Menu
Busca quinta, 05 de agosto de 2021
(67) 99257-3397

Argentina quer mudar regras do Mercosul

05 novembro 2004 - 16h00

O governo argentino, refletindo pressão do setor empresarial, fez algumas propostas ao Brasil no sentido de mudar regras do Mercosul, de modo a proteger a indústria do país. A informação foi dada hoje pelo diretor do Conselho Superior de Relações Exteriores da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Rubens Barbosa, em entrevista à Rádio Nacional AM. Ele está na Argentina, onde participa de uma reunião com empresários para discutir questões comerciais e o impacto da reeleição do presidente George W. Bush na América Latina. Segundo Barbosa, o setor industrial daquele país sente-se pressionado não só por mudanças estruturais, como a desvalorização da moeda, mas também por desajustes setoriais que incluem o grande e rápido aumento das importações de outros países, especialmente do Brasil. "Eles também estão querendo algum tipo de código de conduta das multinacionais por causa da disputa entre os países para abertura de novas empresas, investimentos novos e o comportamento das filiais nos países", destacou o embaixador. Para ele, essa posição "é um problema delicado, porque se choca com as regras do Mercosul". Barbosa disse que, em alguns setores, isso está afetando as exportações brasileiras, sobretudo da chamada linha branca (geladeiras, fogões e máquinas de lavar roupa), e de televisores. Sobre as exportações brasileiras, o embaixador adiantou que, em função das cotas fixadas em alguns setores, o volume se manteve estável. "Nós continuamos a exportar dentro do que foi previsto e não estamos é aumentando as nossas exportações", disse. Para Barbosa, em outros setores, o fato de o Brasil ter deixado de exportar para a Argentina não significou que as empresas argentinas supriram essa falta no mercado interno. "As empresas argentinas não estão bem equipadas ou com competitividade", argumentou o embaixador. Segundo ele, "houve um desvio de comércio em alguma parte dessa não-exportação brasileira e que foi substituída por importações do Chile e do México". No entendimento de Barbosa, a posição brasileira é muito clara e isso é "inaceitável". "Nós não podemos aceitar dentro do Mercosul que haja restrições para nossas exportações e que a parte que não foi exportada seja importada de outros países não membros do Mercosul", afirmou. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Considerado extremamente violento, traficante é preso com arma
ECONOMIA
Bolsonaro anuncia que novo Bolsa Família se chamará "Auxílio Brasil"
Policial tem prisão preventiva decretada após destruir carro da namorada
REGIÃO
Prorrogadas inscrições de peritos para atuarem no Poder Judiciário de MS
Idoso é preso no Paraguai com arma de fogo e faca tipo adaga
NOVA INVESTIGAÇÃO
TCU decide abrir processo para apurar conduta de Pazuello na pandemia
Ambiental captura 1.337 animais silvestres no primeiro semestre de 2021
GERAL
Governo amplia número de vagas do último concurso da Agepen
Passageira dorme em ônibus e só descobre furto das malas na rodoviária
SELIC
Copom eleva juros básicos da economia para 5,25% ao ano

Mais Lidas

DOURADOS
Assessora vai à polícia e diz que foi ameaçada de morte por vereadora
DOURADOS
Flagrado com pistola, jovem é preso no Parque do Lago II
AMEAÇA
Mulher não aceita relacionamento do ex e ameaça a atual companheira dele de morte
DOURADOS
Casal é preso após transformar casa de homem que morreu por overdose em 'boca de fumo'