Menu
Busca quinta, 29 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
ACUSAÇÃO FALSA

Brasileiro é preso na Venezuela por pertencer a organização criminosa

31 dezembro 2017 - 08h15Por G 1

Uma família de Santa Catarina pediu ajuda do governo brasileiro para libertar o designer gráfico Jonatan Diniz, de 31 anos, que está preso na Venezuela. Familiares tentam contato com ele há dias, mas sem sucesso. Segundo o líder chavista Diosdado Cabello, em discurso transmitido pela TV na última quarta-feira, dia 27 de dezembro, o rapaz faria parte de uma organização criminosa e, por essa razão, foi detido.

A família nega a acusação de Cabello. Na noite deste sábado (30), o Itamaraty confirmou a detenção de Diniz e disse que acompanha o caso, mas não informou como estaria uma possível negociação para a libertação dele.

Família de SC diz que brasileiro está preso na Venezuela e pede ajuda ao Itamaraty

“A gente não tem contato. A polícia nem identificou o local onde ele está sendo mantido”, diz o irmão do brasileiro, Juliano Diniz, de 34 anos, que mora em Balneário Camboriú, no Litoral catarinense. A última vez que o brasileiro e a família fizeram contato foi na terça-feira (26). Depois, ele não respondeu nem vizualizou mais as mensagens enviadas pela mãe.

Segundo Juliano, na madrugada de quarta (27) a família foi procurada por uma amiga de Jonatan informando que ele tinha sido preso com três venezuelanos. Ela estaria com Jonatan quando ele e trio foram abordados por policiais. Então, a família procurou o Itamaraty e a Embaixada do Brasil no país vizinho.

“Ele foi há uma semana para lá só pra fazer o Natal dessas crianças que estão morrendo de fome na Venezuela. Estava super animado. Ele pediu doações para toda família, para os amigos, publicou a entrega nas redes sociais e expôs a situação do país”, explica o irmão.

Grupo de ajuda

O líder chavista Diosdado Cabello disse em discurso transmitido pela TV na noite de quarta-feira (27) que Jonatan é “diretor da ONG denominada ‘Time for Change’”. Na transmissão, Cabello ainda teria dito que a ONG “servia de fachada para promover por redes sociais supostas atividades de entrega de alimentos a pessoas em situação de rua na Venezuela para obter financiamento em moeda nacional e estrangeira, dólares”.

A família nega essas informações. "Tudo invenção, não tem fundamento algum. É que ele sempre se posicionou pela situação de lá”, afirma o irmão de Jonatan.

Juliano diz que a ONG mencionada por Cabello não existe. “Não existe ONG nenhuma, falaram dessa ONG só pra incriminar. Ele tinha um grupo de amigos, que conheceu na época que morou lá, e que se deram esse nome, o Jonatan que criou, mas não é uma ONG, não tem CNPJ, nada, é um grupo de ajuda”, afirma.

Jonatan vive há pelo menos um ano em Los Angeles, nos Estados Unidos, onde trabalha como prestador de serviço. Segundo a família, antes de mudar para os Estados Unidos, ele morou desde os 4 anos em Balneário Camboriú.

"Desde a faculdade ele gostava de viajar, já esteve antes na Venezuela quando se apaixonou por uma menina de lá. Passou um tempo lá e conheceu a realidade. Quando terminou o relacionamento, voltou para os Estados Unidos e ficou planejando isso, de voltar para ajudar as crianças", diz o irmão. Ainda segundo ele, o irmão tentou levar brinquedos dos EUA para a Venezuela, mas foi impedido no aeroporto.

Em nota, o Itamaraty disse que está assessorando os familiares de Jonatan. “O Consulado do Brasil em Caracas acompanha o caso e está em contato com autoridades locais e com a família do nacional para prestar a assistência consular cabível”, informou. O G1 não conseguiu contato com a Embaixada brasileira em Caracas nem com a Embaixada da Venezuela em Brasília.

Deixe seu Comentário

Leia Também

RESGATE
Fuga de brasileira na fronteira teve ajuda da polícia paraguaia
PREVIDÊNCIA
Antecipação do BPC e do auxílio-doença é prorrogada até 30 de novembro
COXIM
“Ele atirou para se defender”, diz defesa de tatuador que matou colega
REGIÃO
UEMS Dourados abre inscrições a Mestrado em Recursos Naturais
POLÍCIA
Pedestre que morreu atropelado por caminhão na BR-262 tinha 39 anos
RACHADINHAS
MP pede que TCU apure se Bolsonaro usou órgãos oficiais em favor do filho
CAPITAL
Advogado preso por morte de PM em acidente consegue liberdade
PARCERIA COM A CHINA
Anvisa libera importação de matéria-prima para vacina do Butantan
MIRANDA
Mulher de 36 anos é multada por atropelado gato intencionalmente
EDUCAÇÃO
UEMS realiza pela 1ª vez Encontro de Iniciação Científica on-line

Mais Lidas

DOURADOS
Enquanto filma chuva, interno mostra ‘plantação’ de maconha em cela da PED
GRANDE DOURADOS
Cobertura de barracão de cerealista ‘voa’ com o vento; veja vídeo
BR-463
Homem para carro em bloqueio, desce atirando e morre em confronto com a polícia
DOURADOS
Délia decreta emergência por causa de danos provocados pela tempestade