Menu
Busca sexta, 16 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Aftosa em MS favorece Austrália no mercado mundial

11 outubro 2005 - 13h28

O foco de febre aftosa confirmado em Eldorado, a 435 km de Campo Grande, já repercutiu no mercado internacional. A Austrália, principal concorrente do Brasil, já vê possibilidade de ganhos com os problemas verificados em MS, uma vez que a doença deve reduzir a participação brasileira no comércio mundial. A ocorrência da doença geralmente prejudica as exportações do país infectado, colocando-o na "lista negra" do mercado internacional. Mas o Brasil ainda não entrou nos mercados mais lucrativos de carne bovina, e os países desenvolvidos para os quais fornece não devem interromper as compras por muito tempo, declarou nesta terça-feira a Meat & Livestock Australia (MLA) à agência Reuters em Sidney. A Rússia, principal destino para a carne bovina e suína do Brasil, com compras equivalentes a 900 milhões de dólares entre janeiro e agosto deste ano, já anunciou restrições às importações brasileiras. Outros mercados, como Filipinas e Hong Kong, já disseram no passado que não comprariam carne bovina de uma região afetada pela doença, mas que poderiam aceitar o produto vindo de outras regiões do mesmo país que não tenham sido afetadas. "Temos de esperar e ver se eles vão tomar esse tipo de decisão ou manter o Brasil suspenso por um período mais longo", disse o analista-chefe de mercado da MLA, Peter Weeks, à Reuters na Austrália. Os lucros no longo prazo para os australianos viriam com o provável atraso no acesso do Brasil aos principais mercados atendidos pela Austrália, como Japão, Estados Unidos e Coréia do Sul. O presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), Marcus Vinícius Pratini de Moraes, disse à Reuters no mês passado que o Brasil esperava ganhar em breve acesso ao mercado norte-americano de carne "in natura" e tentava conseguir acesso também ao Japão, Coréia do Sul e Taiwan. Com o novo registro, vai demorar anos e não meses para que o Brasil consiga acesso aos EUA, disse Weeks. E os planos para entrar no Japão, Coréia do Sul e Taiwan ficarão transferidos para a próxima década. "Vai demorar muito, muito tempo. Nenhum destes países aceita produto de países que estão vacinando. O Brasil agora vai ter que vacinar durante vários anos", afirmou Weeks. Mesmo antes da confirmação do foco, as exportações brasileiras de carne bovina eram limitadas nos mercados mais lucrativos porque o rebanho de 195 milhões de cabeças, o maior do mundo, era classificado apenas como livre de febre aftosa com vacinação. O Brasil conseguiu superar a Austrália nas exportações de carne "in natura" nos primeiros sete meses de 2005, embarcando 657 mil toneladas contra 605,257 mil toneladas da Austrália. Mas em termos de valores, a Austrália permanece na liderança, exportando o equivalente a 2,1 bilhões de dólares de carne bovina "in natura", contra 1,5 bilhão exportados pelo Brasil. Com informações do site de notícias Campo Grande News.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MS
Egresso da UEMS é o primeiro historiador de MS a receber registro profissional
TEMPO
Após quase um mês de estiagem, chuva chega e derruba temperatura em Dourados
Pandemia pode manter níveis críticos ao longo de abril, diz Fiocruz
BRASIL
Pandemia pode manter níveis críticos ao longo de abril, diz Fiocruz
Polícia civil realiza incineração de droga avaliada em mais de R$ 300 mil
MS
Polícia civil realiza incineração de droga avaliada em mais de R$ 300 mil
JARDIM
Ao limpar arma, jovem atira no próprio pé e, por não ter autorização para posse irá para delegacia
MS
SES lança serviço de consulta a resultados de exames da Covid-19 no site
MS-164
Veículos com 450 pacotes de cigarros contrabandeados são apreendidos
ARTIGO
Lulalá
DOURADOS
Motociclista é preso após passar 'fumando um baseado' ao lado de viatura
REGIÃO
Homem morre após ser atropelado por moto em Vicentina

Mais Lidas

DOURADOS
Veículo usado para transportar corpo de colombiano passará por perícia
CRIME AMBIENTAL
Goiano preso com minhocas terá que pagar multa de quase meio milhão de reais
AMEAÇA DE EXTINÇÃO
Após passar por MS, homem é preso com mudas raras que seriam vendidas na Bolívia
DOURADOS
Funsaud oficializa saída de diretor médico da UPA após denúncia de escala sem plantonista