domingo, 16 de junho de 2024
Dourados
26ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

Brasil e Aiea cedem em inspeção e técnica nuclear continua secreta

18 outubro 2004 - 21h07

O Brasil e a Aiea (Agência Internacional de Energia Atômica) cederam sobre alguns dos pontos que emperravam a avaliação da fábrica de enriquecimento de urânio que o governo federal está implantando em Resende. As negociações podem dar fim à polêmica em relação à inspeção da fábrica. O Brasil concordou em mostrar mais tubos, válvulas e conexões e a agência considera a hipótese de avaliar a fábrica sem "acesso irrestrito" às instalações, segundo o presidente da CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear), Odair Gonçalves. O grande segredo da fábrica de urânio, no entanto, deverá permanecer trancado a sete chaves: as centrífugas. A forma, a altura, as dimensões e o material que compõem a centrífuga permanecerão desconhecidos para os representantes da agência. "A agência tinha uma palavra na qual insistia que era ´acesso irrestrito´. Hoje a própria agência concordou que é possível fazer a verificação sem acesso total e irrestrito", afirma Gonçalves. A CNEN alega necessidade de proteger a tecnologia nacional para não revelar dados, como o número de centrífugas existentes. Sem isso, é impossível calcular a capacidade de produção da fábrica. Inspeção Amanhã, representantes da agência farão uma espécie de pré-inspeção. Segundo o presidente da CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear), Odair Gonçalves, o objetivo é verificar se a proposta brasileira para a primeira etapa --a de verificação do desenho-- está de acordo com as necessidades da agência.Existem duas etapas de checagem pela agência para este tipo de projeto: a verificação de desenho e a rotina de inspeções. A primeira consiste em conferir se o proposto na planta da fábrica foi efetivamente posto em prática. A segunda significa observar o andamento da fábrica, quando ela entrar em funcionamento. O que os representantes da agência devem definir até quarta-feira é o procedimento necessário para realizar a verificação do desenho. O grupo que vai avaliar a fábrica é composto por um sul-africano, um francês e um americano. Mesmo sem revelar os cargos, o presidente da CNEN destaca que eles ocupam cargos superiores ao de técnicos. Caso o procedimento proposto pelo Brasil seja aprovado, dentro de uma ou duas semanas a agência enviará técnicos para realizar a checagem propriamente dita. Tecnologia Apenas sete países utilizam a tecnologia de ultracentrifugação. Segundo a CNEN, no entanto, nenhum usa a levitação. A centrífuga brasileira roda sem eixo, sustentada por um campo eletromagnético. Os demais trabalham com difusão gasosa, uma tecnologia considerada menos eficiente. O presidente da CNEN não explicou como as máquinas ficarão "escondidas". Hoje, existem painéis que separam as centrífugas das demais áreas da fábrica. A hipótese de rebaixamento dos painéis foi negada por Gonçalves. Segundo ele, as atenções vão se concentrar nos tubos, conexões e válvulas de onde é possível examinar se há ou não proliferação do material. Na prática, isso significa checar a entrada e saída de material. Caso os representantes da agência aprovem a sistemática e os inspetores cheguem a um acordo sobre a checagem da planta, a fábrica entrará na fase de comissionamento. Até agora, não há material nuclear circulando na centrífuga. No comissionamento, pequenas quantidades começam a ser testadas. Esta etapa dura, em média, seis meses. Durante este período, se tudo correr como o previsto, o Brasil começará a negociar a rotina de inspeção, quando a fábrica realmente começar a produzir em escala. O projeto brasileiro é modesto. A estimativa da CNEN é de uma produção na casa do milhar, enquanto usinas de outros países trabalham com milhões. O projeto ainda está longe da viabilidade comercial, o que o Brasil tenta proteger agora é a vantagem potencial. "A gente tem muito urânio, nada impede que no futuro, dominando essa tecnologia a gente consiga expandir essa atividade e torná-la realmente uma grande vantagem comercial", afirmou Gonçalves. Segundo o presidente da CNEN, o cuidado estratégico é característica de todos os países que trabalham com energia nuclear.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BIOMA EM RISCO

Governo firma pacto para preservar Pantanal; conheça o documento

EDITAL

Edital de Convocação - Avigrand

POLÍCIA

Jovem é agredido com golpes de facão em tentativa de homicídio 

Alems, TJ e Governo se unem em apoio ao Ponto Final para Feminicídio
POLÍTICA

Alems, TJ e Governo se unem em apoio ao Ponto Final para Feminicídio

FUTEBOL

Cruzeiro anuncia acordo com Dudu, atacante do Palmeiras

Pneu de carreta estoura e homem morre na varanda de casa

EDUCAÇÃO

UEMS é uma das organizadoras do Seminário da Rede UniSustentável

LOTERIAS

Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 53 milhões

FUTEBOL

Estadual Sub-20 abre rodada com vitórias de Aquidauanense e Dourados

POLÍTICA

Presidente do Solidariedade, Eurípedes Jr. se entrega após 4 dias foragido

Mais Lidas

NEGÓCIOS E CIA

Veja quem recebe o PIS/Pasep na próxima semana

LUTO

Policial civil sofre infarto no trabalho e morre em hospital de Dourados

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Missão Caiuá é "desclassificada" pela Sesai e deixará de atender saúde indígena em Dourados

DOURADOS

Motociclista 'fura' preferencial, é atingida por veículo e morre no Hospital da Vida