Menu
Busca terça, 31 de março de 2020
(67) 9860-3221

Tragédia anunciada é pura incompetência, por Dirceu Cardoso

14 janeiro 2013 - 15h00






Ainda vivemos sob o impacto das notícias sobre a falta de água para a geração de eletricidade (que pode levar ao racionamento), e já enfrentamos as tragédias causadas pela chuva. Pontos onde já ocorreram inundações, deslizamentos e mortes continuam com o mesmo problema vivido há um dois, três ou mais anos. De nada adiantaram as sentidas promessas de solução formuladas pelas autoridades e até as verbas destinadas pelo governo a algumas dessas áreas-problema. O dinheiro saiu do cofre público mas não chegou aos flagelados. Essa é a demonstração de um Brasil desorganizado, negligente e perdulário, que precisa mudar.


As cidades da serra fluminense, que tiveram o pico da desgraça nas chuvas de 2011, ainda se encontram sem solução para os milhares de desabrigados e para a sustentabilidade de sua infraestrutura. A chegada da estação das chuvas, que é previsível, trouxe de volta os riscos de novas tragédias. E o pior é que o Governo Federal para ali destinou verbas de emergência, mas os problemas não foram resolvidos. A histórica São Luiz do Paraitinga (SP) voltou a sofrer inundação e a contabilizar desabrigados nos últimos dias, quando as águas do rio subiram quatro metros. Zonas críticas até das capitais, há muito identificadas, continuam sofrendo enchentes e deslizamentos.


No ápice das catástrofes, prefeitos, governadores, parlamentares, ministros e até o presidente da República visitam a área comprometida e prometem solução. As comunidades são mobilizadas em trabalho comunitário de solidariedade. Mas quando a chuva acaba, em vez de se colocarem em campo para a solução dos problemas, todos se recolhem ao seu próprio dia-a-dia e parece se esquecerem do compromisso. Prefeitos, quando cobrados, reclamam falta de recursos, órgãos governamentais acusam a falta de projetos capazes de produzir a liberação de verbas e o povo, real prejudicado, continua desassistido.


Os prefeitos deveriam priorizar a solução dos problemas existentes em seus municípios. A maior parte das áreas foram ocupadas irregularmente e sob a negligência de seus antecessores. Mas isso não os faz menos responsáveis pelo que acontece hoje. Até porque, são sucessores dos que negligenciaram e, ao assumir, concordaram em gerir tanto o ativo quanto o passivo. Como autoridade mais próxima do problema, o prefeito tem toda a representatividade para agir e mobilizar os governos estadual e federal em busca de verbas e meios para socorrer sua população. Quando não o faz – e todos eles não o fazem – é pura negligência. Os que acabam de assumir o mandato precisam mudar essa sistemática.


Cada habitante que morre ou tem prejuízo causado pela chuva em locais que já tiveram problemas anteriormente, é culpa única e exclusiva do prefeito e sua equipe, que não cumpriram com suas obrigações administrativas. É preciso encontrar um meio de responsabilizá-los pela negligência. Algo parecido com a hoje temida Lei de Responsabilidade Fiscal, que leva até à inelegibilidade o governante relapso com as finanças. A responsabilidade não deveria ser apenas fiscal, mas total...





(*)Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

PREVENÇÃO
Opas defende isolamento social como melhor opção de combate à covid-19
INVESTIMENTO
No valor de R$ 1,3 milhão, edital auxilia artistas prejudicados com a pandemia do coronavírus
CORONAVÍRUS
Assembleia mantém atividades suspensas e prorroga prazo até 17 de abril
CORONAVÍRUS
Após primeira morte em MS, secretário reforça: "Fique em casa"
POLÍTICA
Após ganhar na Justiça e deixar PSL, DEM pode ser destino de Coronel David
COVID-19
Primeira vítima do coronavírus no Estado era fumante e fazia tratamento de saúde há quatro anos
ABASTECIMENTO
Na quarentena, Sanesul alerta para economia de água em MS
CORONAVÍRUS
Para evitar aglomeração, prazo de validade dos medicamentos é ampliado
BRASIL
Informalidade cai, mas atinge 38 milhões de trabalhadores
COVID-19
Primeiro óbito por coronavírus do Estado é registrado em Dourados

Mais Lidas

FRONTEIRA
Acidente na MS-164 em Ponta Porã leva pai e filho a óbito
DOURADOS
Homem entra em veículo e anuncia assalto com arma de brinquedo; vídeo
DOURADOS
Homem leva surra de populares e é detido por furtar dois veículos em Dourados
NOTA PREMIADA
Lista de ganhadores já está disponível para consulta