Menu
Busca segunda, 21 de setembro de 2020
(67) 99659-5905

Ameaça de extinção atinge um quarto dos mamíferos, diz estudo

06 outubro 2008 - 13h10

A metade das espécies de mamíferos está em declínio numérico e um quarto está ameaçada de extinção, segundo a "lista vermelha" da UICN (União Internacional para a Natureza), publicada nesta segunda-feira, em Barcelona.
Os especialistas da UICN, um dos principais organismos em matéria de biodiversidade, dedicou aos mamíferos o estudo mais completo já realizado sobre o tema.
A UICN confirma a gravidade da crise atual: uma em cada quatro espécies de mamíferos está ameaçada de extinção, ou seja, 1.141 de 5.487 espécies registradas. No entanto, a realidade pode ser pior devido à falta de informação sobre 836 mamíferos, advertiu a organização, que realiza seu quarto congresso até 14 de outubro, em Barcelona.
Para os cientistas, a ausência de informações relativas a uma espécie é geralmente um mau presságio. "Na realidade, o número de mamíferos ameaçados de extinção poderá atingir 36%", considera Jan Schipper, um especialista da UICN, em um artigo publicado nesta segunda-feira a revista "Science".
"Nossos resultados mostram uma imagem muito sombria da situação global dos mamíferos no mundo", ressalta, indicando que "a metade está em declínio". Ao menos 76 espécies de mamíferos já desapareceram desde 1500.
No total, a lista vermelha da UICN, criada em 1963, lista 16,9 mil espécies de animais ou de plantas ameaçadas de extinção, contra 16,3 mil em 2007.
Na categoria de risco mais elevado, a de "perigo crítico", há 3.246 espécies, enquanto que 4.770 são consideradas "em perigo" e 8.912 estão "vulneráveis".
A expressão "em perigo crítico" significa que a probabilidade de extinção da espécie é muito grande. Na lista vermelha 2008, 188 mamíferos foram classificados nesta categoria, como o lince ibérico (Lynx pardinus).
Algumas espécies como o cervo do Pai Davi de origem chinesa (Elaphurus davidianus) não existem mais em estado selvagem e vivem apenas em cativeiro.
Cerca de 450 mamíferos foram classificados na categoria "em perigo", como o diabo da Tasmânia (Sarcophilus harrisii), um marsupial carnívoro cuja população caiu mais de 60% nos dez últimos anos, em motivo do aumento de casos de tumor canceroso facial.
O gato pescador (Prionailurus viverrinus), no Sudeste Asiático, passou da categoria "vulnerável" para 'em perigo', vítima da destruição de seu habitat natural.
Mas a situação ainda pode ser revertida: graças a diferentes programas de conservação, resultados animadores foi obtidos com 5% dos mamíferos ameaçados. Com isso, o toirão americano (Mustela nigripes) é considerado simplesmente "em perigo", depois de ter sido reintroduzido com sucesso no México, enquanto que anteriormente era classificado como "extinto em estado selvagem".
O cavalo selvagem (Equus ferus) foi reintroduzido com sucesso na Mongólia. "Quanto mais esperarmos, mais caro custará para impedirmos novas extinções de espécies", advertiu Jane Smart, responsável pelo programa de espécies da UICN.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Empresa de estúdio fotográfico é condenada por fazer cobrança indevida
BELA VISTA
Rapaz morre com tiro no peito às margens do rio Apa, Polícia investiga
FUTEBOL
Conmebol anuncia data, horário e local das Eliminatórias para a Copa
POLÍCIA
Menina de 7 anos fica ferida após ser atingida no rosto por tiro
POLÍTICA
Câmara dos Deoutados aprova MP que recria o Ministério das Comunicações
JOÃO PAULO II
Trio é preso acusado de tráfico de drogas em Dourados
UFGD
Começam hoje as inscrições ao Vestibular de Licenciatura em Educação do Campo
DOF
Confronte a tiros na região de fronteira deixa saldo de três mortos
NÚMEROS DA PANDEMIA
Brasil passa de 137 mil mortes por Covid-19; média de 748 na semana
CAPITAL
Enteada é arrastada em carro por 50 metros ao tentar defender a mãe

Mais Lidas

RIO BRILHANTE
Homem de 56 anos cai de trator e morre atropelado em fazenda
ESTADO
Confraternização em fazenda termina com tragédia após briga familiar
TRAGÉDIA
Bombeiro em Dourados morre durante acidente em Santa Catarina
DOURADOS
Amigos e familiares de entregador morto em acidente pedem que justiça seja feita