Menu
Busca domingo, 09 de maio de 2021
(67) 99257-3397

A criminosa receptação, por Dirceu Gonçalves

16 fevereiro 2011 - 10h26

Toda vez que um assaltante ou bando rouba um carro, uma carga, uma joalheria ou qualquer outro bem de pequeno ou grande valor, a ação é fruto da ordem sanguinária de um receptador. Ele encomenda a mercadoria, os puxadores a subtraem e entregam, recebendo quantias irrisórias em relação ao seu valor de mercado. Ate aí já foram cometidos pelo menos dois crime: o roubo ou latrocínio (quando os assaltantes matam para roubar), e a própria receptação, operada pela “empresa criminosa”. Mas, a partir desse ponto, uma série de outros delitos ocorre como conseqüência, tais como desmanche ilegal, outras vendas e receptações da mercadoria roubada, sonegação fiscal e trabalhista, etc.

A simples constatação desse quadro perverso, a que toda a população está sujeita, nos remete ao raciocínio de que o receptador é o verdadeiro câncer da sociedade, um grande mal a ser combatido com toda força e determinação. Sem o seu concurso, a maioria dos furtos e roubos não ocorreria porque os ladrões não teriam, por falta de compradores, como lucrar com as mercadorias subtraídas e, de quebra, ainda ficariam sujeitos à prisão se com elas fossem encontrados. O combate ao roubo é hoje uma guerra que não só as polícias, mas toda a sociedade tem o interesse e até o dever de promover. Como em toda guerra, uma das estratégias é cortar a linha de suprimento ou abastecimento dos combatentes.

O receptador - muitos deles encastelados em seus escritórios e mansões com ar-condicionado e alta mordomia - é o grande inimigo a ser combatido e, na medida do possível, eliminado. Pelo potencial de destruição, prejuízo e desagregação social que provoca, sua atividade, inegavelmente, pode ser considerada crime hediondo e, como tal, merece todos os rigores da lei e o interesse especial de legisladores e autoridades na sua aniquilação.

Para o bem e a libertação da sociedade - que hoje nem pode usufruir dos seus bens por causa do risco dos ladrões - nenhum receptador, mesmo os não presos em flagrante, por conta de sua periculosidade, não deveria ter o direito de responder em liberdade. Toda vez que forem encontrados na rota de mercadorias roubadas ou de outro tipo de origem ilícita, devem permanecer trancafiados até o julgamento. Da mesma forma, não devem receber os favorecimentos carcerários que encurtam a pena original.

O Brasil é muito brando e permissivo ao cobrar seus criminosos pelos agravos que causam à sociedade. Deveria fazê-lo apenas com aqueles que têm possibilidades de recuperação. Não é o caso do receptador, que age de forma premeditada, abusa do poder econômico ilegalmente amealhado e, com suas garras, movimenta vários segmentos do crime, causando prejuízos materiais, vítimas, insegurança e sofrimento à população.

Governantes, parlamentares, juristas e membros do Judiciário e da estrutura policial farão um grande bem ao Brasil ao promoverem a verdadeira caça ao receptador. Sem essa praga social, poderemos todos, finalmente, viver em paz...
* Tenente e dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)
aspomilpm@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

Técnico Enderson Moreira é internado em MG após princípio de infarto
GERAL
Técnico Enderson Moreira é internado em MG após princípio de infarto
PANDEMIA
Como fazer suas compras de mantimentos de forma segura
PANDEMIA
Covid-19: o que fazer com as compras quando chegar em casa
CPI
CPI mira vacinas em audiências com Anvisa e Pfizer
Comissão debate representatividade política das pessoas com deficiência
DIREITOS HUMANOS
Comissão debate representatividade política das pessoas com deficiência
POLÍTICA
Pauta do Plenário tem três MPs, Loteria da Saúde e proibição de reajuste de medicamentos
SAÚDE
Pesquisa mostra aprofundamento de desigualdades na infância
GERAL
Explosão de gás destrói restaurante em Belém
ASTRAZENECA
Ministério da Saúde anuncia distribuição de doses para próxima segunda
POLÍTICA
Secretaria da Mulher debate situação das domésticas na pandemia

Mais Lidas

DOURADOS
Adolescentes flagrados em festa 'entregam' distribuidora que vendeu bebidas alcoólicas
BR-163
Colisão entre viatura e carreta termina com policial ferido
ACIDENTE
PRF diz que policial saiu andando de viatura após colisão com carreta
BR-163
Viatura da PRF estava com apenas um ocupante quando colidiu contra carreta