Menu
Busca sexta, 30 de julho de 2021
(67) 99257-3397

Brasil vai lançar programa de certificação da cachaça

02 novembro 2004 - 12h30

Os ministros Luiz Fernando Furlan (Desenvolvimento) e Roberto Rodrigues (Agricultura) lançam nos próximos dias um programa de certificação da cachaça elaborado pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial) para dar garantia de qualidade ao produto.Segundo o Ministério do Desenvolvimento, trata-se de mais um passo dado pelo governo com o objetivo de conseguir para a cachaça a chamada denominação de origem, uma classificação internacional concedida pela OMA (Organização Mundial da Agricultura) para determinar que o nome "cachaça" se refira exclusivamente às aguardentes produzidas no Brasil.O objetivo é o de dar à cachaça o mesmo "status" do champanhe, cujo nome só pode ser usado nos espumantes produzidos na região de Champanhe, na França. Como a cachaça tornou-se um produto muito popular, embalada no sucesso internacional da caipirinha, vários países, como México e Cuba, produzem aguardentes e usam também o nome "cachaça".O trabalho de tentar obter o registro na OMA está sendo coordenado no governo pelos ministros Furlan e Roberto Rodrigues, com o apoio do Itamaraty. Furlan quer que a cachaça seja um produto genuinamente brasileiro.De acordo com dados da Abrade (Associação Brasileira de Bebidas), a cachaça é a primeira bebida destilada mais consumida no Brasil e a terceira no ranking mundial. O produto tem grande potencial exportador e, em razão disso, o nome "cachaça" é utilizado por diversos países.O Brasil produz cerca de 1,5 bilhão de litros de cachaça por ano, do qual apenas 15 milhões de litros (1% do total produzido) são exportados. Nos últimos quatro anos, o aumento médio das exportações foi de 10% ao ano. Existem no país 5.000 marcas de cachaça e 30 mil produtores, que geram cerca de 400 mil empregos diretos e indiretos, segundo dados do setor.O presidente do Inmetro, Armando Mariante, diz que o programa de certificação da cachaça irá possibilitar aos fabricantes da aguardente terem um certificado do órgão garantindo que o produto segue os padrões de qualidade. Ou seja, livre de substâncias nocivas à saúde, de acordo com as normas internacionais.Segundo Mariante, se o Brasil quiser ter acesso a canais de comercialização mais sofisticados, terá de comprovar qualidade de seus produtos.O trabalho do Inmetro, segundo Mariante, será o de examinar se a cachaça está ou não isenta de produtos tóxicos para receber o selo de qualidade do instituto. O Inmetro goza de prestígio e reconhecimento de vários institutos internacionais, que lhe dão credibilidade para atestar a qualidade do produto.O Inmetro possui 700 laboratórios vinculados ao instituto no país habilitados para fazer a certificação. Mariante diz, ainda, que o programa a ser lançado pelo Inmetro terá um caráter voluntário, não compulsório, como ocorre com alguns produtos, como o preservativo. Ou seja, não será obrigatório ao fabricante da cachaça se submeter ao Inmetro para vender seu produto.PreçoSegundo Mariante, mais uma das principais conseqüências do certificado será certamente o aumento de preço da cachaça no mercado internacional. De acordo com ele, não faz sentido uma garrafa de vodca ou de rum custar 20 ou 30, e uma de cachaça, 2. "Nós produzimos cachaça da melhor qualidade", diz Mariante.Juan Quirós, presidente da Apex (Agência Especial de Promoção de Exportações), afirma que estão sendo investidos R$ 9 milhões ao ano para intensificar a presença da cachaça no mundo. Segundo ele, as exportações de cachaça neste ano devem somar US$ 15 milhões. Os principais mercados da cachaça a serem explorados pelo Brasil, segundo Quirós, são Alemanha, Itália, Portugal, França, Espanha, Reino Unido, Canadá e Estados Unidos. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Corrida de aplicativo termina em discussão e agressão em Dourados
DOURADOS
Corrida de aplicativo termina em discussão e agressão em Dourados
NÚMEROS DA PANDEMIA
Mortes por Covid passam de 555 mil; média é menor desde fevereiro
Estudante de Medicina é rendido e sequestrado por dupla armada
COVID-19
Servidores vacinados do judiciário deverão retornar ao trabalho presencial
Homem é multado em dez mil reais por construção de rancho e área de lazer em área de proteção
CRIME AMBIENTAL
Homem é multado em dez mil reais por construção de rancho e área de lazer em área de proteção
PANDEMIA
Dourados vai liberar acesso a estabelecimentos apenas para pessoas vacinadas
CONSEQUÊNCIA
Estudo brasileiros encontra coronavírus na retina de humanos
TRÁFICO
Caminhão boiadeiro que seguia para o Maranhão é apreendido com maconha
PARCERIA
Governador abre diálogo com os EUA para investimentos no Pantanal
IVINHEMA
Homem oferece passeio de carro e estupra menino de 12 anos com deficiência

Mais Lidas

ACIDENTE DOMÉSTICO
Após discussão com entregador jovem acaba ferido
PEDRO JUAN
'Justiceiros' voltam a atacar na fronteira e matam adolescente
DOURADOS
Motorista que fugiu após atropelar motociclista no centro não possuía CNH
CLIMA
Dourados bate recorde de frio no ano com geada forte