Menu
Busca domingo, 18 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Ata do Copom indica queda dos juros já em setembro

25 agosto 2005 - 09h44

Apesar do temor com o aumento dos preços do petróleo no mercado internacional o Comitê de Política Monetária (Copom) começa a dar sinais de que a taxa básica de juros da economia brasileira pode cair já na reunião de setembro.Hoje, o comitê do Banco Central divulgou a ata da última reunião, realizada na última semana. O órgão retirou do texto do documento a frase de que os juros deveriam continuar altos por um período suficientemente longo de tempo.O aumento dos preços do petróleo é o principal risco para a trajetória futura de inflação, mesmo que não haja reajuste dos preços domésticos de gasolina, avaliou o BC na ata.No documento, o Copom avalia que uma postura "mais ativa" dos juros poderá fazer com que os índices de inflação convirjam para a meta no curto prazo e que as expectativas para o longo prazo sejam afetadas de forma mais duradoura.O BC ressaltou as melhores perspectivas para a inflação e disse que apesar de seguir acima da meta de 5,1%, sua projeção para a alta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) neste ano caiu em relação a julho."Continua se configurando, de maneira cada vez mais definida, um cenário benigno para a evolução da inflação", disse o Banco Central."As decisões de política monetária dos últimos meses, além de conter as pressões inflacionárias de curto prazo, estão contribuindo de forma importante para a consolidação de um ambiente macroeconômico cada vez mais favorável em horizontes mais longos."O Copom avaliou ainda que a atividade econômica continuará em expansão, mas em ritmo condizente com as condições de oferta e de modo a não resultar em pressões significativas para a inflação.O BC afirmou que a economia mantém um ambiente de elevada utilização da capacidade instalada e que a trajetória da inflação dependerá da ampliação da oferta de bens e serviços, mas reconhece que já ocorre uma recuperação dos investimentos.O documento ressaltou também que a demanda externa continua contribuindo para o crescimento econômico "de forma mais importante do que se imaginava no início deste ano".Sobre a mudança cambial na China, em julho, o BC disse que o movimento ocorreu sem maiores efeitos sobre a dinâmica dos principais ativos financeiros.Na ata, o Copom prevê também alta de 7% em 2005 no conjunto dos preços administrados por contrato. A previsão é igual à de julho. Os itens administrados tiveram peso total de 29,6% no IPCA do mês passado. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIÃO
TCE-MS pede explicações sobre irregularidades de R$ 2,2 milhões em licitação de prefeitura
INTERNACIONAL
Ataques a tiros em dois estados deixam 6 mortos nos EUA
PRF prende dois e apreende cocaína avaliada em R$ 8 milhões na BR-163
POLÍCIA
PRF prende dois e apreende cocaína avaliada em R$ 8 milhões na BR-163
POLÍCIA
Adolescentes estouram janela de alojamento e fogem de Unei
PMA resgata macaca domesticada que foi abandonada por tutores
POLÍCIA
PMA resgata macaca domesticada que foi abandonada por tutores
POLÍCIA
MPE-MS alerta gestores sobre prática de novo golpe no WhatsApp
REGIÃO
Após comprometimento de 98% do pulmão, prefeito se recupera da Covid-19
POLÍCIA
Após desentendimento, menina de 10 anos sai de casa e fica sete horas desaparecida
POLÍCIA
Homem é morto com vários golpes de faca e assassino é preso horas depois
PANDEMIA
Dourados segue com 100% das UTIs Covid ocupadas e com fila de espera por leitos

Mais Lidas

DOURADOS
Motociclista é preso após passar 'fumando um baseado' ao lado de viatura
DOURADOS
Interno morre após briga com companheiro de cela da PED
PED
Arma de fabricação caseira é encontra em cela de interno morto
RONDAS
Bicicleta roubada há 14 anos é recuperada em Dourados