Menu
Busca sábado, 15 de maio de 2021
(67) 99257-3397

"Anjo" de Vanderlei Cordeiro pede apenas um aperto de mão

14 setembro 2004 - 23h29

Esparramado no sofá de sua casa, Polyvios Kossivas gostou do estilo daquele desconhecido corredor brasileiro que liderava a maratona nos Jogos de Atenas. Decidiu então desligar a TV e acompanhar a prova in loco. Chamou mulher e filha, deixou sua casa de número 26 na rua Papaflessa e seguiu para uma avenida na qual os atletas iriam passar. Polyvios Kossivas nem imaginava que, naquela abafada tarde do dia 29 de agosto, se tornaria uma figura central para a definição do resultado. "Quando vi o Vanderlei [Cordeiro de Lima] chegando perto de onde a gente estava, notei que a multidão começou a olhar para o outro lado da rua. Era o irlandês que aparecera como um raio para derrubar o atleta no chão", recorda Polyvios Kossivas. Foi naquele exato momento que ele se distinguiu dos outros espectadores. Vestido com camiseta azul, bermuda e mocassim, pulou a faixa que separava a torcida da pista, alcançou e empurrou o ex-padre Cornelius Horan e impediu que o brasileiro perdesse ainda mais tempo com o imprevisto. Tudo sem pestanejar."Reagi imediatamente, sem calcular os riscos. Eu afastei o intruso e vi o Vanderlei caído como um pássaro ferido. Comecei a gritar ´vai, vai" para incentivá-lo", relata. As câmeras de TV registraram a cena. Depois, seguiram na captura de Vanderlei. O atleta retornou à corrida abatido, acabou ultrapassado por dois adversários e completou os 42.195 metros do percurso na terceira posição. Polyvios Kossivas, contudo, permaneceu no local do ataque e viu o ex-padre ser castigado pelo público."A multidão batia nele e gritava "o que você fez?". Só depois foi algemado e tirado de lá pela polícia." Passado o susto, o circunspecto senhor voltou com a mulher Julia e a filha Smaragda para sua residência. Ligou novamente a televisão para assistir à chegada. Ficou emocionado. À noite, durante a cerimônia de premiação, chorou ao ver Vanderlei no terceiro degrau do pódio. "Para mim, ele é o vencedor da maratona." No dia seguinte, colocou uma idéia fixa na cabeça: iria cumprimentar o maratonista. Queria uma aperto de mão, nada mais. Seu primeiro reflexo foi ligar para a Embaixada do Brasil na Grécia. "Eles me disseram que toda a delegação já havia deixado o país e que os cumprimentos seriam transferidos para os dirigentes do esporte no Brasil", explica. Mal sabia ele que Vanderlei ainda estava em Atenas. Mais: Segundo seu treinador, Ricardo D"Angelo, foi justamente no dia subseqüente à prova que o atleta assistiu ao vídeo da corrida e ficou impressionado com a atitude do senhor de barba e cabelos brancos. "Comentamos ao ver a fita que o cara teve uma presença de espírito muito grande. Nós queríamos encontrá-lo para dizer obrigado. Por tudo o que ele fez por nós, começamos a chamá-lo pelo apelido de Zeus", recorda o técnico. Depois de retornar de Atenas e cumprir compromissos no Rio, em São Paulo e em Brasília, Vanderlei rumou para Maringá, no Paraná, onde vive com a família. Mas seu caso segue indefinido. Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, pretendia dar início entre ontem e hoje na Corte Arbitral do Esporte (Suíça) aos procedimentos para tentar dar o ouro para o atleta. Por hora, o maratonista pede isolamento. Quer pescar em paz. E segue sem conhecer a história do anônimo que deu novo rumo ao dia mais maluco de sua vida. Polyvios Kossivas nasceu em Atenas, tem 53 anos e é ligado ao esporte desde a infância. Entre 1964 e 1975, foi jogador de basquete na equipe do Sporting. Detalhe: é a mesma agremiação que Gerasime Bozikis, hoje presidente da Confederação Brasileira de Basquete, defendeu na juventude --ele também nasceu na Grécia e depois veio ao Brasil. "Lembro-me do nome Bozikis, mas nunca atuamos juntos, porque ele é mais velho. Só muitos anos depois descobri que se tornou dirigente em outro país." Em 1976,Polyvios Kossivas trocou de uniforme nas quadras e passou a atuar como árbitro, função que exerceu por dez anos. Hoje, longe do basquete, trabalha como vendedor. Seu maior desejo?"Ainda quero muito encontrar o Vanderlei pessoalmente. Queria apertar sua mão e dizer que, depois de tê-lo ajudado, uma parte de mim também correu com ele."

Deixe seu Comentário

Leia Também

Seminário online gratuito debate acessibilidade e inclusão digital
DIREITOS HUMANOS
Seminário online gratuito debate acessibilidade e inclusão digital
Dourados confirma mais de 200 novos casos de coronavírus e dois óbitos
PANDEMIA
Dourados confirma mais de 200 novos casos de coronavírus e dois óbitos
Senado vai analisar projeto com novas regras para o licenciamento ambiental
POLÍTICA
Senado vai analisar projeto com novas regras para o licenciamento ambiental
Bandidos invadem fazendas no interior do Estado
REGIÃO
Bandidos invadem fazendas no interior do Estado
INTERNACIONAL
Israel destrói prédio em Gaza que abrigava escritórios de imprensa
ANAURILÂNDIA
Em MS, homem é autuado em R$ 65 mil por degradar área de córrego
TECNOLOGIA
Começa a valer hoje nova política de privacidade do WhatsApp
REGIÃO
Foragido por aplicar golpe de R$ 30 mil em SP é detido no MS
ECONOMIA
Petrobras bate recorde de vendas de diesel S-10
BRASIL
Governo proíbe entrada de estrangeiros em voos provenientes da Índia

Mais Lidas

CORONAVÍRUS
Murilo Zauith passa por reabilitação e segue internado em SP
TRÁFICO DE DROGAS
Chefe do 'Comando Vermelho' e foragido há seis meses é preso em Dourados
DOURADOS
Criança encontrada morta apresentou problemas estomacais uma semana antes
CACHOEIRINHA
Polícia fecha ponto de distribuição de drogas e prende abastecedor