Menu
Busca terça, 28 de setembro de 2021
(67) 99257-3397
BRASIL

Alertas de desmatamento tiveram aumento de 9% até agosto

01 setembro 2014 - 11h21

A área dos alertas de desmatamento na Amazônia Legal aumentou 9% entre julho de 2013 a agosto de 2014. Os dados são do Deter, sistema do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que registra, em tempo real, as áreas possivelmente desmatadas ou degradadas no bioma e serve para orientar as ações de fiscalização. O Pará é o estado com a maior área de alertas. A região do município de Novo Progresso, às margens BR-163, responde por 20% das detecções em toda a Amazônia Legal e 63% no estado. Rondônia e Amazonas também registraram aumento nos alertas. No Mato Grosso, houve queda de 17%.

O município foi alvo da maior operação de repressão ao desmatamento de 2014. “A resposta do governo veio com mão de ferro: desbaratamos a maior organização criminosa que explorava o desmatamento no sul do Pará”, afirmou nesta sexta-feira (29/08) o diretor do Departamento de Proteção Ambiental do Ibama, Luciano Evaristo.

QUADRILHA

A expectativa é que em setembro os alertas caiam, avalia Evaristo. “Eles (os desmatadores) agora não terão acesso ao dinheiro que financia o desmatamento”, acrescentou Evaristo. ”Quem estiver derrubando a floresta vai interromper o corte porque não terá como receber pelo trabalho ilegal.”

Polícia Federal, Ibama, Ministério Público e Receita realizaram na última quinta-feira (28/09) a Operação Castanheira, no município de Novo Progresso, no Pará, desarticulando uma quadrilha que desmatava em assentamentos, terras indígenas e em duas florestas nacionais para lotear e vender terras públicas. Oito integrantes da organização criminosa foram detidos em três estados, bens e contas bancárias bloqueadas e seis ainda estão foragidos. Evaristo explicou que já foram realizadas outras ações contra os desmatadores, mas eles se reorganizavam e voltavam a desmatar.

Segundo a Polícia Federal, os prejuízos para a União chegam a R$500 milhões. Os presos vão responder por sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, invasão de terras públicas e falsificação e podem pegar até 50 anos de prisão. O trabalho de investigação que desmontou a espinha dorsal da organização criminosa começou em março e teve seu desfecho esta semana, mas o Ibama manterá a fiscalização rigorosa em Novo Progresso.

O Deter detecta áreas maiores que 25 hectares, mas sem diferenciar áreas onde a supressão da vegetação é autorizada pelo governo ou ilegal. O sistema não se destina a medir as taxas de desmatamento, o que é feito pelo Prodes anualmente.


Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia recupera TV furtada em agosto, mas autor segue foragido
POLÍCIA
Polícia recupera TV furtada em agosto, mas autor segue foragido
No Dia do Doador de Órgãos, ALEMS celebra 15 anos do Banco de Olhos da Santa Casa
HOMENAGEM
No Dia do Doador de Órgãos, ALEMS celebra 15 anos do Banco de Olhos da Santa Casa
Em um dia, Dourados tem seis vezes mais recuperados do que infectados pela Covid
PANDEMIA
Em um dia, Dourados tem seis vezes mais recuperados do que infectados pela Covid
Foragido da justiça é preso pela PM por furto de bicicleta
DOURADOS
Foragido da justiça é preso pela PM por furto de bicicleta
EDUCAÇÃO
IFMS decide pelo retorno das atividades presenciais
LEGISLATIVO DE MS
Projeto de Neno para atendimento multiprofissional para pessoas com TEA é aprovado
CASA COLORIDA
Cantor de MS lança música gravada com um dos pioneiros da Bossa Nova
REGIÃO
Em fiscalização, polícia apreende 50 metros de redes e solta 30 kg de pescado
ECONOMIA
Prazo para declarar imposto sobre propriedade rural acaba quinta-feira
POLÍCIA
Moto é furtada em frente à residência no Roma II

Mais Lidas

REGIÃO
Acidente entre Dourados e Fátima do Sul matou mulheres e deixou policial ferido
EXECUÇÃO
Justiceiros matam mais um na fronteira e deixam recado
DOURADOS
Mulher é agredida em discussão e desfere golpe de faca no órgão genital do companheiro
HOMICÍDIO
Com tiros na cabeça e peito, jovem é executado em Pedro Juan Caballero