Menu
Busca sexta, 14 de agosto de 2020
(67) 99659-5905

Caso de vaca-louca nos EUA pode beneficiar Brasil

24 dezembro 2003 - 16h28

A suspeita provável do primeiro caso de vaca-louca no estado de Washington (EUA), pode aumentar as exportações de carnes do Brasil. A avaliação é do ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues que está em Ribeirão Preto (SP), para comemorar o recesso de Natal.Ele disse que até a venda de carne bovina para os Estados Unidos é possível. Na onda, as exportações de frangos e suínos, para outros países também poderão sair fortalecidas, uma vez que a desconfiança das pessoas em relação à carne bovina aumento demais. "É uma situação dramática para os Estados Unidos. É uma pena que tenha acontecido isso com eles, mas isso pode abrir mercados para o Brasil".Apesar da hipótese de incremento das exportações brasileiras, o ministro imagina que o protecionismo sanitário dos países importadores de carne poderá aumentar ainda mais. "O lado negativo é que pode haver um crescimento do sentido protecionista sanitário dos países importadores de carne e que irão criar cada vez mais dificuldades para que os países produtores, como é o caso do Brasil, possam avançar seus mercados consumidores", disse o ministro, numa entrevista por telefone, afirmando que tal situação exigirá do Brasil muito mais rigor e dureza nas questões sanitárias.Rodrigues afirmou que o primeiro caso da vaca-louca nos Estados Unidos pode ajudar também o Brasil a aumentar suas vendas para países como Japão e Coréia, que compram cerca de 60% de toda a carne bovina produzida pelos Estados Unidos. Segundo ele, países como Brasil - atualmente o maior exportador de bovinos do mundo - Austrália e Argentina poderão ganhar mais espaço no mercado asiático. "Ainda há resistência dos países da Ásia em comprar carne do Brasil por causa da aftosa, especialmente na Região Nordeste do país, mas ainda sim há possibilidades de abrirmos mercados na Ásia", disse. Para evitar qualquer impacto negativo no mercado brasileiro, o Ministério da Agricultura já tomou as providências sanitárias exigidas pela Organização Internacional de Epizootias (OIE). Suspendeu as importações de ruminantes originários dos Estados Unidos e de todos os produtos e subprodutos desses animais. As autorizações de importações de produtos considerados de risco que estavam em negociação e que não foram implementadas também foram canceladas. De acordo com Rodrigues, o governo brasileiro está em contato com o governo dos Estados Unidos e rastreando todos os animais suspeitos para evitar qualquer impacto no Brasil. "Estamos livres da doença porque o Brasil tem seu gado alimentado no pasto. E a vaca-louca só se transmite por rações de origem animal e não por rações de origem vegetal, como é o caso brasileiro", explicou, reforçando a tranquilidade do governo brasileiro quanto a questão. (ABr)  

Deixe seu Comentário

Leia Também

FRONTEIRA
Homem é executado a tiros ao parar com Mercedez em semáforo
POLÍTICA
Bolsonaro admite voltar ao PSL em vez de 'investir' em outro partido
CRIME AMBIENTAL
Assentado é multado em R$ 20 mil por provocar incêndio na propriedade
UFGD
Editora lança obras em comemoração aos 15 anos de Universidade
POLÍCIA
Professor preso em operação contra pedofilia será afastado de escolas
REGIÃO
Detran/MS finaliza leilão e contabiliza quase R$ 800 mil em arrecadação
MEIO AMBIENTE
Ação conjunta apreende carreta com produtos perigosos de sucatas de baterias
EDUCAÇÃO
IFMS altera cronograma de seleção para cursos de idiomas
CAPITAL
Polícia faz buscas por suspeito de matar jovem p´roximo a unidade de saúde
POLÍTICA
Senador Nelsinho Trad relata cenário de devastação na capital do Líbano

Mais Lidas

DOURADOS
Preso no Ipê Roxo era investigado desde fevereiro por estupro do sobrinho
VIDA NOTURNA
“Estão passando fome”: profissionais do sexo sofrem com a pandemia em Dourados
DOURADOS
Com gritos de "pega ladrão", grupo é flagrado furtando carro no Jardim Paulista
DOURADOS
Decreto deve autorizar volta de cursos profissionalizantes e atividades práticas de universidades