Menu
Busca quinta, 04 de junho de 2020
(67) 99659-5905
TechTudo

Crianças vs. IA: quem se sai melhor em um labirinto?

11 maio 2020 - 06h00Por TechTudo / Igor Almenara Carneiro

Pesquisadores da DeepMind, companhia “irmã” da Google, e a Berkeley, universidade da Califórnia, estudam as correlações e diferenças entre o aprendizado de crianças e inteligências artificiais. Descobertas do estudo podem aproximar sistemas artificiais de seres humanos e suprir atuais deficiências.

A análise parte de interações dentro de um labirinto feito no antigo game Quake III (1999). Ambos os participantes — uma criança voluntária e a inteligência artificial experimental — são colocadas para descobrir uma solução, expostos a controles simples, servindo exclusivamente para andar para frente; para trás; esquerda ou direita.

Esse ambiente ressaltará características do indivíduo estudado, como noções de navegação e memorização. A universidade Berkeley procurava diferenças entre a IA e a criança quando expostos a um ambiente desconhecido, impondo que seja explorado. Para isso, os labirintos deveriam ser resolvidos de duas diferentes formas: percorra o espaço livremente e, na segunda tentativa, encontrando uma bala em algum lugar do labirinto.

Curiosamente, o primeiro cenário ressaltou semelhanças entre as crianças e uma IA Depth-first search (DFS), algoritmo capaz de percorrer árvores de dados — devidamente adaptado para o experimento. Ambos exploraram ambientes desconhecidos até encontrar um beco sem saída; depois disso, retornam para o último caminho alternativo encontrado e repetiram o processo.

Cerca de 90% das crianças adotaram essa estratégia; já no segundo cenário, 96% delas realizaram o método. Ademais, aquelas que optaram por explorar todo o labirinto no primeiro experimento alcançaram a bala escondida mais rapidamente do que as crianças menos curiosas.

Crianças são mais tolerantes a adversidades

No segundo experimento, as condições foram ligeiramente alteradas. Agora, composta por 3 diferentes fases, a simulação colocava crianças para explorar o labirinto livremente; no cenário seguinte, precisavam encontrar uma bala e, por fim, precisavam encontrar a mesma bala, mas bloqueando o caminho utilizado anteriormente.

Diferente da IA, as crianças não se sentiram desencorajadas depois que encontraram o obstáculo da fase final; pelo contrário, eles procuraram pela rota alternativa e encontraram o doce. Enquanto isso, inteligências artificiais tendem a não lidar bem com esses obstáculos.

Fonte: www.tecmundo.com.br

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIÃO
Saúde distribuirá a indígenas de MS cartilhas e gibis sobre o coronavírus
AJUDA DE 600 REAIS
2,7 milhões podem sacar hoje mais uma parcela do auxílio emergencial
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
Prático, o wrap, sanduíche enrolado do Mr. Fit oferece diversas opções como integrais sem glúten e até mesmo veganas!
INFORME PUBLICITÁRIO
Parceria entre as borrachas Vipal e Ruzi garante a qualidade dos serviços na União Pneus
SORTE
Aposta feita pela internet leva prêmio de R$ 45 milhões da Mega-Sena
ARQUITETURA & DESING
Projetos Corporativos, a importância das Fachadas
INFORME PUBLICITÁRIO
Vestibular Online Faculdade Anhanguera de Dourados
SOLIDARIEDADE
TJ/MS inicia a Campanha do Agasalho 2020 em 27 municípios do Estado
BRASIL
Petrobras reajusta em 5% o preço do gás de cozinha
AVANÇO DA PANDEMIA
Brasil registra 1.349 mortes por coronavírus e bate novo recorde

Mais Lidas

EPICENTRO
Casos de coronavírus "explodem" e Dourados registra recorde de confirmações
PANDEMIA
Novo epicentro, Dourados é a cidade com mais casos de coronavírus em MS
PANDEMIA
Comitê aponta surtos de coronavírus em dois pontos de Dourados
TRÁFICO DE DROGAS
Casal é preso após entreposto da droga ser fechado em Dourados