Menu
Busca terça, 29 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
DIA MUNDIAL DE COMBATE A VIOLÊNCIA CONTRA O I

Brasil não se preparou para cuidar da população idosa, diz geriatra

15 junho 2015 - 15h45

O Brasil não se preparou para o envelhecimento de sua população e não tem estruturas adequadas para garantir dignidade e autonomia aos idosos, de acordo com avaliação da presidenta do Departamento de Gerontologia da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Maria Angélica Sanchez. Ela alerta que um dos reflexos da falta de condições adequadas de moradia e de sobrevivência são os episódios de agressão aos mais velhos.

De acordo com ela, não faltam políticas brasileiras para garantir o bem-estar do idoso. No entanto, leis como a Política Nacional do Idoso, de 1994, e o Estatuto do Idoso, de 2003, não foram colocadas em prática pelos governos municipais, estaduais e federal. “No Brasil, o arcabouço legal é avançado, mas o país envelheceu sem estar preparado”, disse Maria Angélica à Agência Brasil hoje (15), quando se comemora o Dia Mundial de Combate à Violência contra o Idoso.

Segundo ela, países europeus, como a França, desenvolveram políticas para evitar o abandono e garantir o mínimo de autonomia para os mais velhos. Em Paris, por exemplo, a prefeitura paga cuidadores para visitá-los todos os dias em suas próprias casas e ajudar em tarefas básicas, como banho, remédios e comida. Enfermeiros também visitam os idosos e dão atendimento em saúde, evitando o deslocamento para hospitais e a ida para instituições de longa permanência.

Pesquisadora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), Maria Angélica sugere que, no Brasil, além da ajuda para o idoso continuar morando sozinho, deveriam ser criadas mais unidades com profissionais de várias áreas, onde as famílias possam deixar os idosos de dia e buscar a noite, os chamados “centros-dia”. “Essa é uma forma de garantir que as pessoas não precisem sair do mercado de trabalho para cuidar dos familiares”, destacou.

Na opinião da especialista, essas opções desafogam as superlotadas instituições públicas de longa permanência, cuja maioria não tem infraestrutura adequada. “As instituições filantrópicas mais baratas são mal equipadas, têm equipes despreparadas, algumas são mantidas por instituições religiosas que não têm muitos recursos, e a situação é lastimável”, concluiu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Sensação térmica passa de 37º e 'calorão' deve continuar até sábado
TRÁFICO
Mais de 4t de maconha a caminho do litoral paulista é apreendida em Dourados
REGIÃO
Carro com mais de 140 quilos de maconha e 'skunk' é apreendido
TRÊS LAGOAS
Paciente atendida em rede particular deve arcar com despesas da internação
BRASIL
Antecipação do INSS poderá ser pedida sem limitação de distância
ÁGUA CLARA
Carreta com sinais adulterados é apreendida em MS
REGIÃO
Morador de fazenda é preso por posse irregular de arma de fogo
BRASIL
Justiça Federal manda soltar acusados de invadir celular de Moro
FOGO
Exército dará apoio logístico no combate às queimadas no Pantanal
ELEIÇÕES 2020
Mais de 7 mil urnas eletrônicas serão usadas em Mato Grosso do Sul

Mais Lidas

POLÍCIA
Comerciante morre em acidente na MS-276
REGIÃO
Homem que disse ter encontrado mulher morta volta atrás e confessa feminicídio
LAGUNA CARAPÃ
Homem sente falta de esposa, vai procurar e a encontra morta em poço
DOURADOS
Festa com mais de cem pessoas é encerrada no Novo Horizonte