Menu
Busca terça, 01 de dezembro de 2020
(67) 99659-5905
NATUREZA

Bolsonaro deu 'carta branca' a criminosos na Amazônia, diz ONG

14 janeiro 2020 - 21h05Por G1

Em sua análise anual sobre a situação dos direitos humanos em mais de 100 países, publicada nesta terça-feira, dia 14 de janeiro, a ONG internacional Human Rights Watch (HRW) afirma que as políticas ambientais do governo do presidente Jair Bolsonaro enfraqueceram o combate a atividades ilegais na Amazônia, reduziram o orçamento para fiscalização, limitaram a ação de servidores públicos e dificultaram que o país faça prevalecer a força da lei.

"Suas políticas ambientais na prática deram carta branca às redes criminosas que praticam extração ilegal de madeira na Amazônia e usam intimidação e violência contra povos indígenas, comunidades locais e servidores de agências ambientais que tentam defender a floresta", diz o Relatório Mundial 2020 da HRW.

Segundo a entidade, as instituições públicas fazem vista grossa para atividades ilegais e colocam em risco agentes públicos que atuam em regiões como a Amazônia: eles vivem sob constante ameaça de grupos criminosos que usam a força para se impor – diz o documento.

O documento diz, ainda, que a ilegalidade difundida na Amazônia ocasiona invasões e infrações em territórios indígenas e populações menos favorecidas. Um exemplo citado no relatório foi a morte do líder indígena Paulo Paulino Guajajara.

"Redes criminosas que impulsionam em grande parte a extração ilegal de madeira na Amazônia continuaram ameaçando e mesmo matando indígenas, moradores de comunidades locais e agentes públicos que defendem a floresta", afirma a HRW.

Além disso, a ONG declarou que "o governo não monitora adequadamente a exposição a agrotóxicos e a presença de resíduos de agrotóxicos na água e nos alimentos".

Formalização da crítica

Já em outubro de 2019, dirigentes da Human Rights Watch demonstraram preocupação com questões como a violência policial, ataques aos meios de comunicação e à sociedade civil e as queimadas na Amazônia durante o governo Bolsonaro.

Em setembro, a Human Rights Watch divulgou um relatório que falou sobre como a violência e a impunidade impulsionam o desmatamento e as queimadas na Amazônia brasileira.

Durante um evento, o presidente da HRW, o advogado Kenneth Roth, disse que Bolsonaro "está efetivamente dando sinal verde ao crime organizado envolvido em produção de madeira ilegal, o que ameaça e ataca fisicamente defensores da floresta".

Violência policial

Entre outras críticas à situação dos direitos humanos no Brasil, o documento também aponta para os abusos policiais e o aumento das mortes cometidas por agentes da polícia.

"Enquanto algumas das mortes provocadas por ação policial decorrem de legítima defesa, muitas outras resultam do uso ilegal da força", diz o texto, que também faz menção a problemas nos ambientes carcerários, como a superlotação de cadeias e a falta de funcionários.

Resposta do governo

O Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) afirmou, em nota, que durante todo do ano de 2019 atuou com rigor nas questões da Amazônia. Lembrou que a Polícia Federal e a Força Nacional participaram de operações na região, investigando crimes relacionados ao meio ambiente e aos índios, e combatendo o fogo.

"Por determinação do MJSP, a Força Nacional de Segurança Pública atuou em várias frentes, participando de sete grandes operações ambientais na região, entre elas a Operação Verde Brasil que combateu o fogo nas regiões atingidas por incêndios. A Força também foi enviada pelo Ministério para quatro operações em terras indígenas", diz o ministério.

A pasta diz, ainda, que a Fundação Nacional do Índio (Funai) "se faz presente, nessas regiões, com a presença efetiva de técnicos para incentivar a sustentabilidade e a preservação da cultura indígena".

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

É LEI
Diploma em Braille deve ser fornecido para aluno com deficiência visual
Falta de leitos de UTI coloca em risco população de Dourados, diz secretário
PANDEMIA
Falta de leitos de UTI coloca em risco população de Dourados, diz secretário
Câmara também decreta ponto facultativo na segunda e agenda sessão para dia 9
DOURADOS
Câmara também decreta ponto facultativo na segunda e agenda sessão para dia 9
Carga de maconha apreendida em caminhão ultrapassa 6 toneladas
LAGUNA CARAPà
Carga de maconha apreendida em caminhão ultrapassa 6 toneladas
Inmet alerta para possibilidade de tempestade em todo o MS até a quarta-feira
TEMPO
Inmet alerta para possibilidade de tempestade em todo o MS até a quarta-feira
PANDEMIA
Casos de coronavírus levam fechamento de três agências bancárias em Dourados
PANDEMIA
Dourados tem 89% dos leitos de UTI's Covid-19 ocupados
LAGUNA CARAPà
Caminhão é apreendido com milhares de tabletes de maconha 
CLIMA
Chuva e ventos fortes causam estragos na Capital
DOURADOS 
Mulher é flagrada com carga de quase 100 kg de maconha na saída para Itahum 

Mais Lidas

PODER PÚBLICO
Gaeco volta às ruas de Dourados com nova operação
POLICIAL
Criminoso imita abordagem de polícia para cometer roubo em Dourados
BR-376
Acidente entre Dourados e Fátima do Sul deixa um morto e dois feridos
PANDEMIA
Covid volta a matar e Dourados acumula 120 vítimas da doença