Menu
Busca segunda, 25 de maio de 2020
(67) 99659-5905

A invasão do Haiti pela solidariedade humana, por Wilson Biasotto

23 janeiro 2010 - 08h48

Confesso que me entusiasmei com a solidariedade universal verificada logo após a tragédia sísmica que envolveu o Haiti. E não foi pura e simplesmente solidariedade enquanto manifestação desse sentimento próprio da natureza humana, em que as pessoas, diante de tragédias, mesmo que inconscientemente, reconhecem-se como iguais; mas solidariedade institucional, de estado para estado. Aviões de todos os continentes pousaram em Porto Príncipe, com equipes de resgate, água e alimentos.
Não tenho a menor idéia de como os haitianos sentiram essa solidariedade, se é que em meio a tamanha desgraça, há tempo para alguém pensar em alguma coisa. Um povo pobre, o mais pobre das Américas, vivendo em um Estado cujas instituições estão praticamente falidas, necessitando de monitoramento da ONU para tentar (re)erguer-se, naturalmente fica muito mais vulnerável em relação à tragédia, que, evidentemente, um Estado organizado, com instituições em funcionamento pleno. Mas, de alguma forma o movimento altruísta há de ter influído na conduta daquele povo, há de ter alimentado uma chama de esperança de que nem tudo estava perdido, há de ter refreado o recrudescimento de instintos primitivos de luta pela sobrevivência.
Não fora essa imediata ação internacional, penso que seria inimaginável o que poderia ter acontecido no Haiti. Veio-me à mente uma obra de ficção escrita em 1954, por William Golding, intitulada “O Senhor das Moscas”: um avião, cujos passageiros eram jovens, caí em uma ilha deserta, verdadeiro paraíso. A tripulação morre, os jovens ficam sós. No inicio tentam se organizar escolhem um líder, fazem coletas de frutos, socorrem uns aos outros; no final instala-se a barbárie, boa parte das crianças tornam-se cruéis e na luta pela sobrevivência e pelo poder, perseguem-se, ferem-se, matam-se entre si.
Contrariamente a Robinson Crusoé que de certa forma civiliza a natureza, as crianças de “O Senhor das Moscas” barbarizam aquela ilha edênica onde caíram.
Reflexões dessa natureza nos levam a retomar com certa frequência uma dúvida já tão debatida em clássicos iluministas: o homem é bom e a sociedade o perverte, ou a sociedade molda o comportamento humano tornando-o civilizado? Em outras palavras: como seria o ser humano não fossem as regras sociais estabelecidas ao longo dos últimos milênios?
Mas, deixemos a ficção, quem leu “Os sobreviventes dos Andes” ou “Papillon”, histórias verdadeiramente acontecidas, poderá lembrar-se perfeitamente de que quando a fome aperta, o canibalismo não é descartado.
E eis que, enquanto nos deparamos com o sofrimento dos haitianos e com a concomitante solidariedade internacional, recebo um e-mail que me ensina como retirar uma rolha de dentro de uma garrafa. No vídeo, um cidadão força a penetração de uma rolha em uma garrafa, depois enrola um saquinho plástico em forma de canudo e o enfia na dita garrafa, mexendo-a a seguir de tal modo que a rolha desliza para a proximidade do gargalo e fica entre o vidro e o canudo. Ato seguinte, o cidadão assopra pela boca do saquinho plástico e assim que o infla, puxa-o trazendo consigo a rolha que estava dentro do recipiente.
Ah! imagino eu com os meus botões: enquanto houver tamanha criatividade humana, não haverá miséria no mundo. Pouco importa se os Estados Unidos, arrogantes como sempre, assumiram o controle do tráfego aéreo em Porto Príncipe, alguém tinha que fazê-lo diante do caos que se instalara. Ah! mas aí é uma questão geopolítica, os Estados Unidos estão protegendo os seus interesses, dirão alguns, e não solidariedade.
E, não obstante o show que os brasileiros estão dando na (re)organização haitiana, sem uso da violência, não faltou quem dissesse que o Exército brasileiro está no Haiti para preparar-se para enfrentar conflitos nas nossas favelas e não por questão humanitária.
A exemplo da marchinha do início dos anos 60, “deixam que digam, que pensem, que falem”, o mundo está bem melhor e vai melhorar ainda muito mais à medida que os povos forem elevando o seu nível civilizatório a ponto de concluírem que é possível tirarmos a rolha da garrafa sem quebrarmos nenhuma das duas.

Suas críticas são bem vindas: biasotto@biasotto.com.br
* da Academia Douradense de Letras; professor aposentado CEUD/UFMS


Deixe seu Comentário

Leia Também

STJ
Quinta Turma dará mais publicidade aos processos levados em mesa para julgamento
BRASIL
Câmara pode votar Lei de Emergência Cultural na próxima terça-feira
BRASIL
Firjan Senai oferece cursos de aperfeiçoamento para todo o país
STJ
Juiz deverá aplicar medidas coercitivas a familiares que se recusam a fazer DNA, sejam ou não parte na investigação de paternidade
STF
Empresas optantes pelo Simples têm direito a imunidades em receitas decorrentes de exportação
MINISTRO
Weintraub: “tentam deturpar minha fala para desestabilizar a nação”
DIA MUNDIAL
Situação de stress social pode ser gatilho para quem tem esquizofrenia
ESTADO
Canil do Corpo de Bombeiros participa de ocorrências no interior e na capital
ESPORTE
Beach Handebol brasileiro busca alternativas para se manter no topo
INTERIOR
Com peças de Lego, alunas da UEMS criam robô que ajuda na prevenção do coronavírus

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Homem morre atropelado por rolo compactador
PANDEMIA
Dourados ultrapassa marca de 100 casos confirmados de coronavírus
MARACAJU
Homem morre após tentativa de fuga e troca de tiros com a polícia
MS-145
Motorista disse não ter visto momento que atropelou e matou ciclista