Menu
Busca sexta, 10 de abril de 2020
(67) 9860-3221

O fim do voto secreto, por Dirceu Cardoso

15 março 2013 - 15h30

#####.


A Câmara de Vereadores de Garça (SP) acabou, esta semana, com o voto secreto. Agora, todos os projetos de lei, eleições da mesa diretora e comissões legislativas, concessão de honrarias e até a cassação de mandatos, terão declarado o voto de cada vereador. Com isso, o eleitor ganha um importante instrumento para acompanhar o desempenho do seu vereador e razão para participar mais diretamente da vida política da cidade. É, sem dúvida, um ganho para a atividade política e a democracia.


Fundamental quando aplicado para evitar o antigo voto de cabresto e garantir a independência do eleitor na escolha dos candidatos de sua simpatia ou interesse, o voto secreto é, no entanto, nocivo quando praticado dentro das casas legislativas. Ao mesmo tempo em que garante a independência dos parlamentares para a votação de temas controversos – essa a justificativa encontrada para sua adoção – o procedimento também é responsável pela falta de transparência na atividade e, o pior, dá margens para a suposição de compra de votos, barganha de cargos e a prática de outros atos lesivos ao interesse da sociedade. Todas as vezes que qualquer das casas legislativas – Senado, Câmara dos Deputados, Assembléia Legislativa Estadual ou Câmara Municipal – é levada a votar secretamente uma matéria polêmica, seus membros restam com a imagem manchada e a estatura política diminuída.


Diferente do voto do eleitor – que é um ato de cidadania e interessa exclusivamente ao autor – o voto parlamentar é público. Ao votar, o senador, deputado ou vereador, está representando todos os que participaram de sua eleição. A simples observância desse raciocínio leva à impraticabilidade do voto secreto. É inadmissível que um representante não tenha o dever de informar aos seus representados sobre como votou. Seria o mesmo que o empregado sonegar informações do trabalho ao patrão que o contratou e paga seus salários.


Nos tempos autoritários, o governo manteve o legislativo em funcionamento exclusivamente para poder continuar rotulando o regime como democrático. Mas dele retirou todo o poder. Na redemocratização voltaram as prerrogativas, mas os vícios permanecem. O voto secreto é um deles. Muitas casas legislativas já o aboliram total ou parcialmente. Algumas o fizeram depois de sofrer ações judiciais pela transparência.


No Senado e Câmara dos Deputados existem muitas propostas para a total transparência nas votações. Parte dos parlamentares resiste e episódios recentes mostram políticos errantes se safando da punição prevista em lei, porque beneficiados pelo voto secreto e corporativo. Esses procedimentos, a cada dia que passa, turvam e enfraquecem ainda mais a imagem do Poder Legislativo que, para o bem da Nação, deveria ser límpida e fortalecida.


Para resgatar sua imagem e prestigio, o parlamento brasileiro precisa, urgentemente, proibir o voto secreto. Uma proibição ampla, geral e irrestrita...



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) aspomilpm@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Mulher foi atacada com facão pelo filho sem motivo após ele beber
AGLOMERAÇÃO
Bolsonaro abraça pessoas e posa para fotos em padaria de Brasília
CAMPO GRANDE
Condenado a 13 anos, homem é preso sete anos depois do crime
UFGD
Inscrições para contratação de professor visitante vão até o dia 17
RIBAS DO RIO PARDO
Caseiro atira contra ‘invasores’ e descobre que eram parentes do patrão
SOLIDARIEDADE
Campanha do Agasalho Abevê espere arrecadar 38 mil peças de roupa
DOURADOS
Inova Unigran desenvolve protótipos de protetores faciais para doação
ESTALIONATO
Produtor rural perde cerca de R$ 123 mil em golpe de venda de gado
RURAL
MS deve registrar safra de 11 milhões de toneladas, maios da história
TRÊS LAGOAS
Motorista é preso após digirir bêbado por mais de 30 quilômetros

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher tenta desviar de buraco, é atropelada por carreta e morre
DOURADOS
Assassinos de homem no Parque das Nações roubaram celular de testemunha
DOURADOS
Na volta ao atendimento, populares formam filas longas em frente a agências bancárias
DOURADOS
Mulher morta em acidente cursava pedagogia e terá corpo levado a Naviraí