Menu
Busca sexta, 27 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
DOURADOS

Com pedido fora do prazo, Justiça nega direito de resposta a coligação

26 outubro 2020 - 11h53Por André Bento

Um dos mais recentes capítulos da disputa pela Prefeitura de Dourados nas eleições municipais deste ano envolve acusação de propaganda eleitoral gratuita com “informe tendencioso, parcialmente falso”, em relação a um dos candidatos a vice.

A coligação “Respeito por Dourados”, cujo candidato a prefeito é o vereador Alan Guedes (Progressistas), representou em face da coligação “Reconstruir é Nosso Desafio”, capitaneada pelo deputado estadual Barbosinha (DEM).

Através do processo de número 0600310-82.2020.6.12.0043, o grupo do progressista requereu “direito de resposta em propaganda eleitoral de horário gratuito, pois desde o dia 22 tem veiculado informe tendencioso, parcialmente falso, em relação ao candidato a Vice-prefeito Dr. Guto”.

O Dourados News apurou tratar-se de inserções nas quais é mencionado que o médico foi secretário municipal adjunto de Saúde, pasta alvo da Operação Contágio, deflagrada em 15 de julho deste ano contra supostas fraudes licitatórias para compra de insumos para enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Porém, o cirurgião plástico Carlos Augusto Ferreira Moreira deixou o cargo ainda em novembro de 2017, anos antes da ação desencadeada pelo MPE-MS (Ministério Público Estadual).

Ao julgar o pedido de direito de resposta, contudo, juiz José Domingues Filho, titular da 43ª Zona Eleitoral de Dourados, verificou a decadência da ação e julgo liminarmente improcedente o pleito.

Segundo o magistrado, é de 24 horas o prazo para o pedido de direito de resposta em razão da veiculação de propaganda eleitoral realizada em horário gratuito, prazo que inicia após o término da exibição.

“Tem ele natureza decadencial e se conta minuto a minuto, não se prorroga e nem se suspende, logo, ultrapassado o lapso, não há como vingar o direito (TSE. RESPE 27145/SP). Na hipótese versanda, a Coligação representante insurge-se contra veiculação de propaganda gratuita da outra desde o ‘dia 22’ que, à luz do art. 47, IV, a, da LE, findou primeiro ‘às sete horas e dez minutos’. Entrementes, somente ingressou em juízo à ‘13:26’ do ‘dia 23’, i.e., empós a caducidade das ‘24 horas’ para tanto”, ponderou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

INSS
Recadastramento de aposentados está suspenso até o fim do ano
CAPITAL
Preso foge de escolta policial durante atendimento em hospital
FUTEBOL
Palmeiras anuncia rescisão de contrato com o volante Ramires
POLÍCIA
Idoso cai em golpe de ligação da filha chorando, mas cartão é bloqueado
JUSTIÇA
Seguradora deve indenizar agricultor que perdeu 95% da safra
RIBAS DO RIO PARDO
Polícia recupera em assentamento cinco cabeças de gado furtadas
ECONOMIA
Caixa abre agência em Dourados neste sábado para saque de auxílio
ITAHUM
PM apreende motos abandonadas com maconha e skunk na MS-468
POLÍTICA
Governador de Santa Catarina é absolvido em processo de impeachment
CAPITAN BADO
Rapaz de 26 anos é executado em frente a hospital na fronteira

Mais Lidas

DOURADOS 
Foragido, autor de homicídio condenado a 16 anos é preso no Novo Horizonte
DOURADOS
Júri condena membros de grupo de extermínio a mais de 100 anos de prisão
PEDRO JUAN
Quatro corpos são encontrados enterrados na fronteira
BONITO
Mãe de bebê também morre após carro bater em coqueiro na MS-382