Menu
Busca quarta, 20 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
DOURADOS

Município quer indenização de mais de R$ 400 mil de construtora por calçada ocupada irregularmente

15 junho 2020 - 09h19Por André Bento

A Prefeitura de Dourados acionou a Justiça para que a construtora proprietária de um prédio de supermercado instalado na Vila Maxwell proceda com a demolição de trecho da estrutura construído sobre a calçada. Alternativamente, requereu que a empresa faça o pagamento de R$ 444.105,33 para adquirir o passeio público ocupado de forma irregular.

Sob o número 0805965-12.2020.8.12.0002, esse processo começou a tramitar na 6ª Vara Cível da comarca em 19 de maio. Já no dia seguinte, 20, o juiz José Domingues Filho negou a tutela de urgência pleiteada pelo autor na busca por uma decisão de efeitos imediatos.

DEVER DE FISCALIZAR

“A rejeição de plano o pleito de tutela de urgência é medida que se impõe, pelo simples fato de que não há urgência alguma na sua concessão. De fato, o local em testilha se refere as instalações de famoso supermercado nesta cidade, que está daquela forma há muitos anos – a título exemplificativo, desde 2013, como disse na própria petição inicial. De maneira que imitir o Município na posse em tutela de urgência, com pleito de demolição, é utilizar-se do Judiciário para chancelar a omissão no seu dever de fiscalizar, notadamente quando se realizou a obra de ampliação”, pontuou o magistrado.

Segundo o juiz, “a despeito da probabilidade do direito, não está configurado a urgência manifestada em perigo de dano, notadamente para os usuários do passeio público, requisito essencial presente no art. 300 do CPC”.

LESÃO AO ERÁRIO

O Dourados News apurou que a negociação dessa área pública entre o Município de Dourados e a empresa é alvo do Inquérito Civil número 06.2016.00001136-0, instaurado pelo MPE-MS (Ministério Público Estadual) em 29 de agosto de 2016 para apurar possível lesão ao erário.

Nesse procedimento a 10ª Promotoria de Justiça da Comarca obteve Parecer Técnico de Avaliação Mercadológica segundo o qual o valor adequado para a venda do imóvel seria de R$ 444.105,33. Porém, a empresa, representada por uma construtora, contestou os parâmetros utilizados e propôs R$ 350.000,00.

REMÉDIO JUDICIAL

No processo judicial, a procuradoria do município afirma que a empresa requereu em 14 de fevereiro dilação de prazo por 30 dias úteis, que transcorreram sem nova manifestação. “Nestes termos, não há outra possibilidade senão o remédio judicial para solução da questão em tela, qual seja, o uso do passeio público, de forma irregular, pela requerida desde 1990, como ela mesma confessa”, argumentaram os procuradores municipais.

Ainda segundo eles, a empresa reconhece ter ultrapassado o limite em 642,08 metros quadrados da área que lhe pertence, invadindo o passeio público, e sem efetivar o devido pagamento e a consequente regularização da área, “busca debater administrativamente as determinações e definições a seu prazer, não se tendo exitosa resolução da situação posta na prática”.

AVALIAÇÃO MERCADOLÓGICA

No entanto, em 21 de maio a construtora que representa o supermercado cobrou providências do MPE. Em manifestação anexada ao inquérito, requereu que a Promotoria de Justiça analise impugnação do Parecer Técnico de Avaliação Mercadológica que aponta o valor de R$ 444 mil a partir de outra referência apresentada.

Ao queixar-se de que o MPE “não juntou e tampouco apreciou a impugnação” apresentada em 29 de abril, a defesa dos empreendedores afirma que o órgão “ignorou a manifestação da requerente e deu prosseguimento ao feito, exigindo a judicialização de uma demanda, cujo objeto ainda carece de resolução”.

VANTAGEM INDEVIDA

“Nesse viés, destaca-se que a juntada e apreciação da Impugnação e do Parecer Técnico apresentados pela Requerente, são imprescindíveis, pois além de permitir o exercício de defesa, comprovam que o laudo confeccionado pelo MP é equivocado e contém nulidade técnicas, que originaram vantagem indevida a municipalidade”, alega a construtora.

A empresa destacou ainda que “a iniciativa para resolução do litígio sempre” foi sua, “que desde o ano de 2013, busca solucionar a questão, sendo incontroverso que a Municipalidade já havia concordado com o valor de R$ 350.000,00 pelo pagamento da área ocupada, e, certamente, já teria recebido esse valor se processo tivesse seguido seu curso”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESPORTES
Brasil sofre primeira derrota, mas avança no Mundial de Handebol
IMUNIZAÇÃO
Confira a distribuição das doses de vacina contra a Covid-19 por município em MS
Brasil tem 1,1 mil mortes por Covid-19 registradas em 24 horas
PANDEMIA
Brasil tem 1,1 mil mortes por Covid-19 registradas em 24 horas
REGIÃO
Homem é preso após descumprir medidas protetivas em Bataguassu
CÂMARA DOS DEPUTADOS
Maia reafirma preocupação com a compra de vacinas pelo governo
ESPORTES
São Paulo acerta retorno de artilheira do último Brasileirão Feminino
ECONOMIA
Acordos especiais renegociaram R$ 81,9 bi da dívida ativa na pandemia
CRIME ORGANIZADO
Operação cumpre oito mandados em MS e em outros dois estados
SAÚDE
Farmacêuticos e farmácias podem ser estratégicos na vacinação contra a Covid
ECONOMIA
Dólar sobe pela terceira sessão seguida e fecha a R$ 5,34

Mais Lidas

DOURADOS
Morto por descarga elétrica pode ter tentado consertar portão
ACIDENTE
Homem morre após sofrer descarga elétrica em Dourados
DOURADOS
Comitê alerta para crescente da Covid e prefeito expede decreto com novas regras
DOURADOS
Em ação conjunta, polícia deflagra operação para investigar crimes