Menu
Busca sábado, 04 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Argentina volta ao segundo lugar nas exportações brasileiras

03 janeiro 2004 - 17h12

A Argentina, que em 2003 começou a se recuperar da forte crise que atingiu o país nos últimos quatro anos, voltou a ocupar o segundo lugar no ranking dos principais mercados para as exportações brasileiras. Os EUA mantiveram a liderança.As exportações para o país vizinho cresceram 94,7% em 2003 e somaram US$ 4,6 bilhões, refletindo o reaquecimento da economia, que cresceu mais 7% no ano passado. A China, que até novembro estava em segundo lugar, caiu para a terceira posição no acumulado do ano.Mesmo assim, as vendas ainda não voltaram aos patamares registrados em 2001, quando somaram US$ 5,2 bilhões. Na época, a moeda argentina, o peso, ainda tinha paridade de um para um com o dólar, o que beneficiava a venda de produtos brasileiros.A recuperação veio depois de o país vizinho ter passado pela pior crise de sua história. Entre 1999 e 2002, a economia argentina teve retração de 20%. O auge da crise foi 2002, ano da desvalorização cambial e quando o PIB recuou 10,9%.Em maio de 2002, o desemprego atingia 21,5% do população e mais de 50% das pessoas viviam abaixo da linha da pobreza. As vendas do Brasil para a Argentina neste ano somaram US$ 2,3 bilhões, recuo de 55,7%.InvasãoO aumento das vendas de produtos brasileiros para o país vizinho chegou a ser alvo de protestos de empresários argentinos durante todo o ano de 2003. Eles afirmaram que os produtos brasileiros estavam "invadindo" o mercado vizinho.Fabricantes de tecidos e produtores de suínos e frangos acusaram os produtores brasileiros de praticar "dumping" (venda de produtos abaixo do preço de mercado para conquistar clientes).Os empresários brasileiros se defenderam afirmando que o "problema era da falta de competitividade dos produtos argentinos". O governo brasileiro, em junho de 2003, divulgou um estudo mostrando que o Brasil, por mais de dois anos, teve déficit comercial com a Argentina.A UIA (União Industrial da Argentina) chegou a pedir ao presidente do país, Néstor Kirchner, para impor cotas aos produtos brasileiros. Uma proposta chegou até a ser apresentada ao governo brasileiro, mas até agora não entrou em vigor.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Polícia localiza jovem que estava desaparecida desde quarta-feira
POLÍTICA
'Médico não abandona paciente', diz Mandetta sobre eventual demissão
CAPITAL
Mulher vê filha ser estuprada pelo avô que também a violentou quando criança
COVID-19
Saúde de MS recebe seis mil testes rápidos para diagnóstico do coronavírus
FRONTEIRA
Polícia Militar apreende 327 quilos de maconha em dois veículos
Marie Claire
Ex-BBB20 Felipe Prior é acusado de violentar mulheres, diz revista
SEU BOLSO
Governo antecipa prazo final de saque do abono do PIS-Pasep
JUSTIÇA
Mulher ofendida por rede social será indenizada por dano moral
ESCOLTA
PRF realiza escolta no repatriamento de brasileiros vindos da Bolívia
SAÚDE
Estudantes da UFGD criam site para divulgar dados atualizados da covid-19

Mais Lidas

NOVA ANDRADINA
Hospital confirma três profissionais com coronavírus em unidade que atendeu idosa
CRIME AMBIENTAL
Pescador é flagrado com barco, motor de popa e petrecho de pesca
COVID-19
Familiares de casal que testou positivo para coronavírus em Dourados são monitorados
BOLETIM DA SES
Dourados registra mais um caso de coronavírus e MS tem 51 confirmações