Menu
Busca sábado, 18 de setembro de 2021
(67) 99257-3397
PESQUISA

Butantan estuda molécula para combater dor inflamatória

31 agosto 2014 - 15h11

Agência Brasil

Pesquisadores do Instituto Butantan testam uma molécula sintética, chamada Alda-1, no combate a dores inflamatórias. O estudo pode resultar no desenvolvimento de medicamentos melhores que os usados atualmente, como a morfina, pois poderá ter menos efeitos colaterais nos pacientes.

A Alda-1 foi descoberta pela Stanford University, nos Estudos Unidos, em parceira com o Butantan, há 4 anos. Segundo Vanessa Olzon Zambelli, pesquisadora do Laboratório Especial de Dor e Sinalização do instituto, a molécula também está sendo testada para tratar intoxicações por consumo exagerado de bebidas alcoolicas. “O mecanismo como ela [molécula] atua é o mesmo mecanismo que ajuda a eliminar o álcool do organismo”, explicou.

Os pesquisadores notaram que a deficiência de uma enzima, chamada aldeído desidrogenase 2, nos povos asiáticos provocava a vermelhidão no rosto, característica dessa população quando ingere álcool. Além da vermelhidão, os asiáticos apresentam tolerância menor à dor. “E a molécula Alda-1ativa essa enzima, ela faz essa enzima trabalhar mais rápido, com mais potente”, disse a pesquisadora.

O papel da enzima no organismo humano é metabolizar os aldeídos, que são prejudiciais à saúde. De acordo com Vanessa, essas enzimas são produzidas tanto pelo alto consumo de álcool, quanto por doenças de isquemia do coração ou infarto, quando geram uma resposta inflamatória.

A Alda-1, porém, nunca foi testada na raça humana. “Testamos um modelo experimental de inflamação em animais. A gente injetou no animal uma substância química que promove uma irritação, que é característica de uma doença inflamatória. Então, a patinha fica inchada, vermelha e dói. Os testes foram bastante satisfatórios”, disse Vanessa.

segundo a pesquisadora, ainda não há previsão de quando os testes serão feitos com humanos. Os próximos passos do Butantan são os experimentos, ainda em animais, com dores mais crônicas e persistentes, como dor neuropática e de artrite.

Os pesquisadores brasileiros vão aguardar os resultados da universidade norte-americana, que está focada no estudo da intoxicação por álcool, para inciar o experimento. “Talvez aqui no Brasil demore um pouco. Através das pesquisas de lá, a gente consegue mostrar que ela [molécula] não é tóxica e, de repente, isso pode antecipar os testes em humanos aqui”, disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Jovem de 19 anos morre em acidente com motocicleta
CAPITAL
Jovem de 19 anos morre em acidente com motocicleta
TELEFONIA
Governo edita decretos para tentar destravar licitação do 5G
Casal é preso por golpe ao vender carro alugado e alegar "furto"
Fundação de Cultura seleciona artesãos para participar de duas Feiras
OPORTUNIDADE
Fundação de Cultura seleciona artesãos para participar de duas Feiras
Grávida, Geisa Oliveira, ex seleção de basquete, morre aos 42 anos
CAMPINAS
Grávida, Geisa Oliveira, ex seleção de basquete, morre aos 42 anos
DOURADOS
Faculdade Intercultural Indígena publica moção contra o marco temporal
FOGO AMIGO
Militar baleado ao defender mulher na rua recebe alta de hospital
ESPORTE
Dourados enfrenta Miranda na semifinal da Copa Morena neste sábado
PARAGUAI
Com mandado de prisão em abertos, brasileiro é expulso do Paraguai
EDUCAÇÃO
UEMS regulamenta retomada gradual das atividades presenciais

Mais Lidas

DOURADOS
Após denúncias, casal é preso por tráfico no Jardim Guaicurus
24 HORAS DE VACINA
Dourados terá 'viradão' da vacina para aplicar doses em cinco grupos
DOURADOS
'Trevo do DOF' terá viaduto de 40m e ficará pronto em oito meses
DOURADOS
Homem morre no hospital depois de ser atropelado na área central