Menu
Busca sexta, 27 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
BRASIL

Justiça manda Saúde dizer se feijão do Pastor Valdemiro cura Covid-19

29 outubro 2020 - 21h20Por G 1

O juiz federal Tiago Bitencourt de David, da 5ª Vara Cível Federal de São Paulo, determinou que a União informe no site do Ministério da Saúde, em até 15 dias, se há ou não eficácia comprovada das sementes de feijão no combate à Covid-19. O uso das sementes é defendido em vídeo pelo líder religioso Valdemiro Santiago de Oliveira, da Igreja Mundial do Poder de Deus.

A decisão do magistrado, publicada na última terça-feira, dia 27 de outubro, determina ainda que o governo federal apresente, no prazo de 30 dias, a identidade completa de quem determinou a supressão da informação sobre os feijões que antes estava publicada no site do Ministério da Saúde.

A ordem ocorre após investigação iniciada pelo Ministério Público Federal (MPF), que viu indícios de estelionato por parte do pastor Valdemiro Santiago que, em vídeos na internet, incentivava os fiéis a plantar as sementes por ele comercializadas. Na ação, o MPF afirma que os feijões não curam e são propaganda "enganosa".

O pastor vendia as sementes por valores entre R$ 100 a R$ 1 mil, sob o argumento de que teriam eficácia terapêutica para a cura da Covid-19, mesmo em casos graves.

Para o MPF, houve prática abusiva da liberdade religiosa, já que Valdomiro e a Igreja Mundial do Poder de Deus tinham o objetivo de angariar recursos financeiros com a venda das sementes.

O MPF alegou ainda que pediu ao Google a retirada dos vídeos de Valdomiro na internet que propagavam o uso das sementes e, ao Ministério da Saúde, que a notícia veiculada pelo líder religioso fosse incluída no site oficial do órgão como sendo “fake news” (notícia falsa). A notícia foi incluída pelo governo federal no site, mas retirada posteriormente, o que, para o MPF, "induziu, equivocadamente, ao questionamento da fé e crença de uma parcela da população".

Durante o processo, o governo federal informou que "tem adotado as medidas necessárias para neutralizar as informações equivocadas que colocam em risco a saúde pública e que causam prejuízos sociais, incluindo em seu site a informação de que inexistem estudos científicos sobre alimentos que garantam a cura ou o tratamento da Covid-19".

Em sua decisão, o juiz afirmou que “é preciso considerar que a liberdade de crença não pode ser indevidamente restringida pelo Estado e nem este pode ser cooptado por entidade religiosa, pois a Constituição Federal estabelece que o Estado é laico, não combatendo a profissão de fé e nem incorporando-a no próprio governo, de modo que os fiéis não têm mais ou menos direitos que os ateus”.

Para o juiz, se uma pessoa deseja gastar seu dinheiro de um modo e não de outro, isso é assunto dela, "não podendo o Estado dizer que ela é ignorante e não sabe fazer boas escolhas".

Mas, diz o magistrado, apresentar os dados significa dar condições para que a população "escolha de modo informado e consciente". Ele entende que cabe à União "informar a população acerca da (in) eficácia curativa do feijão apresentado como abençoado e alegadamente dotado de poder restaurador da saúde".

Na opinião do juiz, o governo "deve informar de forma cuidadosa e respeitosa, neutra, limitando-se a dizer que (não) há eficácia comprovada do produto no que tange à Covid-19".

A Justiça Federal determinou ainda que a Google preserve os vídeos e informe o endereço na internet de quem os postou nas redes sociais.

Igreja disse que 'não prometeu cura'

Em nota quando começou a ser investigada pelo MPF sobre o vídeo, a Igreja Mundial do Poder de Deus disse que a referência ao feijão nos vídeos não se referia a "uma promessa de cura, mas sim o início de um propósito com Deus".

Segundo a instituição, "a semente é uma figura de linguagem, amplamente mencionada nos textos bíblicos, para materializar o propósito com Deus" e que não há nenhum oferta de venda de cura por parte do pastor Valdemiro Santiago.

"Nos vídeos não há menção de nenhuma venda, o que rechaçamos veemente, haja vista que trata-se de uma sugestão de oferta espontânea, não tendo nenhuma correlação com venda de quaisquer espécies", disse a nota da igreja.

A Igreja Mundial do Poder de Deus afirmou, ainda, que "a instituição, ao longo de todos esses anos, tem o único e exclusivo propósito de propagação da fé Cristã, onde todas as nossas atitudes se baseiam nos princípios bíblicos, na ética e na legalidade".

Deixe seu Comentário

Leia Também

Terceiro profissional da PM de MS morre por complicações da covid
Terceiro profissional da PM de MS morre por complicações da covid
DEPOIMENTO À PF
Moro diz ter ouvido que Carlos Bolsonaro é ligado a 'gabinete do ódio'
Familiares procuram por empresário desaparecido desde a madrugada
Familiares procuram por empresário desaparecido desde a madrugada
INSS
Recadastramento de aposentados está suspenso até o fim do ano
CAPITAL
Preso foge de escolta policial durante atendimento em hospital
FUTEBOL
Palmeiras anuncia rescisão de contrato com o volante Ramires
POLÍCIA
Idoso cai em golpe de ligação da filha chorando, mas cartão é bloqueado
JUSTIÇA
Seguradora deve indenizar agricultor que perdeu 95% da safra
RIBAS DO RIO PARDO
Polícia recupera em assentamento cinco cabeças de gado furtadas
ECONOMIA
Caixa abre agência em Dourados neste sábado para saque de auxílio

Mais Lidas

DOURADOS 
Foragido, autor de homicídio condenado a 16 anos é preso no Novo Horizonte
DOURADOS
Júri condena membros de grupo de extermínio a mais de 100 anos de prisão
PEDRO JUAN
Quatro corpos são encontrados enterrados na fronteira
BONITO
Mãe de bebê também morre após carro bater em coqueiro na MS-382