Menu
Busca terça, 07 de abril de 2020
(67) 9860-3221
CENTRO DE REABILITAÇÃO

Recomendação quer evitar novo ‘elefante branco’ em Dourados

13 setembro 2019 - 10h37Por André Bento

Recomendação expedida pelo MPE-MS (Ministério Público Estadual) e publicada na edição desta sexta-feira (13) estabelece 60 dias para a Prefeitura de Dourados ativar o Centro de Especialização em Reabilitação, CER II. Construído no bairro Terra Roxa com R$ 2.569.069,00 em recursos federais, o prédio foi formalmente entregue em fevereiro deste ano e existe temor de que seja transformado em um novo “elefante branco” na cidade.

Assinado em conjunto pelos promotores de Justiça Luiz Gustavo Camacho Terçariol, Ricardo Rotunno, Amilcar Araujo Carneiro Junior no dia 2 de setembro, o documento aponta a necessidade de “adquirir todos os equipamentos necessários para o regular funcionamento do serviço, mediante a finalização do Processo Licitatório PL n. 374/2018” e da contratação, “mediante chamamento público, empresa especializada para a gestão dos serviços a serem ofertados pelo CER II”.

Direcionada à prefeita Délia Razuk (sem partido) e à secretária municipal de Saúde, Berenice de Oliveira Machado Souza, essa recomendação considera, entre outros fatores, pedido de providência feito em abril de 2018 pelo então deputado federal Geraldo Resende, “anunciando a existência de prédio construído para instalação de Centro Especializado em Reabilitação – CER II e revelando o ‘temor de o prédio (...) virar um elefante branco, sem cumprir sua função social, assim como ocorre com outras instalações em Dourados’”.

O MPE leva em consideração ainda que o prédio foi entregue pela construtora  em 20 de fevereiro de 2019, “ou seja, há mais de 180 (cento e oitenta) dias, e que, por conseguinte, a última parcela do incentivo financeiro foi paga, no mínimo, há 06 (seis) meses atrás, ou seja, que houve o transcurso de prazo muito superior ao estipulado no art. 3º, inciso I, 'c', da Portaria n. 1.303/13 do Ministério da Saúde”.

No decorrer de procedimento aberto para investigar esse caso, a prefeitura alegou que “o PL nº 374/2018 encontrava-se em fase de assinatura de contratos” e “que a Guarda Municipal foi solicitada para disponibilização de vigias para estarem presentes no imóvel”, bem como “o edital de chamamento público estava sendo elaborado pela equipe técnica e posteriormente seria publicado no Diário Oficial do Município”.

Mas a Promotoria de Justiça avaliou que a administração municipal não se esforça para “prestar informações claras e completas” e considerou que “no Município de Dourados/MS são recorrentes e inúmeros os casos de obras públicas inacabadas e/ou finalizadas sem o devido início das atividades a que se destinam”, razões pelas quais expediu a recomendação.

Procurada pelo Dourados News nesta manhã, a secretária municipal de Saúde não atendeu a ligação da reportagem.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Autônomo pode baixar aplicativo para renda de R$ 600 a partir de hoje
DOURADOS
Homem é assassinado a tiros no Parque das Nações I
TEMPO
Terça-feira nublada com chuva a qualquer hora do dia em Dourados
SÃO PAULO
Sul-mato-grossense leva 12 facadas e crime é transmitido ao vivo
JUDICIÁRIO
STF: acordos de redução de salários devem passar por sindicatos
CAPITAL
Polícia localiza pai que fez ‘zerinho’ com filho no para-lama de moto
ÁGUA CLARA
Ex-prefeito é condenado a devolver R$ 430 mil por contratos sem licitação
EDUCAÇÃO
Enem: começa prazo para solicitação de isenção de taxa
CAMPO GRANDE
Após se envolver em acidente, homem é agredido e tem carro roubado
IMUNIZAÇÃO
Saúde distribui 300 mil doses de vacinas contra influenza aos municípios

Mais Lidas

DOURADOS
Dois homens são executados por dupla de moto no Jardim Carisma
FLEXIBILIZAÇÃO
Com restrições, comércio volta a funcionar amanhã em Dourados
COVID-19
Estado tem mais três confirmações do novo coronavírus em 24 horas, todas no interior
DOURADOS
Polícia apura que filho matou pai a pauladas após agredir a mãe grávida