Menu
Busca terça, 15 de junho de 2021
(67) 99257-3397

Anvisa avalia liberação de pilula "anti-sono" no País

23 abril 2006 - 08h10

Uma droga indicada no tratamento da narcolepsia, distúrbio do sono que aflige 125 mil pessoas nos EUA, começa a ganhar fama como a "pílula contra o sono". Mais conhecida como modafinil, promete aos usuários permanecer acordados por até 40 horas, sem cansaço ou falta de atenção. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já analisa a liberação do produto. "O modafinil não chega a ser um estimulante e, sim, um promotor de vigilância, que reduz em até 40% a sonolência diurna. Mas não recomendaria essa droga para reduzir o sono de ninguém. Só em casos de excesso de sonolência", ressalta o neurologista Geraldo Rizzo. Nos EUA, a "pílula anti-sono" é fabricada pelo laboratório Cephalon sob o nome de Provigil. Ela foi aprovada pelo FDA, órgão que fiscaliza produtos farmacêuticos, para o tratamento da narcolepsia em 1998. O modafinil, porém, não ficou restrito a narcolépticos. Passou a ser consumido por quem quer manter-se alerta por mais tempo. "O tempo de ação é, em média, de 24 horas. Ninguém vai ficar acordado por mais tempo. Aumentar a dosagem não significa aumentar o tempo de ação", frisa Rizzo. No Brasil, estima-se que a proporção de narcolépticos seja de 50 para cada 100 mil ¿ algo em torno de 0,05%. "O índice é muito baixo. É óbvio que esse Carnaval todo não está sendo feito por causa deles", ironiza Flávio Magalhães, diretor médico do Sleep Laboratório de Sono. O modafinil deve ser o primeiro de muitos. A inglesa Cortex também pediu aprovação para comercializar o CX7 17, que permitiria até 51 horas de vigília, 11 a mais que o concorrente. No Brasil, o resultado da análise da Anvisa sairá em junho. "O problema não é liberar e, sim, controlar o produto. Se o uso for indiscriminado, pode se tornar perigoso", adverte Magalhães. Apesar do baixo risco de dependência, o uso prolongado pode causar de perda de memória e irritabilidade a depressão. "Uma noite sem dormir já faz mal à saúde", afirma Luciana Palombini, da Unifesp.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dez viaturas de resgate são entregues ao Corpo de Bombeiros de MS
INVESTIMENTO
Dez viaturas de resgate são entregues ao Corpo de Bombeiros de MS
SENADO
CPI ouvirá o empresário Carlos Wizard e auditor do TCU
INTERNACIONAL
Justiça argentina começa interrogatórios sobre morte de Maradona
Entidades acusam governo federal de perseguir pesquisadores
CÂMARA DOS DEPUTADOS
Entidades acusam governo federal de perseguir pesquisadores
CAPITAL
Mulher é acusada de agredir e xingar policiais em bairro de Campo Grande
FUTEBOL
Copa América: seleção chega ao Rio de Janeiro para jogo contra Peru
CÂMARA DOS DEPUTADOS
Especialistas criticam ausência de programação de combate ao racismo na EBC
INTERNET
Pesquisa aponta inacessibilidade de sites culturais
LEGISLATIVO
Câmara aprova isenção de impostos para beneficiários do "Casa Verde Amarela"
IMUNIZAÇÃO
Covid-19: 82% dos indígenas receberam 1ª dose, diz Ministério da Saúde

Mais Lidas

DOURADOS
Adolescente morre atropelado na BR-163 e condutor foge do local
REGIÃO
Homem é executado a tiros na rodoviária de Nova Alvorada do Sul
DOURADOS
Jovem é encontrado caído em via na área central e estado de saúde é grave
DOURADOS
Homem tem carro furtado depois de ir com quatro pessoas para motel na BR-463