decisões do colega e concluiu afirmando que “virar palhaço de circo do Gilmar Mendes não tem condição”.

Em seu voto, Toffoli classificou a fala de Glaucenir como muito grave e afirmou que a declaração atingiu a dignidade do STF.  Para o ministro, a retratação feita pelo juiz não foi suficiente para reparar o dano moral causado. 

“"Isso não atinge só a pessoa do ministro que foi atacado. Ele [juiz] atingiu toda a instituição. Veja que isso alimenta, se repete e nunca mais se consegue tirar da internet. Todos nós sabemos disso, se eterniza no tempo", afirmou Toffoli.

Durante o julgamento, a defesa disse que Glaucenir de Oliveira se retratou dos fatos e exerceu o exercício do direito de expressão em um grupo privado do aplicativo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LEGISLATIVO DE MS
Pautados quatro projetos de lei para a sessão desta manhã
Com cidade tomada por mato, prefeitura reforça apelo judicial para destravar limpeza
DOURADOS
Com cidade tomada por mato, prefeitura reforça apelo judicial para destravar limpeza
EDUCAÇÃO
FNDE prorroga prazo para renovação semestral do Fies
Grupo aborda vítima e rouba celular na Vila Olímpica
POLÍCIA
Grupo aborda vítima e rouba celular na Vila Olímpica
ECONOMIA
Nota MS Premida distribui R$ 3 milhões em prêmios
POLÍCIA
Homem tem moto furtada no Alto das Paineiras
APARECIDA DO TABOADO
Cocaína avaliada em R$ 18 milhões é encontrada em caminhão parado em posto
SAÚDE & BEM - ESTAR
Unimed Dourados é certificada com o Selo Unimed de Governança e Sustentabilidade 2020
MS
Vítimas de violência doméstica terão prioridade em programas habitacionais
INFORME PUBLICITÁRIO
Mahogany chega em Dourados com novo conceito em fragrâncias

Mais Lidas

PANDEMIA
Casos de coronavírus levam fechamento de três agências bancárias em Dourados
POLÍCIA
Homem é encontrado morto em ponte próximo à Vila Cachoeirinha 
MAUS TRATOS
Mãe é denunciada após apagar cigarro na mão da filha em Dourados
CAARAPÓ
Jovem que matou companheira com mata-leão é autuado em flagrante por homicídio doloso