Menu
Busca quarta, 27 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Além de doadoras, Banco de Leite precisa de vidros para armazenamento

21 janeiro 2010 - 16h27

Segundo informações obtidas pelo jornal Dourados News, o Banco de Leite, que funciona no Hospital da Mulher, necessita de “doadoras externas” e, além disso, de potes de vidro para armazenamento do leite materno.

De acordo com relatos, os potes podem ser do tipo utilizado para “maionese”, “nescafé”, que tenham tampa de plástico. Isso é preciso devido ao processo de pausteurização, onde é elevada a temperatura do material e depois de algum tempo resfriado. Isso evita transmissão de doenças e ainda conserva o leite por mais tempo.

Para quem se interessar, o Hospital da Mulher está localizado na rua João Vicente Ferreira, nº 2413, próximo ao Hospital da Vida. O telefone para maiores informações é o 3411-2500.

* Doadoras externas: significa que devem ser mulheres que possam oferecer o leite, mas que não sejam as que já estão no hospital.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Homem acusado de esfaquear a mãe e um amigo da ex-mulher é preso
REMÉDIO CONTRA MALÁRIA
França proíbe uso da hidroxicloroquina para tratamento da Covid-19
PONTA PORÃ
Ambiental autua homem em R$ 15 mil por maus-tratos a animais
DATAFOLHA
Para 61% dos que viram reunião, Bolsonaro quis interferir na PF
POLÍCIA
Idosa é agredida após ter a casa invadida por morador de rua
CULTURA
CineClube UEMS terá encontros online com filmes sobre pandemia
LOTERIA
Confira os números da Mega-Sena, que paga prêmio de R$ 33 milhões
JARAGUARI
Caminhonete paraguaia com R$ 5 mil em multas é apreendida em MS
CORUMBÁ
Companhia aérea deve indenizar por atraso de voo sem justificar motivo
SAÚDE
HU de Dourados lança Manual de Aleitamento Materno em formato de livro

Mais Lidas

DOURADOS
Prefeitura estende toque de recolher em 2h em Dourados
PANDEMIA
Dourados tem mais de 150 casos de Covid-19 e secretário diz ser assustadora a crescente na região
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher