Menu
Busca segunda, 28 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
CONFLITO FUNDIÁRIO

STF fará audiência sobre reintegração de imóveis rurais ocupados por índios em Dourados

15 agosto 2020 - 14h20Por André Bento

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, marcou para às 15h do próximo dia 26 de agosto audiência virtual de conciliação que visa tratar sobre a reintegração de posse de imóveis rurais ocupados por índios em Dourados desde 2016. Ordens de desocupação seguem suspensas por risco à segurança, à ordem pública e de acirramento do clima de confronto fundiário na região.

Segundo a Corte, os atos serão presididos pelo juiz auxiliar da Presidência, Márcio Antonio Boscaro, coordenador do Centro de Mediação e Conciliação criado pela Resolução 697/2020, que entrou em vigor na segunda-feira (10).

“O centro buscará, mediante mediação ou conciliação, a solução de questões jurídicas sujeitas à competência do STF, que, por sua natureza, a lei permita a solução pacífica. A tentativa de conciliação poderá ocorrer nas hipóteses regimentais de competência da Presidência ou a critério do relator, em qualquer fase processual”, detalha.

O Dourados News apurou que as demandas em questão são as SL’s (Suspensão de Liminar) 1037 e 1097, e a STP (Suspensão de Tutela Provisória) 17. Todas versam sobre reintegração de posse de imóveis rurais localizados em Dourados, “ocupados por indígenas das etnias Guarani-Kaiowá, Terena e Kunumi Poty Verá”.

A SL 1037 foi ajuizada pela Funai (Fundação Nacional do Índio) em 30 de agosto de 2016 para suspender reintegração de posse ordenada pela Justiça Federal de Dourados em favor de sitiantes e fazendeiros cujas propriedades localizadas nos arredores da Reserva Indígena haviam sido ocupadas por índios da comunidade indígena Tey Kuê.

Também ajuizada pela Funai, a SL 1097 teve início em 14 de fevereiro de 2017. A exemplo das demais, essa demanda envolve proprietários rurais que chegaram a obter decisões judiciais favoráveis para reintegração de posse de seus imóveis, que estariam no perímetro urbano, na divisa com as aldeias, ocupadas por membros da comunidade indígena Ivu Verá.

Mais recente, a STP 17 é datada de 8 de abril de 2018 e nela a Fundação Nacional do Índio conseguiu suspender a reintegração de posse de uma fazenda local determinada por um desembargador do TRF 3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) sob o argumento de “risco a ordem e a segurança pública”. Entre as partes envolvidas, são mencionadas as comunidades indígenas inseridas no processo de demarcação Dourados Amambaipeguá I.

Para as audiências de conciliação designadas nessas ações, o ministro Dias Toffoli determinou a intimação das partes e demais interessados, “para tomar parte no ato, vez que ambos apresentam controvérsia e objetos semelhantes”, bem como da Funai “para que viabilize a participação das lideranças indígenas indicadas em seu ofício”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PREVENÇÃO
Bombas flutuantes são ativadas para garantir abastecimento de água em Corumbá
ECONOMIA
Economistas defendem investimentos públicos e taxação de ricos
INCENTIVO
Em segunda edição do programa, UEMS concede 711 auxílios para acesso à internet
POLÍCIA
Idoso é encontrado morto em valeta na região central de Itaporã
DOURADOS
Em MS, interessados em adquirir imóvel podem ter desconto no valor da entrada
ESPORTE
Vasco empata com Bragantino e entra, provisoriamente, no G4
PANDEMIA
Governo aposta que ‘Rastrear’ vai diminuir taxa de contaminação do coronavírus em MS
CONSUMIDOR
Após denúncias, Procon autua seis agências bancárias
PANDEMIA
Em um mês, mais de 5 mil aulas para primeira habilitação foram realizadas de forma online em MS
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Comissão mista se reúne para ouvir formuladores das propostas de reforma tributária

Mais Lidas

ATO DE FÉ
Após vigílias em frente a hospital, família celebra 'milagre' por homem que caiu do telhado
CAMPO GRANDE
Gêmeos são executados dentro de quitinete
POLÍCIA
Comerciante morre em acidente na MS-276
DEODÁPOLIS
Homem morre ao bater moto de frente com caminhonete da patroa