Menu
Busca terça, 18 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Agrotóxicos: Anvisa propõe novas exigências para produtos

31 janeiro 2011 - 17h00

Apresentação de estudos sobre avaliação de riscos nos trabalhadores rurais será requisito obrigatório para registro de agrotóxicos no Brasil. É o que prevê a consulta pública aberta pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta sexta-feira (28/1).

A avaliação do risco é um procedimento mais sensível e acurado que permite analisar possíveis efeitos dos agrotóxicos na saúde. “Apesar de já analisarmos a toxicidade das substâncias presentes nos agrotóxicos, a avaliação do risco possibilitará reduzir ainda mais os agravos indesejados associados à exposição da população a esses produtos”, explica o diretor da Anvisa, Agenor Álvares. Os agrotóxicos que causam mutações genéticas, câncer, alterações fetais, e danos reprodutivos continuarão impedidos de registro, conforme determinado pela Lei.

Outra novidade proposta é que os estudos, apresentados pelas empresas para que a Agência realize análise toxicológica dos agrotóxicos, sejam conduzidos em laboratórios com certificação de Boas Práticas Laboratoriais (BPL). “Essa ação permitirá maior segurança quanto à credibilidade dos estudos apresentados e maior rastreabilidade dos resultados, além de uniformizar nosso trabalho com o do Ibama, que já efetua essa exigência”, afirma Álvares. Além disso, harmoniza a documentação de avaliações toxicológicas com o que já era solicitado para os estudos de resíduos de agrotóxicos em alimentos, de acordo com a resolução da Anvisa de 2006.

A consulta pública atualiza, ainda, os estudos que devem ser apresentados pelas empresas para obtenção de avaliação toxicológica de agrotóxicos e produtos técnicos. Os critérios de classificação toxicológica dos produtos também foram revisados. Para Álvares, a nova proposta permite ao Brasil estar alinhado às normas internacionais mais atualizadas para avaliação de agrotóxicos e produtos técnicos.

Registro

No Brasil, o registro de agrotóxicos é realizado pelo Ministério da Agricultura, órgão que analisa a eficácia agronômica desses produtos. Porém, a anuência da Anvisa e do Ibama é requisito obrigatório para que o agrotóxico possa ser registrado.

A Anvisa realiza avaliação toxicológica dos produtos quanto ao impacto na saúde da população. Já o Ibama observa os riscos que essas substâncias oferecem ao meio ambiente.

Atualização

A Consulta Pública 02/2011 propõe uma atualização da Portaria 03/1992 do Ministério da Saúde. A proposta é resultado de dois anos de trabalho da Agência e foi aprovada na Agenda Regulatória de 2009, instrumento que expõe os temas considerados pela Anvisa como prioritários para regulação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Neno Razuk destina R$ 60 mil para Associação dos Autistas de Dourados
EMENDAS
Neno Razuk destina R$ 60 mil para Associação dos Autistas de Dourados
AJUDA
Caixa paga hoje auxílio emergencial para os nascidos em fevereiro
Cães farejadores acham cocaína que seria enviada para a Irlanda
CORREIOS
Cães farejadores acham cocaína que seria enviada para a Irlanda
Diogo Castilho fala da discussão na Câmara sobre a base salarial da enfermagem
TV DOURADOS NEWS
Diogo Castilho fala da discussão na Câmara sobre a base salarial da enfermagem
Nelsinho Trad busca recursos para MS no Consórcio Brasil Central
POLÍTICA
Nelsinho Trad busca recursos para MS no Consórcio Brasil Central
EMPREGO
Marinha abre concursos para 26 vagas, com remuneração de R$ 9 mil
SOLIDARIEDADE
Agehab realiza primeira entrega de agasalhos em Dourados 
SENADO
CPI ouve hoje Ernesto Araújo sobre críticas à China e cloroquina
FRONTEIRA
Traficantes são presos com 1 t de maconha após atacar policiais
TEMPO
Terça-feira de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove

Mais Lidas

POLÍCIA
'Apaixonado', rapaz furta objetos na PED para ser preso e reencontrar marido
CLIMA
Frio mais intenso do ano é previsto para esta semana em Dourados
REGIÃO
Mulher mata o marido a facadas após discussão em MS
FEMINICÍDIO
Mulher é encontrada morta com golpe de faca no pescoço na região do João Paulo II