Menu
Busca domingo, 16 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Agência norte-americana alerta para a volta do El Niño

10 setembro 2004 - 12h43

Em boletim publicado na madrugada desta sexta-feira em sua página na internet, a Noaa (agência de oceanos e atmosfera dos EUA) anuncia o retorno do fenômeno El Niño --aquecimento periódico das águas do oceano Pacífico.Em sua última análise mensal, o órgão norte-americano menciona que o mundo se encontra nos "estágios iniciais" de um novo El Niño, fraco em intensidade. Anomalias de temperatura superior a 0,5 graus Celsius estão sendo registradas pelo terceiro mês consecutivo no Pacífico equatorial e uma nova onda Kelvin (forçante do El Niño) já teria surgido. A Noaa estabelece o surgimento das condições de El Niño quando por três meses seguidos há uma anomalia superior a 0,5 graus Celsius no leste e centro do Pacífico equatorial central. Um episódio completo de El Niño somente é considerado se a anomalia permanecer por pelos menos cinco trimestres consecutivos. Ainda de acordo com a Noaa, a manutenção de águas frias na costa da América do Sul sugere que o episódio atual será, ao menos inicialmente, de fraca intensidade. Na análise do coordenador da Climatologia Urbana de São Leopoldo, meteorologista Eugenio Hackbart, não é possível ainda precisar quais serão as conseqüências do aquecimento no Oceano Pacífico no Rio Grande do Sul e no Brasil ao longo dos próximos meses. Conforme Hackbart, qualquer mudança mais expressiva no padrão das condições climáticas não deve ser sentida antes da segunda metade da primavera e, principalmente, do próximo verão e outono. Historicamente, o El Niño está associado a precipitações e temperaturas acima da média no sul do Brasil e seca no Nordeste.O fenômenoO El Niño tende a se desenvolver entre os meses de abril e junho, atingindo seu pico entre dezembro e fevereiro. O aquecimento dura de nove a 12 meses, ocorrendo em ciclos que variam de dois a sete anos. O fenômeno acontece quando a temperatura da superfície do mar no oeste tropical do Oceano Pacífico é mais quente do que o normal. Os ventos predominantes no sentido leste-oeste cessam, o que contribui para o aquecimento das águas na porção ocidental do oceano.O fenômeno tem efeitos no clima, provocando nevascas e deslizamentos na América do Sul, seca na região meridional da África, uma fraca temporada de furacões no Atlântico e incêndios florestais na Indonésia.As alterações no clima são tão abruptas que as plantações e as migrações de peixes são afetadas, tendo um efeito dramático na vida humana.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dourados terá novo bloco para campanhas educativas e Central de Exames de Trânsito
DETRAN-MS
Dourados terá novo bloco para campanhas educativas e Central de Exames de Trânsito
Eva Wilma morre em São Paulo, aos 87 anos
BRASIL
Eva Wilma morre em São Paulo, aos 87 anos
Assassino de secretário municipal vai a júri popular nesta semana
DOURADOS
Assassino de secretário municipal vai a júri popular nesta semana
REGIÃO
Jovem aluga carro, carrega mais de 300 tabletes de maconha e acaba preso
Cachês da Lei Aldir Blanc estão sendo pagos em maio, afirma João César Mattogrosso
ESTADO
Cachês da Lei Aldir Blanc estão sendo pagos em maio, afirma João César Mattogrosso
REGIÃO
Casal de moto morre atropelado por caminhonete na MS-164
BRASIL
Morre o prefeito de São Paulo, Bruno Covas
POLÍCIA
Pindamonhangabense é preso por tráfico na Grande Dourados
DOURADOS
Acordo entre MPE e prefeitura prevê centro de triagem da Covid-19
REGIÃO
PRF aborda caminhão na BR-463 e descobre sumiço de motorista

Mais Lidas

CAMPO GRANDE
Após discussão, jovem bate veículo em poste e namorada que estava no capô morre
TRÁFICO DE DROGAS
Chefe do 'Comando Vermelho' e foragido há seis meses é preso em Dourados
FEMINICÍDIO
Mulher baleada na cabeça pelo ex-marido morre no hospital
CAPITAL
Jovem sai para comprar narguilé e morre após colidir moto contra poste