quinta, 11 de agosto de 2022
Dourados
22°max
min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
MERCADO IMOBILIÁRIO

Alta de insumos e taxa de juros não tem de impactar otimismo do mercado imobiliário

04 outubro 2021 - 16h23Por Jornal Contábil

O segundo semestre já começou, mas as perguntas sobre o que esperar do mercado imobiliário brasileiro neste novo ciclo têm sido feitas desde o início da pandemia. Não é para menos. O setor vem apresentando viés de recuperação, superando expectativas e batendo recordes de vendas. Quando, no início da crise sanitária, se esperava uma queda livre, ele decolou.

O segmento imobiliário, por definição, é cíclico. De acordo com inúmeros dados que comprovam esse aquecimento nos últimos meses, estamos em um ciclo vivo e saudável. Conforme indicadores da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (ABRAINC), desde fevereiro de 2020, é a primeira vez que o setor retoma a alta simultânea de vendas e lançamentos em 12 meses.

A baixa taxa de juros cobrada nos financiamentos habitacionais e a queda gradual da Selic favoreceram esse cenário. Atrelado a isso, o trabalho remoto fez com que muitas pessoas passassem a olhar para suas residências de forma mais minuciosa e a reconhecer o imóvel como um lugar muito importante em nossas vidas. O que antes era lazer passou a ser também um local de trabalho. As fronteiras ficaram mais borradas e cresceu, perpendicularmente, a busca por plantas maiores.

Apesar dos bons resultados obtidos no primeiro semestre deste ano, a alta do preço dos insumos de construção civil tem ligado o sinal de alerta e pode frear construções e, consequentemente, lançamentos de empreendimentos. Desde o início da pandemia, o aumento no custo do aço, alumínio, cimento e madeira obrigou incorporadoras e construtoras a reajustarem os preços ao consumidor. Todo o setor se viu, então, diante do desafio de cumprir os cronogramas de entrega das obras.

Segundo a CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), 57,1% das companhias do setor apontaram a falta ou o alto custo dos insumos como um problema no primeiro trimestre deste ano. Essa preocupação tem crescido a tal ponto que a elevação no preço dos materiais deve continuar impactando diretamente o setor no segundo semestre.

Não é segredo que o mercado espera uma alta na Selic, impactando, assim, o financiamento de imóveis. O Banco Central projeta que a taxa chegue a 7% até o final de 2021, obrigando o mercado imobiliário, que estava pegando altitude, a puxar um pouco o freio de mão. Contudo, vale lembrar que em governos anteriores o setor surfou uma forte onda de alta nas vendas nos tempos em que a taxa foi artificialmente reduzida para esse mesmo patamar.

Costumo dizer que, no setor imobiliário, as mudanças são constantes e abruptas. Apesar de alguns obstáculos no caminho, o mercado segue aquecido porque ainda há uma crescente demanda por habitação no país. Claro que as expectativas positivas dependem da melhora da economia para que se confirmem. Como sou um eterno otimista, acredito que o mercado continue a ser a bola da vez entre os investimentos.

Por Antonio Setin é fundador e presidente da Setin Incorporadora

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia resgata adolescentes que eram forçadas à prostituição
FRONTEIRA

Polícia resgata adolescentes que eram forçadas à prostituição

JUDICIÁRIO

André Mendonça leva ao plenário do STF ações contra a PEC Kamikaze

SAÚDE

MS cria grupo técnico de enfrentamento à varíola dos macacos

SISTEMA DE PAGAMENTO

Chefe do BC desmente Bolsonaro e diz que bancos não perdem com PIX

Em menos de uma semana, mais um recenseador é assaltado

ASTRONOMIA

'Superlua de esturjão' última do ano será vista nesta quinta-feira

PANTANAL

Trabalhador é resgatado por aeronave após acidente em fazenda

ELEIÇÕES 2022

Consórcio de imprensa suspende realização de debate presidencial

PONTA PORÃ

Homem é preso após receber R$ 1 mil em notas falsas

TÊNIS

Bia Haddad elimina nº 1 do mundo e vai às quartas no Canadá

Mais Lidas

TRAUMATISMO CRANIANO

Madrasta de menina de 7 anos que morreu ao dar entrada na UPA é presa em Dourados

ÁGUIA

Mega-operação mira tráfico de drogas e cumpre 10 mandados em Dourados

BR-376

Morto após capotar veículo carregado com maconha tinha 24 anos

POLÍCIA

Menor é apreendido com cigarros de maconha em escola de Dourados