Menu
Busca quinta, 05 de agosto de 2021
(67) 99257-3397

Brasileiro trabalha menos que chinês e europeu do Leste

18 outubro 2004 - 20h07

O Brasil é um país menos atraente para investimentos estrangeiros do que a China e nações do Leste Europeu e, conseqüentemente, pode perder negócios para essas regiões no futuro próximo. Essa conclusão é da consultoria alemã Roland Berger, que divulgou nesta segunda-feira o relatório O Crescimento da China e a Ampliação da União Européia - Conseqüências para o Brasil. No estudo, os consultores afirmam que os brasileiros trabalham menos horas por ano (1.869 horas/ano) do que os chineses e os trabalhadores de vários países do Leste Europeu. Os húngaros, por exemplo, recordistas em horas de trabalho na região, trabalham nada menos do que 2.012 horas por ano. Na China, a média é um pouco mais baixa: 1.958 horas por ano, ou seja, mais de cem horas por ano a mais que o Brasil. Na Polônia, a média de trabalho fica em 1.901 horas por ano, segundo o estudo. Outro fator que faria da China e do Leste Europeu mercados mais atraentes aos olhos dos investidores internacionais é o preço da mão-de-obra: o trabalhador brasileiro é mais caro do que o chinês e o do Leste Europeu. Motivação Na comparação direta, a mão-de-obra no Brasil é três vezes mais cara do que a da China. A mão-de-obra brasileira sai a US$ 3,19 por hora, de acordo com a Roland Berger, enquanto o trabalhador chinês custa, em média, US$ 1,04. A média paga nos países do Leste Europeu fica em US$ 2,76, mas em alguns países é bem mais baixa. Na Romênia, o custo não passa de US$ 0,94 por hora. O Brasil também fica atrás no quesito motivação. O estudo afirma ainda que os trabalhadores chineses e do Leste Europeu são mais motivados do que os brasileiros. A Roland Berger destaca ainda que a China e o Leste Europeu têm uma grande oferta de mão-de-obra de alto nível. Por exemplo, de cientistas, matemáticos e engenheiros. No entanto, o relatório da consultoria alemã não traz apenas más notícias para o Brasil. Se por um lado o país é visto como destino menos atraente para investimentos estrangeiros, por outro pode se beneficiar do crescimento dos concorrentes para aumentar suas exportações. Aumentos O documento destaca, por exemplo, que o país quadruplicou as suas exportações para a China nos últimos quatro anos. Já o Leste Europeu ainda é um alvo pouco explorado pelos exportadores brasileiros, mostra o levantamento. Além disso, as taxas de crescimento econômico da América Latina continuam acima das registradas nos países do chamado Primeiro Mundo.Ainda como oportunidades, a consultoria diz que o Brasil pode reduzir a sua dependência do mercado regional e ampliar a participação no mercado global. Segundo o relatório, a participação das exportações no Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil ainda é pequena, em comparação com os vizinhos. A fatia brasileira é de 16,9%, menor do que a da Argentina (25%), a do México (28,4%) e a do Chile (36,4%).

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Considerado extremamente violento, traficante é preso com arma
ECONOMIA
Bolsonaro anuncia que novo Bolsa Família se chamará "Auxílio Brasil"
Policial tem prisão preventiva decretada após destruir carro da namorada
REGIÃO
Prorrogadas inscrições de peritos para atuarem no Poder Judiciário de MS
Idoso é preso no Paraguai com arma de fogo e faca tipo adaga
NOVA INVESTIGAÇÃO
TCU decide abrir processo para apurar conduta de Pazuello na pandemia
Ambiental captura 1.337 animais silvestres no primeiro semestre de 2021
GERAL
Governo amplia número de vagas do último concurso da Agepen
Passageira dorme em ônibus e só descobre furto das malas na rodoviária
SELIC
Copom eleva juros básicos da economia para 5,25% ao ano

Mais Lidas

DOURADOS
Assessora vai à polícia e diz que foi ameaçada de morte por vereadora
DOURADOS
Flagrado com pistola, jovem é preso no Parque do Lago II
AMEAÇA
Mulher não aceita relacionamento do ex e ameaça a atual companheira dele de morte
DOURADOS
Casal é preso após transformar casa de homem que morreu por overdose em 'boca de fumo'