Menu
Busca quarta, 23 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
STJ

Associação tenta trancar inquérito que apura envolvimento de policiais em homicídio

30 janeiro 2020 - 11h35Por Redação com STJ

A Associação dos Oficiais Policiais e Bombeiros Militares do Paraná (Assofepar) teve negado pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, pedido liminar de trancamento de um inquérito policial que investiga a participação de dois policiais militares na morte de um homem em Paiçandu (PR).

A associação questiona o trâmite simultâneo do inquérito e de um procedimento investigatório aberto pela Polícia Militar do Paraná – argumento não aceito pelo ministro Noronha para a concessão de medida de urgência.

De acordo com a Assofepar, a morte ocorreu quando os militares estavam em serviço, durante confronto armado. Em agosto de 2019, a Polícia Militar do Paraná abriu procedimento investigatório para apurar a conduta dos agentes. Ao mesmo tempo, afirmou a associação, a delegacia de polícia de Paiçandu instaurou o inquérito policial para a apuração do mesmo fato.

Para a associação, a Constituição Federal, além de proibir a duplicidade de procedimentos investigatórios sobre o mesmo delito, veda expressamente às polícias civis a apuração de delitos militares. Assim, defendeu que a legitimidade para apuração de crimes dolosos contra a vida praticados por militares contra civis caberia exclusivamente à polícia militar – e, consequentemente, também seria de competência da Justiça Militar o processamento da ação penal.

Possibilidade de dolo

Ao analisar o habeas corpus, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) entendeu que, havendo a possibilidade de o homicídio ter sido praticado com dolo, é necessário reconhecer a competência da Justiça comum estadual para o processamento e julgamento tanto do inquérito policial quanto da eventual ação penal.

Além disso, de acordo com o TJPR, tratando-se de competência do tribunal do júri para o julgamento da ação, é possível, inclusive, a abertura de procedimento investigatório pelo próprio Ministério Público, tendo em vista ser dispensável a existência de inquérito policial, civil ou militar, para o exercício de direito de ação.

No julgamento da liminar em recurso em habeas corpus, o ministro João Otávio de Noronha considerou que, pelas informações juntadas aos autos, não há flagrante ilegalidade que justifique o deferimento de tutela provisória em regime de plantão.

Segundo o ministro, como o pedido liminar – o trancamento do inquérito da polícia civil – confunde-se com o mérito do recurso, é necessário reservar ao órgão competente a análise mais aprofundada da matéria, no momento do julgamento definitivo do caso.

O recurso terá prosseguimento no STJ, sob relatoria do ministro Reynaldo Soares da Fonseca.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
SUS abre consulta pública sobre uso de medicamento para o coração
CORONAVÍRUS
Presidente da 3ª Igreja Batista, pastor Mauro morre vítima da Covid-19
JUSTIÇA
Acusação indevida de assédio moral gera indenização de R$ 10 mil
CAMPO GRANDE
Advogado é preso tentando entrar com cocaína em presídio
INVESTIGAÇÃO
Mãe e filho foragidos da justiça são capturados em bairro da Capital
DOCUMENTAÇÃO FALSA
Caminhões com 120 bovinos trazidos ilegalmente do Paraguai são apreendidos em MS
BRASIL
Dólar tem nova alta e é cotado a R$ 5,58 com temor global sobre retomada de lockdowns
CAMPO GRANDE
Garras leva 20 pessoas para delegacia por envolvimento com jogo do bicho
CAMPO GRANDE
Rede de fast food é condenada por comercializar iogurte vencido
RURAL
Produtores de soja tem até 31 de dezembro para cadastrar área de plantio

Mais Lidas

DOURADOS
Motorista bêbado atropela cinco pessoas que voltavam da igreja no Novo Horizonte
DOURADOS
Após bebedeira, homem é assassinado por “dar em cima” de esposa do acusado
DOURADOS
Motorista que fez 'strike' e atropelou cinco no Novo Horizonte é levado à PED
DOURADOS
Carro carregado com calhas capota após colisão e mulher fica ferida