Menu
Busca domingo, 27 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
SAÚDE

Bebida alcoólica corta mesmo o efeito dos analgésicos? veja

03 junho 2015 - 10h27

Tratar dores de cabeça e musculares com analgésicos é uma prática comum, uma vez que para adquirir os do tipo não-narcóticos (Dipirona, Paracetamol e Ácido acetilsalicílico) não é preciso de receita, mas os médicos alertam para os perigos da ingestão descontrolada destes medicamentos que podem causar doenças e até matar.

Segundo especialistas, tomar analgésicos constantemente pode causar lesões no fígado, nos rins. Além do risco de provocar gastrite, úlcera ou mesmo uma hepatite medicamentosa. "Todo mundo generaliza que grávidas podem tomar paracetamol a vontade. Mas nenhuma pessoa de qualquer idade deve usar analgésicos de forma regular", diz o neurologista Abouch Krymchantowski, diretor do Centro de Avaliação e Tratamento da Dor de Cabeça do Rio de Janeiro.

Algumas pessoas acreditam que as bebidas alcoólicas cortam o efeito dos medicamentos, no entanto, o álcool não interfere na ação dos remédios. O que ocorre é que por ter um efeito diurético o álcool faz o organismo excretar mais rapidamente os analgésicos interferindo na duração da ação desses fármacos.

Outro mito sobre a combinação de bebidas alcoólicas e analgésicos é que a mistura causaria um efeito semelhante ao uso de entorpecentes. "O álcool tem uma potente ação sobre o nosso sistema nervoso. A ingestão de bebidas alcoólicas altera a percepção do indivíduo a vários estímulos, entre eles o estímulo doloroso. Assim, ocorre uma falsa impressão de potencialização do efeito dos analgésicos", afirma o médico anestesiologista Erick Curi, diretor administrativo da Sociedade Brasileira de Anestesiologia.

A cafeína, um estimulante do sistema nervoso, está presente em diversos analgésicos por contribuir para a melhora das dores de cabeça, mas a ingestão dos medicamentos não é recomendada com uma xícara de café. "O excesso de cafeína no organismo pode provocar taquicardia e até uma piora da dor", afirma a neurologista e membro da Sociedade Brasileira de Cefaleia, Carla Jevoux.

Segundo a neurologista, o uso de analgésicos para tratar dores de cabeça constantes pode torná-las ainda piores. A médica explica que o aumento dessas substâncias faz com que o corpo fique mais vulnerável aos estímulos que provocam dores como abuso de luminosidade ou a falta de sono. Como resultado, o paciente pode adquirir uma doença chamada "cefaleia por excesso de medicação", diz a médica.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Em um mês, mais de 5 mil aulas para primeira habilitação foram realizadas de forma online em MS
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Comissão mista se reúne para ouvir formuladores das propostas de reforma tributária
CORUMBÁ
Trecho da BR-262 foi interditado por causa de fumaça dos incêndios
ESPORTE
Flamengo e Palmeiras duelam após decisão do TST favorável à CBF
PANDEMIA
Audiência pública aponta que não há condições para volta do ensino presencial nas escolas da Capital
CORUMBÁ
Em meio à fumaça, acidente termina com vítima fatal na BR-262
PANDEMIA
Medidas provisórias liberam R$ 2,5 bilhões para vacinas contra coronavírus
SAÚDE
Problemas na saúde de motoristas são causas de milhares de acidentes
BELA VISTA
Após ser capturada, arara azul é devolvida à natureza; veja vídeo
Naviraí
Polícia encontra maconha escondida embaixo de lona em meio à mata

Mais Lidas

POLÍCIA
Caminhoneiro de Dourados morre ao capotar na serra de Maracaju
ATO DE FÉ
Após vigílias em frente a hospital, família celebra 'milagre' por homem que caiu do telhado
PONTA PORÃ
Polícia apreende comboio com contrabando avaliado em R$ 1 milhão
CAMPO GRANDE
Gêmeos são executados dentro de quitinete