Menu
Busca sábado, 05 de dezembro de 2020
(67) 99659-5905
PESQUISA

Brasileira quer mais diversidade e divulgação na ciência internacional

21 dezembro 2019 - 14h29Por Agência Brasil

A física brasileira Márcia Barbosa compõe o grupo de 36 novos pesquisadores eleitos para compor, a partir de janeiro, a Academia Mundial de Ciências (TWAS, na sigla em inglês), instituição ligada à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) com sede em Trieste, ao nordeste da Itália.

Professora titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a cientista é reconhecida entre os seus pares por estudar anomalias da água, e por um número mais amplo de pessoas por fazer divulgação científica e atuar pela participação das mulheres em pesquisa.

Ela promete levar essas duas causas para a TWAS. “Para academia mundial eu vou com esses dois mantras: primeiro, a gente precisa de mais diversidade e mais mulheres. Eu vou levar mais nomes. Ao mesmo tempo, a gente precisa conversar mais com o público em geral, mostrar o conhecimento produzido pela ciência e mostrar como serve para as pessoas no dia a dia”, disse em entrevista à Agência Brasil.
 
De acordo com Márcia Barbosa, a ciência sofre hoje desafios inimagináveis anos atrás, como refutar a ideia de que a Terra é plana ou convencer famílias a vacinarem seus filhos. “Não tem razão para o crescimento do sarampo nos Estados Unidos”, comenta. Segundo ela, há um fenômeno mundial de “acreditar naquilo mais doido que aparecer, e não no conhecimento que passou pelo crivo de especialistas”.

Em sua opinião, o combate à desinformação já despertou preocupação de pesquisadores. “Os cientistas estão se dando conta de que precisam conversar mais com a população, falar, escrever e explicar.” Ela reconhece, no entanto, que, para alguns intelectuais, é difícil transpor o mundo acadêmico e as barreiras da linguagem. “A gente não tem formação para fazer isso, é doloroso para o cientista explicar de um jeito que não é muito preciso.”

Márcia Barbosa acredita que vai ser bem-sucedida em suas duas causas e que a diversidade é um instrumento de eficácia na ciência. “Quando a gente tem mais diversidade em um grupo de pesquisadores, pessoas diferentes com culturas e jeitos distintos de ver o mundo, os trabalhos têm mais citações.”

A busca da diversidade é a razão para a pesquisadora enfrentar a desigualdade de gênero que existe no Brasil e, especialmente, entre as ciências chamadas exatas. A Academia Brasileira de Ciências tem 938 membros associados. Desses, 801 (85,3%) são homens e 137 (14,7%) são mulheres.

A física Márcia Barbosa entra para Academia Mundial de Ciências junto com outros quatro colegas brasileiros. As biólogas Célia Regina Garcia e Luísa Lina Vila (ambas da Universidade de São Paulo, USP), o químico Edson Antonio Ticianelli (também da USP) e Wilson Savino, pesquisador titular e coordenador de Estratégias de Integração Nacional da Fundação Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Com o ingresso desses brasileiros e de 31 estrangeiros escolhidos, a TWAS passará a ter, a partir de janeiro, 1.278 membros. Atualmente, há 21 membros brasileiros, sendo 16 homens e 5 mulheres.

Para incrementar a participação de mulheres nas ciências exatas o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) lançaram no segundo semestre do ano passado edital de R$ 3 milhões para a chamada “Meninas nas Ciências Exatas, Engenharias e Computação”, que financia projetos de aproximação das escolas públicas da educação básica com as instituições de ensino superior.

O CNPq mantém o programa Mulher e Ciência para “estimular a produção científica e a reflexão acerca das relações de gênero, mulheres e feminismos no país” e para “promover a participação das mulheres no campo das ciências e carreiras acadêmicas.”

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Após denúncia de perturbação de sossego, PM apreende aparelhagem de som
COXIM
Após denúncia de perturbação de sossego, PM apreende aparelhagem de som
Azambuja pleiteia FCO do Pantanal para recuperar prejuízos com queimadas
DEVASTAÇÃO
Azambuja pleiteia FCO do Pantanal para recuperar prejuízos com queimadas
SUSPENSO ATENDIMENTO
Covid fecha delegacia na capital
Bolsonaro participa da formatura de cadetes da Aman
BRASIL
Bolsonaro participa da formatura de cadetes da Aman
Vizinho denuncia e ladrão é preso durante furto a residência
COXIM
Vizinho denuncia e ladrão é preso durante furto a residência
CULTURA
Banda Haiwanna encerra Som da Concha Lives 2020 com show autoral
OPORTUNIDADE
Inscrições abertas para seleção de bolsas na UEMS
REGIÃO
Traficante é preso com mais de 1t de droga em caminhonete roubada
SAÚDE PÚBLICA
Médico do Inca alerta para sintomas de câncer do colo do útero
FAMOSOS
Internada com Covid-19, Nicette Bruno passa por hemodiálise

Mais Lidas

DOURADOS
Novo decreto não autoriza horário estendido do comércio em dezembro
TRÊS LAGOAS
Mãe vê menina com vizinho ao chegar do trabalho e descobre estupro
ECONOMIA
Pessoas que receberam auxílio emergencial irregular serão cobradas por SMS
PANDEMIA
Com novo óbito, Dourados confirma sexta morte por Covid em quatro dias