Menu
Busca terça, 31 de março de 2020
(67) 9860-3221

A Venezuela sem Chávez, por Dirceu Cardoso

06 março 2013 - 12h00

#####.

A morte de Hugo Chávez expõe ao mundo, mais uma vez, o já infeliz e consagrado jeito latino-americano de fazer política, calcado na figura de um personagem posado como salvador da pátria, e não sobre um programa de governo. A Venezuela vive hoje a mesma comoção que já viveram argentinos por Evita e Perón, brasileiros por Vargas e Tancredo e outros povos da região por seus líderes mortos. Respeitadas as diferenças de tempo e lugar, é apenas uma “avant-première” do que se dará no dia em que morrer o octogenário Fidel Castro, apenas com a diferença de que o líder cubano deixará um número maior de viúvas políticas e ideológicas, já que exportou a sua inviável revolução durante cinco décadas.


O polêmico Chávez surgiu no cenário político ao tentar um golpe de estado. Passou algum tempo na cadeia e, anistiado, entrou para a política e conseguiu falar a língua do povo. Governou por 14 anos o seu país, rico em petróleo e carente em produção de alimentos e manufaturados. Promoveu a redistribuição de renda, com programas sociais que hoje se alastram para outros países, inclusive o Brasil, mas não conseguiu atrair investimentos economicamente produtivos. Ninguém, a essa altura, é capaz de prever com segurança, o que será da Venezuela e do chavismo sem Chávez. Em 30 dias ocorrerá a eleição do novo presidente. Resta saber se o eleito conseguirá estabelecer a governabilidade num pais cuja legislação e instituições foram moldadas para o manejo pessoal do líder morto.


Enquanto chefes de Estado, simpatizantes e o povo desfilam no concorrido velório e sepultamento, as forças políticas de Caracas estarão buscando as difíceis equações do momento. O país vive a crítica encruzilhada entre o certo e o duvidoso, o bom e o ruim, o lógico e o ilógico. E, apesar de todas as opiniões e solidariedade externas, isso só cabe aos próprios venezuelanos decidir e, logicamente, pagar o preço da decisão.


Tida durante muito tempo como “quintal” das grandes potências, a América Latina é sofrida por não ter uma cultura política sólida. Tudo aqui se faz na passionalidade e no improviso. Raramente os planos de governo sobrevivem no mandato seguinte. Independente do viés ideológico, personaliza-se governantes e líderes e enfraquece-se o Estado, quando deveria se fazer o contrário. Se o Estado fosse mantido forte, não teríamos vivido tantos golpes e cada nação do continente certamente já teria encontrado a sua vocação e o caminho mais indicado para o desenvolvimento. Ultimamente os golpes militares estão fora de moda, mas a sociedade é golpeada pela corrupção e até pelos golpes político-parlamentares, desfechados em nome da democracia.


Para nós, brasileiros, a Venezuela, além de vizinha, amiga é excelente parceira comercial. Temos de torcer para que encontre o seu rumo e tanto esse país, quando os outros da área, sejam capazes de estabelecer o Estado, que é permanente, mais forte do que a figura dos governantes, que são efêmeros. Só assim, todos nós, um dia, deixaremos de ser incomodamente vistos como “repúblicas de bananas”...



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)aspomilpm@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO
No dia da 1ª morte, MS tem mais quatro casos positivos de coronavírus
PREVENÇÃO
Opas defende isolamento social como melhor opção de combate à covid-19
INVESTIMENTO
No valor de R$ 1,3 milhão, edital auxilia artistas prejudicados com a pandemia do coronavírus
CORONAVÍRUS
Assembleia mantém atividades suspensas e prorroga prazo até 17 de abril
CORONAVÍRUS
Após primeira morte em MS, secretário reforça: "Fique em casa"
POLÍTICA
Após ganhar na Justiça e deixar PSL, DEM pode ser destino de Coronel David
COVID-19
Primeira vítima do coronavírus no Estado era fumante e fazia tratamento de saúde há quatro anos
ABASTECIMENTO
Na quarentena, Sanesul alerta para economia de água em MS
CORONAVÍRUS
Para evitar aglomeração, prazo de validade dos medicamentos é ampliado
BRASIL
Informalidade cai, mas atinge 38 milhões de trabalhadores

Mais Lidas

FRONTEIRA
Acidente na MS-164 em Ponta Porã leva pai e filho a óbito
DOURADOS
Homem entra em veículo e anuncia assalto com arma de brinquedo; vídeo
DOURADOS
Homem leva surra de populares e é detido por furtar dois veículos em Dourados
NOTA PREMIADA
Lista de ganhadores já está disponível para consulta