Menu
Busca terça, 15 de junho de 2021
(67) 99257-3397
EDUCAÇÃO

Em um futuro próximo, teremos mais profissionais na ciência e saúde

07 junho 2021 - 09h12Por Exame

Historicamente, a disputa por uma vaga no vestibular de medicina está sempre entre as mais concorridas. O sonho de exercer uma profissão essencial e admirada, além da possibilidade de uma carreira promissora, sempre estimulou milhares de estudantes a entrar nessa briga. No último ano, com os trabalhadores da saúde em destaque, o número de interessados em ingressar na área teve um novo salto, dando luz ainda para outras possibilidades promissoras no setor.

A relevância da ciência e daqueles que integram a linha de frente no enfrentamento da pandemia é o grande impulsionador desta onda. A imagem dos trabalhadores corajosos e incansáveis fortalece o ideal de propósito desta nova geração, que vê na profissão uma forma de fazer a diferença.

As profissões relacionadas à ciência despontaram como opções interessantes para os futuros profissionais. Com os holofotes voltados para a pesquisa e o alto investimento de laboratórios no desenvolvimento de medicamentos e vacinas, tem crescido o interesse pela graduação em Ciências Biomédicas, que oferece disciplinas diretamente ligadas ao tema, como o funcionamento do sistema imunológico e comportamento dos vírus. Na USP, a procura pela Biomedicina no último vestibular foi a maior desde que o curso foi criado em 2011. Em relação ao ano anterior, o aumento foi de 22,3% (como comparação, as inscrições para medicina tiveram alta de 19,4% no mesmo período).

O crescimento na procura por formação em medicina, farmácia, enfermagem, nutrição ou biomedicina, entre outras possibilidades do setor, é uma tendência mundial, como apontou a recém-lançada Global Learner Survey 2021, realizada pela Pearson, empresa global de educação. O estudo ouviu 2 mil estudantes universitários em quatro países (Brasil, China, Reino Unido e Estados Unidos) e revelou que 56% dos entrevistados estão repensando suas escolhas como consequência da pandemia, sendo que 45% deles passou a considerar carreiras da saúde.

A instabilidade em quase todos os setores da economia durante a pandemia, somada ao medo do desemprego, ajudaram a desenhar esse novo cenário. Não só os universitários, mas profissionais de todas os segmentos e níveis estão vivendo mudanças rápidas e drásticas na forma de trabalhar. Ao contrário de outras frentes, no entanto, as áreas da ciência e saúde parecem trazer menos incertezas e mais possibilidades aos olhos dos jovens.

Flavia Rezende* é sócia-diretora da Loures Consultoria

Deixe seu Comentário

Leia Também

INTERNACIONAL
Justiça argentina começa interrogatórios sobre morte de Maradona
Entidades acusam governo federal de perseguir pesquisadores
CÂMARA DOS DEPUTADOS
Entidades acusam governo federal de perseguir pesquisadores
CAPITAL
Mulher é acusada de agredir e xingar policiais em bairro de Campo Grande
FUTEBOL
Copa América: seleção chega ao Rio de Janeiro para jogo contra Peru
Especialistas criticam ausência de programação de combate ao racismo na EBC
CÂMARA DOS DEPUTADOS
Especialistas criticam ausência de programação de combate ao racismo na EBC
INTERNET
Pesquisa aponta inacessibilidade de sites culturais
LEGISLATIVO
Câmara aprova isenção de impostos para beneficiários do "Casa Verde Amarela"
IMUNIZAÇÃO
Covid-19: 82% dos indígenas receberam 1ª dose, diz Ministério da Saúde
COVID-19
Estado acolhe flexibilização de medidas em Dourados, mas mantém bandeira "cinza"
ESPORTES
Ministério da Saúde confirma 41 casos de covid-19 na Copa América

Mais Lidas

DOURADOS
Defron desarticula entreposto de cocaína no Campo Dourado
REGIÃO
Homem é executado a tiros na rodoviária de Nova Alvorada do Sul
DOURADOS
Guarda encerra mais uma festa clandestina regada a álcool em meio ao lockdown
DOURADOS
Jovem é encontrado caído em via na área central e estado de saúde é grave