Menu
Busca segunda, 06 de abril de 2020
(67) 9860-3221
SAÚDE

Brasil monitora apenas um caso suspeito do novo coronavírus

20 fevereiro 2020 - 21h20Por Agência Brasil

O Brasil tem, atualmente, apenas um caso suspeito do novo coronavírus (Covid-19). Trata-se de uma criança de 2 anos de idade, em São Paulo, considerada suspeita desde ontem, dia 19 de fevereiro, por ter um histórico de viagem à China, mas não à Wuhan, o epicentro da contaminação. A informação foi dada por representantes do Ministério da Saúde, na tarde de hoje (20), em Brasília.

O ministério, no entanto, continua atento ao surto ocorrido na China e trabalha com a possibilidade de aumento dos casos suspeitos, principalmente a partir do final de abril, quando as doenças respiratórias começam a aparecer no país.

De acordo com o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Wanderson de Oliveira, existe uma série de circunstâncias que freiam o aparecimento de vários casos suspeitos, como a quarentena imposta na China, o fato do Brasil estar no verão e não termos voos diretos para aquele país. Mas um aumento não é descartado.

“Não quer dizer que não possa aumentar. Podemos ter mudanças de definição de casos no futuro se um outro país entrar como área e transmissão ocidental. É muito dinâmico e prematuro dizer que vai continuar baixo”, disse.

Segundo o ministério, os exames têm sido feitos com maior celeridade e, com isso, casos considerados suspeitos são descartados rapidamente e sequer entram no balanço diário da pasta.

Ainda não existe nenhum caso confirmado na América do Sul. Até o momento, 75.778 casos foram contabilizados no mundo, conforme dados da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos. Só a China reúne 74,5 mil casos.

Curas e idosos

O Ministério da Saúde tem acompanhado o crescente número de pessoas curadas, sobretudo na China. Atualmente, são 16.882 curados. Segundo o Wanderson de Oliveira, tratamentos específicos têm sido testados, mas as curas estão ocorrendo “de forma espontânea”.

“Essas curas estão ocorrendo, quase que a totalidade delas, de forma espontânea. É o organismo da pessoa. Mais de 80% dos casos na China são de moderados a leve. Isso não quer dizer que foi um tratamento específico que curou aquelas pessoas e sim o tratamento sintomático, o isolamento, [o uso de] respiradores, ou seja, toda uma conduta para evitar que essas pessoas evoluíssem para casos graves e óbitos”.

Outra tendência verificada é a letalidade maior em idosos. Se em crianças e adultos até cerca de 40 anos de idade o número de mortes beira o zero, a partir de 60 anos de idade essa curva aumenta rapidamente, chegando a 15% de mortes entre pessoas de 80 anos de idade. “Os casos graves e de óbito na China estão totalmente concentrados em pessoas acima de 60 anos de idade. Isso é importante para nós nos prepararmos para o caso de haver a situação do vírus no Brasil. A nossa preocupação terá que ser preferencialmente os idosos”, disse o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MATO GROSSO DO SUL
Governo destina R$ 20 mi para combate ao coronavírus nos 79 municípios
JUSTIÇA
Toffoli se declara contrário a punição de pessoas por furar isolamento
USO EM HOSPITAIS
Universidade de Dourados doa protetores faciais contra coronavírus
FLEXIBILIZAÇÃO
Com restrições, comércio volta a funcionar amanhã em Dourados
SANESUL
Procedimento quer aprimorar abastecimento de água em Dourados
EDUCAÇÃO
MEC autoriza suspensão de aulas presenciais em cursos técnicos de ensino médio por 60 dias
CAMPO GRANDE
Procon Estadual detecta diferença de até 100% em produtos de chocolate
HOJE
Live às 18 horas: atenção empreendedor
COVID-19
Barreiras sanitárias já abordaram 27 mil pessoas desde do início das atividades
Quaresma
Peixes para uma alimentação saudável

Mais Lidas

DOURADOS
Dois homens são executados por dupla de moto no Jardim Carisma
DOURADOS
Homem agride gestante e é assassinado a pauladas em favela
DOURADOS
Polícia apura que filho matou pai a pauladas após agredir a mãe grávida
COVID-19
Estado tem mais três confirmações do novo coronavírus em 24 horas, todas no interior